Com remessas caras, Índia pode ver adoção de Bitcoin

Segunda maior população do mundo poderá ver maior movimento em breve rumo às criptomoedas!

Siga no
Bitcoin (BTC) no globo, em foco Índia, China e Austrália
Bitcoin (BTC) no globo, em foco Índia, China e Austrália

A adoção do Bitcoin (BTC) é um tema frequentemente discutido pela comunidade e há certamente uma grande curiosidade para descobrir qual será o primeiro país a desbravar esse novo território. Uma forte candidata ao título é a Índia, que detém a segunda maior população do mundo e pode ver o movimento de adoção ao Bitcoin para fugir de remessas caras.

Isso porque, a Índia detém a maior população de trabalhadores que moram fora do país. São estimados 17 milhões de indianos trabalhando fora do seu país natal. Cabe o destaque que estes trabalhadores ainda mantêm suas famílias mesmo a distâncias.

Ou seja, é necessário enviar o sustento mensal, remessas, para que seus entes queridos se mantenham com qualidade de vida. Ao utilizar o sistema bancário, praticamente são “assaltados com consentimento”, visto o alto valor pago em taxas.

Um estudo recente apontou que as remessas com criptomoedas deverão aumentar no país em breve.

Bitcoin é o dinheiro digital e sem fronteiras
Bitcoin é o dinheiro digital sem fronteiras

Adoção de Bitcoin pela população da Índia pode ser movimento natural para fugir de remessas caras

País que sofre com atrasos no desenvolvimento, aliado a uma gigantesca população, a Índia é um dos países que mais chamam atenção. Isso porque, os meios de pagamentos no país ainda carecem de avanços tecnológicos, prejudicando as transações feitas no cotidiano.

A moeda local, além disso, é um exemplo a não ser seguido, visto que sua desvalorização é enorme. Chamada de Rupia (INR), a divisa indiana é fraca para reservar valor, sendo altamente depreciada frente ao dólar.

Dessa forma, um estudo produzido pela corretora de criptomoedas OKEx e pelo Coinpaprika, analisou o ecossistema blockchain da Índia. O objetivo, de acordo com os coautores, é compartilhar a visão de um mercado com imenso potencial para adoção do Bitcoin: a Índia

O estudo atribuiu a força do desenvolvimento recente a três fatores, que são: muitos imigrantes, finanças e políticas governamentais. Recentemente, a Índia permitiu novamente que o Bitcoin fosse utilizado pela população.

A grande demanda de remessas da Índia favorece o uso das criptomoedas

Como a Índia é o país que possui mais trabalhadores vivendo fora do território, o primeiro grande uso para o Bitcoin no local é o de remessas. Como é uma moeda digital, o Bitcoin pode ser utilizado de qualquer lugar do mundo, eliminando intermediários e, por consequência, taxas de câmbio.

Gráfico dos países que mais possuem imigrantes, Índia é campeã com maior população fora
Gráfico dos países que mais possuem imigrantes, Índia é campeã com maior população fora – Reprodução/Coinpaprika

O estudo destacou ainda que os indianos possuem fortes vínculos familiares. Ou seja, a demanda por remessas no país é alta e tem sido a maior do mundo ao longo dos anos.

Cabe o destaque que até o ano passado as criptomoedas eram proibidas no local. Com isso a concorrência com bancos ficou difícil para empresas do mercado ligado ao Bitcoin. Contudo, a decisão de liberar o Bitcoin na Índia foi acatada na Suprema Corte, em março de 2020.

Apenas no ano de 2019, por exemplo, os indianos pagaram 5,67 bilhões de dólares em taxas de remessas. A cobrança abusiva feita pelos bancos é uma das maiores do mundo, considerando o valor da taxa média global.

O México, que é o segundo país com maior número de imigrantes, conheceu o Bitcoin e tem feito bom uso da tecnologia. Empresas como a Bitso já conseguiram 2% do mercado de remessas dos Estados Unidos para o México.

Com divisa fraca, necessidade por moeda forte é urgência na Índia

O estudo do Coinpaprika destacou que a população não se favorece do Bitcoin apenas com remessas. Em outro ponto fica claro que as pessoas do local precisam de uma moeda forte para suas transações corriqueiras, altamente dependentes do dólar.

Taj Mahal, símbolo da Índia
Taj Mahal, símbolo da Índia

O valor da rúpia indiana é instável e teve uma piora durante a pandemia do novo coronavírus. Frente ao dólar (USD), a rupia (INR) já depreciou mais que 6% em 2020. Ao mesmo tempo, o preço do Bitcoin ganhou mais que 28% em relação ao dólar.

Como a população depende em grande parte de dólar para pagar suas contas, observar com atenção o Bitcoin pode ser interessante, destacou o estudo. O volume de compra no país após março, quando saiu decisão de liberar as criptomoedas, cresceu em plataformas como a LocalBitcoins e Paxful.

Em resumo, a população indiana pode se beneficiar duplamente de um mergulho imediato no Bitcoin. A adoção do Bitcoin na Índia ainda depende de fatores políticos, que por hora, estão bem favoráveis, tornando o país atraente para um grande teste da moeda digital.

Leia mais sobre:
Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

Apenas 16% dos investidores em criptomoedas entendem do assunto, diz pesquisa

Para investir de forma segura em qualquer mercado ou ativo é imprescindível que você tenha conhecimento sobre o que está fazendo. No entanto, uma...
Binance PIX

Corretoras brasileiras pedem ação da CVM, MPF e BC contra Binance

A Associação Brasileira de Criptoeconomia (ABCripto), que tem corretoras como a foxbit e Mercado Bitcoin, pediu que o MPF ajuíze uma ação civil pública...

Site sobre criptomoedas supera Bloomberg, Reuters e WSJ em visitas mensais

O maior agregador de preços de criptomoedas do mundo, o CoinMarketCap, realizou um marco histórico no mês de fevereiro: superou a marca de 100...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias

Corretoras brasileiras pedem ação da CVM, MPF e BC contra Binance

A Associação Brasileira de Criptoeconomia (ABCripto), que tem corretoras como a foxbit e Mercado Bitcoin, pediu que o MPF ajuíze uma ação civil pública...

Site sobre criptomoedas supera Bloomberg, Reuters e WSJ em visitas mensais

O maior agregador de preços de criptomoedas do mundo, o CoinMarketCap, realizou um marco histórico no mês de fevereiro: superou a marca de 100...

Foice, martelo e… Bitcoin? Filósofo diz que criptomoeda é um renascimento do comunismo

O filósofo francês Mark Alizart lançou um livro onde afirma que o advento das criptomoedas e o protocolo Bitcoin são uma possível alavanca para se pensar em...

George Ball diz que Bitcoin é uma boa proteção contra inflação

O famoso investidor George Ball, CEO da Sanders Morris Harris, dise que o Bitcoin é uma boa proteção contra a inflação. Dessa forma, ele...

Domínio chinês em blockchain é um risco para os EUA, diz presidente da Câmara de Comércio Digital

Perianne Boring, a presidente da Câmara de Comércio Digital dos Estados Unidos destacou os motivos pelos quais acredita que os Estados Unidos precisam se...