Blockchain: uma nova abordagem da cadeia de suprimentos

Siga no

Por Luigi Filippozzi, consultor do segmento de Supply Chain da Logicalis – O termo Supply Chain surgiu em meados de 1990, com a globalização da manufatura e, principalmente, com o crescimento da industrialização na China. Neste período, o setor logístico sofreu seu primeiro boom tecnológico impulsionado pelo surgimento de sistemas ERP (Enterprise Resource Planning), que permitem a integração de todos os dados e processos de uma organização – até então isolados.

A utilização em grande escala dos ERPs aumentou drasticamente a necessidade de um melhor planejamento e integração entre as áreas das corporações. Tanto que cerca de 10 anos depois, o setor passou a adotar o EDI (Electronic Data Interchange), tecnologia que permite uma comunicação padronizada entre diferentes empresas. O objetivo era viabilizar o compartilhamento de documentos fiscais de forma eletrônica, impulsionando a automatização dos processos comerciais e o aprimoramento da comunicação – até então feita por fax, correio ou e-mail. E, embora essa tecnologia não permita uma comunicação em tempo real, é fundamental para os processos logísticos de embarcadores e transportadores.

Diante desse histórico, podemos afirmar que o setor tem uma clara necessidade de ferramentas tecnológicas para garantir a troca de dados de forma eficaz, transparente e segura. E, neste contexto, qual poderia ser a tecnologia mais disruptiva para o futuro do Supply Chain?

Uma das possíveis respostas é o blockchain. A tecnologia pode funcionar como uma espinha dorsal para a digitalização da cadeia de suprimentos, pois possibilita a interoperabilidade e a rastreabilidade por meio de ambientes amigáveis e customizáveis conforme a necessidade das empresas envolvidas no processo. Muito além um intercâmbio de dados eletrônicos, com o blockchain é possível unir, em um único local, transparência, credibilidade, agilidade e eficiência.

Isso porque, a tecnologia permite o registro de todos os dados e informações de um produto, desde sua origem até o seu destino, bem como detalhes do processo de produção. No caso da carne de boi, estariam registrados na tecnologia o local de criação do gado, o transporte para o frigorífico, a forma como foi abatido e armazenado, detalhes do transporte para o supermercado e, até mesmo, a temperatura em que está armazenado no estabelecimento comercial.

A agilidade trazida pela facilidade de compartilhamento de dados em tempo real permite a integração completa de todos os elos, simplificando a tomada de decisão com base em informações de outras etapas do processo de produção e, até mesmo, de outras empresas da cadeia. Além disso, possibilita a validação das transações por cada uma das partes envolvidas antes de registrá-las. E, embora isso possa representar um risco às informações, outra característica importante do blockchain – a imutabilidade dos dados – garante a segurança de acesso a eles e os protege de ataques de hackers.

Outro uso importante do blockchain são os Smart Contracts (contratos inteligentes), acordos que podem ser fechados de forma automática quando condições pré-determinadas são cumpridas. E, tudo isso, verificado digitalmente e rapidamente por meio de máquinas ou pessoas. Um ótimo exemplo de uso dos Smart Contracts na cadeia de suprimentos é a etapa de compras de insumos. Eles permitem a automatização do processo com base em informações de estoque e produção futura, reduzindo a probabilidade de uma compra sem demanda – uma importante disrupção neste processo tão manual.

E, tendo em vista a relevância do Supply Chain nas organizações, acredito que o blockchain pode ser o facilitador de um planejamento simbiótico entre duas ou mais empresas da cadeia. A tecnologia possibilitaria também que CFOs de diferentes organizações planejem juntos a melhor estrutura de capital de giro para otimizar os fluxos de caixa e margens das suas empresas. Além disso, os COOs poderão facilmente planejar investimentos compartilhados ou otimização de ativos de suas empresas.

O blockchain é o segredo para digitalizar totalmente esse setor e tornar as informações mais confiáveis e os processos mais seguros. Com o uso da tecnologia, esses e muitos outros processos poderão ser realizados de forma mais rápida, mensurável e conforme o interesse e confidencialidade das partes envolvidas. E, a partir do momento em que todas as organizações de uma cadeia de suprimentos – desde os fornecedores de insumos até o distribuidor – tiverem acesso às mesmas informações e tomarem decisões integradas, haverá um aprimoramento do processo completo e maior eficiência e competitividade das empresas.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Mateus Nuneshttps://livecoins.com.br
Fundador do Livecoins. Analista de Sistemas, entusiasta de criptomoedas e blockchain. Tradutor do site Bitcoin.org
Roberto von der Osten, da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT)

Bitcoin é inevitável, diz sindicalista da CUT

O sindicalista Secretário de Relações Internacionais da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Sistema Financeiro (CONTRAF-CUT), Roberto von der Osten, disse em um programa de...

Axie Infinity não pagará mais jogadores iniciantes

Axie Infinity ainda é um dos grandes sucessos dos jogos blockchain, representando uma oportunidade para muitos conseguirem ganhar enquanto jogam. No entanto, novas mudanças...
Bitcoin e criptomoedas em ETF

NASDAQ indica que ETF de Bitcoin pode ter sido aprovado, preço dispara

Os investidores de Bitcoin tem aguardado ansiosamente por uma possível aprovação de um ETF de Bitcoin, o que poderia fazer o preço do ativo...
.

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias