Justiça condena suposta pirâmide financeira que patrocinou até carro da Stock Car

Empresa deverá pagar mais de R$ 80 mil para investidor que aguarda os pagamentos da Híbridos Club desde julho de 2017.

Siga no
Justiça condena Híbridos Club
Justiça condena Híbridos Club

A Híbridos Club deverá pagar mais de R$ 80 mil para um investidor. Através de um processo movido pela justiça de São Paulo, a empresa reconheceu que o usuário investiu R$ 80 mil em criptomoedas no final de 2016. Porém, desde então o investidor não conseguiu reaver seu dinheiro.

Apontada como suposta pirâmide financeira, a Híbridos Club já foi processada por outros investidores. Com a promessa de lucros mensais de 20%, a Híbridos Club atraiu milhares de investidores para seus negócios. A empresa chegou a patrocinar um carro da Stock Car em busca de visibilidade para a marca.

Híbridos Club deverá pagar mais de R$ 80 mil para investidor

De acordo com o processo (1000984-94.2018.8.26.0176), o investidor aplicou R$ 40 mil em três aportes entregues para a empresa no dia 27/12/2016. Com a promessa de lucros por volta de 20% ao mês, o investidor esperava receber R$ 8 mil todos os meses da Híbridos Club.

Os primeiros repasses da empresa parecem ter acontecido tranquilamente nos primeiros meses. No processo, parece que os pagamentos deixaram de ser feitos a partir de julho de 2017. Após os rendimentos mensais não serem depositados pela empresa, o investidor decidiu rescindir o contrato com a Híbridos Club.

Ficou determinado que a empresa pagaria o valor de R$ 84.480,00 para o usuário em onze parcelas. O montante corresponde aos repasses mensais em atraso somado ao capital investido pelo autor da ação.

Além disso, uma multa de 10% que deveria ser paga pela empresa foi acrescentada no valor final do processo. Contudo, a Híbridos Club não honrou com os pagamentos, o que fez o investidor procurar a justiça.

Do patrocínio a Stock Car aos atrasos em pagamentos

Entre os anos de 2016 e 2017 a Híbridos Club operou investimentos que podem configurar a empresa como uma suposta pirâmide financeira. Segundo publicações na internet, a empresa operou até 2018, momento em que o seu criador ficou desaparecido por quase um mês. A oferta da Híbridos Club era relacionada com criptomoedas como o Bitcoin.

Hélio Caxias Filho ficou desaparecido por trinta dias no ano passado. Usuários da Híbridos Club não conseguiam contato com o empresário. Além de investidores, um patrocínio prometido por Hélio também não se concretizou. O empresário sumiu antes de repassar um patrocínio para um carro que correu na Stock Car de 2018.

A Híbridos Club também era apontada como a patrocinadora de Tuka Rocha na Stock Car. O piloto seria patrocinado pela empresa na temporada de 2018. Mas, antes mesmo do patrocínio ser concretizado, Hélio Caxias Filho não foi encontrado por Tuka Rocha. Dessa forma, o piloto teve que correr atrás de outros patrocínios, correndo o risco de não conseguir novos colaboradores a tempo.

Empresa reconheceu dívida perante investidor

Através da ação, a Híbridos Club reconheceu a dívida apontada pelo investidor. Inicialmente a empresa tentou negar a dívida, mas não teve como recorrer diante das provas. Sendo assim, no julgamento do mérito da ação a Híbridos Club apresentou outra justificativa para os pagamentos que não aconteceram.

Para a empresa, o investimento apresentava riscos e por isso os pagamentos não foram realizados. Por outro lado, a justiça entendeu que o risco do investimento foi assumido pela Híbridos Club. 

Com a promessa de lucro fixo de 20% ao mês, a Híbridos Club oferecia uma prática irregular de investimento. Segundo a CVM, investimentos de alto risco não podem garantir nenhum tipo de lucro fixo. Para a comissão, ofertas desse tipo podem evidenciar casos de pirâmides financeiras.

Com a decisão judicial, a empresa foi condenada a pagar R$ 84.480,00 ao proponente da ação. O valor deverá ser corrigido de acordo com a data em que o investidor deveria receber o dinheiro. O juiz determinou ainda que a empresa deverá arcar com as custas do processo, fixadas em 20% sobre o valor da condenação.

Leia mais sobre:
Paulo Carvalho
Paulo Carvalho
Jornalista em trânsito, escritor por acidente e apaixonado por criptomoedas. Entusiasta do mercado, ouviu falar em Bitcoin em 2013, mas era que nem caviar, "nunca vi, nem comi, só ouço falar".
Binance PIX

Corretoras brasileiras pedem ação da CVM, MPF e BC contra Binance

A Associação Brasileira de Criptoeconomia (ABCripto), que tem corretoras como a foxbit e Mercado Bitcoin, pediu que o MPF ajuíze uma ação civil pública...

Site sobre criptomoedas supera Bloomberg, Reuters e WSJ em visitas mensais

O maior agregador de preços de criptomoedas do mundo, o CoinMarketCap, realizou um marco histórico no mês de fevereiro: superou a marca de 100...
Comunistas + Bitcoin

Foice, martelo e… Bitcoin? Filósofo diz que criptomoeda é um renascimento do comunismo

O filósofo francês Mark Alizart lançou um livro onde afirma que o advento das criptomoedas e o protocolo Bitcoin são uma possível alavanca para se pensar em...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias

Site sobre criptomoedas supera Bloomberg, Reuters e WSJ em visitas mensais

O maior agregador de preços de criptomoedas do mundo, o CoinMarketCap, realizou um marco histórico no mês de fevereiro: superou a marca de 100...

Foice, martelo e… Bitcoin? Filósofo diz que criptomoeda é um renascimento do comunismo

O filósofo francês Mark Alizart lançou um livro onde afirma que o advento das criptomoedas e o protocolo Bitcoin são uma possível alavanca para se pensar em...

George Ball diz que Bitcoin é uma boa proteção contra inflação

O famoso investidor George Ball, CEO da Sanders Morris Harris, dise que o Bitcoin é uma boa proteção contra a inflação. Dessa forma, ele...

Domínio chinês em blockchain é um risco para os EUA, diz presidente da Câmara de Comércio Digital

Perianne Boring, a presidente da Câmara de Comércio Digital dos Estados Unidos destacou os motivos pelos quais acredita que os Estados Unidos precisam se...

CEO da Aave diz que “loucura do Yield Farming” está chegando ao fim

O CEO da Aave, Stani Kulechov, está preocupado com a falta de inovação dentro do setor de finanças descentralizadas (DeFi), citando a natureza de...