“Criptomoedas alternativas já estavam condenadas”, diz Saifedean Ammous

Segundo Ammous, não compensa alertar para as pessoas que as shitcoins causam prejuízos.

O famoso escritor Saifedean Ammous, autor do livro “O Padrão Bitcoin”, disse que não cogita defender publicamente as criptomoedas alternativas, as quais chamou de “shitcoins“.

O termo indica que as criptomoedas alternativas não possuem um valor real, o que para Ammous, um maximalista de bitcoin, representam todas as altcoins.

De acordo com o escritor, todas as altcoins visam apenas enriquecer os golpistas que as criaram, logo, não há motivos para sair em defesa de nenhuma delas.

Nos últimos dias, parte do mercado de criptomoedas alternativas pediu união, após regulador dos EUA, a SEC, mencionar que alguns projetos são ativos financeiros.

Escritor famoso diz que não cogita defender shitcoins e que elas já estavam condenadas de qualquer maneira

Reconhecido formalmente como um conselheiro de bitcoin de El Salvador nos últimos dias, Saifedean Ammous segue atento ao movimento do mercado de criptomoedas.

Mesmo assim, ele separa o “joio do trigo”, ao colocar o Bitcoin como uma moeda digital, enquanto trata as altcoins como lixo.

E segundo Ammous, não adianta sair em defesa de tais projetos, pois ninguém escuta. De acordo com o escritor, se as palavras tivessem importância, o mundo já teria retornado ao padrão-ouro.

Em sua fala ácida contra os recentes episódios em que a SEC classificou altcoins como ativos mobiliários, Ammous declarou apenas que shitcoins não têm importância e nem merecem que ninguém as defenda.

“Primeiro eles vieram buscar as shitcoins, e eu não falei porque se falar importasse, já teríamos voltado ao padrão-ouro. E porque as shitcoins não conseguem nada mais importante do que enriquecer golpistas às custas de idiotas e não tenho motivos para lutar por isso. E porque se sua merda precisa que eu fale, então sua merda está condenada de qualquer maneira.”

Quanto a uma possível defesa do Bitcoin, Saifedean também lembrou que não se pronunciará sobre nenhum ataque que ocorra contra a moeda digital. Isso porque, em sua opinião, o simples fato de manter suas chaves privadas seguras já ajuda a rede, que seguirá sólida e funcionando, independente de qualquer ameaça política.

“Então eles vieram atrás do bitcoin, e eu também não falei nada porque aprendi a segurar minhas próprias chaves em vez de me posicionar politicamente como um servo do século XX.”

Mercado de criptomoedas está sob ataque? Isso afeta o bitcoin?

Após os recentes processos de investigações abertos pela SEC contra Binance e Coinbase, muitos saíram publicamente pedindo união contra os reguladores. Um que declarou que a caça ao mercado de criptomoedas custará caro aos políticos dos EUA é o bilionário Tyler Winklevoss, que afirmou que o partido perderá as eleições de 2024.

Contudo, em meio a todo o ataque contra algumas criptomoedas altcoins e a corretoras, o Bitcoin passou ileso. Isso porque, os reguladores da SEC acreditam que a moeda digital não é um ativo financeiro, ou criptoativo, deixando o bitcoin de lado das investigações.

Ou seja, os maximalistas entendem que o atual momento envolve apenas o mercado de criptomoedas, mas o bitcoin é uma tecnologia a parte. De qualquer forma, os reguladores seguem observando o mercado, e alguns temem que o bitcoin seja incluído em algum relatório futuro.

Vale lembrar que, diferente das altcoins, o bitcoin não tem fundadores, líderes, e nem uma equipe centralizada que dá manutenção em seu código, diferente das altcoins. Assim, os maximalistas seguem confiantes que a moeda resistirá a qualquer investigação política.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na maior corretora de criptomoedas do mundo e ganhe até 100 USDT em cashback. Acesse Binance.com

Entre no nosso grupo exclusivo do WhatsApp | Siga também no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

Últimas notícias