Criptomoeda chega ao meio rural para produtores de café

O Brasil é o maior produtor e exportador de café do mundo

Siga no
Café
Café/Reprodução

Engana-se quem pensa que o uso de moedas digitais, como as criptomoedas que são usadas principalmente para comprar e vender bens e serviços estão presentes apenas nos grandes centros urbanos e empresas familiarizadas com o seu uso.

Este mês deve ser lançada uma criptomoeda para suprir as necessidades diárias de produtores de café aqui no Brasil.  A informação veiculada no Bloomberg, diz que a cooperativa de grãos de café arábica, a Minasul, vai lançar a sua própria moeda digital.

Como vai funcionar?

Quem confirmou a informação foi Jose Marcos Magalhães, presidente do Minasul, durante uma entrevista no Fórum Global do Café em Campinas, no estado de São Paulo.

Segundo ele, através da moeda digital será possível realizar a compra de fertilizantes, compra de maquinário, entre outros serviços.

Logo, este tipo de financiamento digital vai reduzir os custos para a cooperativa e os produtores, porque não exigirá registro no escritório de um cartório. Dessa maneira, é possível também garantir aos fornecedores informações transparentes e em tempo real sobre as negociações.

A tecnologia Blockchain sustenta o Bitcoin e muitas outras criptomoedas. É cada vez mais comum a busca por alternativas legais como essas, em decorrência justamente pela quantidade de impostos que o setor empresarial e rural precisam pagar no país. Inclusive há estudos que indicam o benefício tributário nas transações com uso das criptomoedas.

Minasul: referência de café no Brasil

A Minasul, Cooperativa dos Cafeicultores da Zona de Varginha foi fundada em 1958, e conta com 6.000 cooperados, sua sede é em Minas Gerais (MG). Em 2018 a Minasul foi a segunda cooperativa de café do Brasil em volume de exportação.

Lembrando que o Brasil é o maior produtor e exportador de café do mundo.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Angelica Weise
Angélica Weise é jornalista formada pela Unisc, com mestrado pela UFSM. Escreve sobre os mais diversos assuntos, e claro, sobre criptomoedas. E-mail: angelicaweise@hotmail.com Angélica Weise é jornalista e escritora. Nasceu em Agudo (RS), mora na cidade gaúcha de Santa Cruz do Sul (RS), em 23 de abril de 1989. Formou-se em Jornalismo em 2012 na Universidade de Santa Cruz do Sul, UNISC/RS. Fez intercâmbio na Itália e uma especialização em Mídias na Educação na Fundação Universidade Federal, FURGH/RS; além de se preparar para seleção de mestrado em 2014. Começou a trajetória no jornalismo em 2013. Trabalha como jornalista freelancer independente e escreve para os diversos mídias, entre elas, internet (portais e sites) e revistas, sobre sustentabilidade, vida saudável, literatura., Bitcoin e blockchain. Em 2013 lançou o primeiro livro pela editora Multifoco: Jornalismo Literário: uma análise das reportagens de José Hamilton Ribeiro publicadas na Revista Realidade. O livro é fonte de pesquisa para estudantes, pesquisadores e jornalistas.
Mão segurando picolé laranja, cor do Bitcoin

Homem compra picolé com Bitcoin em El Salvador em menos de 15 segundos

Um homem gravou um vídeo em El Salvador comprando um simples picolé com Bitcoin, a compra não demorou 15 segundos para ser completada. A...
Roberto Campos Neto, presidente do BCB no Brasil

Presidente do Banco Central do Brasil pede cautela com Bitcoin

O presidente do Banco Central do Brasil (BCB) pediu que as pessoas tenham cautela com o Bitcoin. Reunindo especialistas do setor financeiro brasileiro para...
Imagem: ShutterStock

Fundadores de corretora de Bitcoin desaparecem com R$ 17 bilhões de clientes

Dois irmãos na África do Sul podem ser responsáveis pelo maior golpe Ponzi envolvendo o Bitcoin já aplicado no país. O nome da empresa...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias