A dengue é uma doença muito perigosa, só no Brasil, em 2018, foram registrados 62 mortes. A dengue é transmitida através de picadas do mosquito Aedes Aegypti. Tradicionalmente, a pessoa infectada procura os auxílios de saúde onde seu sangue é testado e diagnosticado por médicos. Esse processo é muito lento e não permite que outras autoridades de saúde conheçam a disseminação da doença.

Pensando nisso, Htmlcoin e Althash estão desenvolvendo junto a pesquisadores da região de Davao nas Filipinas, um aplicativo chamado IdengueFy, uma ideia do Dr. Warlito C. Vicente da Fundação Kinsasang’an.

Sobre o Aplicativo

O projeto busca desenvolver um aplicativo móvel de identificação e rastreamento de casos de dengue. Os idealizadores, pesquisadores e desenvolvedores do aplicativo são; Dr. Warlito C. Vicente (Diretor Executivo da Fundação Kinasang’an), Dr. Vincent Rey Vicente (Diretor Executivo Adjunto da KsFI), Dr. Randell Espina (Departamento de Engenharia da Universidade Ateneo de Davao) e Eng. Eduardo Descalosta Jr (desenvolvedor líder, Universidade Ateneo de Davao).

Em seu estágio inicial, o objetivo é desenvolver um aplicativo para dispositivos móveis que possa identificar e rastrear locais de infecção por dengue na cidade de Davao, nas Filipinas. Assim, as autoridades de saúde terão acesso, de forma adequada e instantânea, a um feedback dos casos de dengue naquela cidade. O aplicativo também ajudará a identificar e fornecer dados estatísticos com localização geográfica sobre onde há prevalência da doença, além de criar um componente que analisará e preverá a possível localização geográfica das futuras infecções por dengue na cidade.

O aplicativo ainda está no estágio de desenvolvimento experimental e a pesquisa será conduzida em 10 “barangays” (aldeias) dentro da cidade de Davao. No entanto, após a pesquisa, ele estará disponível para uso global.

O aplicativo móvel será útil para monitorar, diagnosticar e rastrear infecções por dengue nas localizações geográficas especificadas. Ele irá informar rapidamente as autoridades de saúde sobre a propagação da doença na área específica selecionada e também poderá fornecer um feedback para as pessoas que tem a sintomatologia de dengue para que possam tomar as providências de tratamento imediatamente.

Na segunda fase do desenvolvimento, o aplicativo será integrado à tecnologia blockchain, tendo em vista que os dados devem ser imutáveis, seguros e armazenados de maneira distribuída, o que elimina o ponto único de falha. A este respeito, a blockchain Althash foi considerada como sendo a plataforma adequada, dadas suas qualidades híbridas, oferecendo execuções de contratos inteligentes que se encaixam melhor no desenvolvimento do aplicativo. Portanto, eventualmente, será um aplicativo descentralizado. Uma boa maneira de incentivar a utilização do aplicativo será a tokenização, recompensando com tokens aqueles que relatarem casos identificados.

Na direita: Edgar Tuliao e na esquerda Dr. Vincent Vince, ambos membros da Fundação Htmlcoin

Atualmente, a equipe de desenvolvimento de negócios da HTMLCoin Foundation, gestora da Althash Blockchain, está na cidade de Davao, Filipinas, para colaborar com a Fundação Kinsanga’an e o Departamento de Ciência e Tecnologia. Esta colaboração proporcionará uma grande parceria para o desenvolvimento da aplicação descentralizada.

Após a fase experimental, o aplicativo estará disponível para uso global, já que seu desenvolvimento não será exclusivamente realizado para a cidade de Davao, nas Filipinas, mas sim para ser usado em todo o mundo, visando todos os países onde podem haver epidemias de Dengue.