Desembargador nega justiça gratuita a mulher que investiu R$ 3,1 mi em bitcoins

Siga no
Poder aquisitivo da investidora é alto, segundo decisão. Crédito da foto: Freepik

O desembargador Antonio de Almeida Sampaio, do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, negou pedido de justiça gratuita feito por uma mulher que investiu R$ 3,1 milhões em bitcoins por meio da Criptoinvest.

A empresa, que afirma fazer intermediação e prestar assessoria financeira na área de criptoativos, é alvo de processo da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) aberto no ano passado.

Em novembro, uma juíza também negou justiça gratuita a um empresário que investiu R$ 115 mil na Atlas Quantum.

Impossível admitir que as custas do processo sejam elevadas para a investidora, diz desembrgador

De acordo com a decisão, que foi uma resposta a um agravo de instrumento – procedimento jurídico interposto com objetivo de reverter uma decisão anterior –, o pedido de gratuidade foi negado por causa do poder aquisitivo da investidora.

Além do alto valor investido em bitcoins, a mulher teria salário de R$ 15,6 mil, aposentadoria de R$ 2,1 mil e “patrimônio considerável”, conforme a declaração de imposto de renda anexada ao processo.

“Embora aposentada, a requerente possui emprego registrado em carteira e aufere um bom salário. Tem patrimônios próprios, rendimentos em aplicações e conta poupança, indícios aptos a afastar, por ora, a alegação de insuficiência econômica da recorrente. Impossível admitir, que o valor das custas de preparo de 1% (pouco mais de R$ 31 mil) seja elevado a ponto de comprometer o seu sustento”, diz trecho da decisão.

Ação pede rescisão de contrato e devolução de dinheiro

Apesar da negativa da justiça em relação à gratuidade, o processo, que visa a rescisão do contrato com a Criptoinvest e a devolução dos R$ 3,1 milhões, continua correndo.

De acordo com a ação, a investidora teria formalizado contrato com a Criptoinvest em abril de 2017 e feito diversos aportes financeiros, com a promessa de receber 10% mensais sobre o valor investido.

Até julho de 2018, segundo a autora do processo, a empresa liberava normalmente os saques, mas a partir de agosto daquele ano os rendimentos pararam de ser depositados em sua conta.

Empresa responde a 21 ações na Justiça de São Paulo

A Cripstoinvest responde a 21 ações na Justiça de São Paulo, conforme apuração do Livecoins. Além de rescisão de contratos e devolução de recursos, os investidores pedem indenizações por danos materiais, bloqueios de recursos da empresa e reparação por perdas.

A reportagem tentou contato com a Criptoinvest por meio do telefone disponibilizado em seu site, mas ninguém atendeu. O espaço fica aberto para o posicionamento da empresa.

Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br.



Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).
Bandeira da Rússia e moedas de Bitcoin

Rússia quer banir mineração e uso de Bitcoin

O Banco Central da Rússia emitiu um documento de consulta nesta quinta-feira (20) intitulado Criptomoedas: Tendências, riscos e regulação, cujo principal foco é influenciar...

NFT é bolha? NFT é investimento? Para que serve?

Neymar, Stephen Curry, Eminem, Lil Baby, e Snoop Dogg, são algumas das celebridades que entraram na onda dos Bored Apes Yacht Club, uma série...

Falsa criptomoeda da Amazon, golpistas usam técnicas refinadas

Segundo relatório da Akamai, empresa americana de serviços de internet, golpistas estão usando técnicas refinadas para atrair vítimas. Neste caso, os criminosos estão usando...
.

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias