Mining Express é suspeita de pirâmide financeira

Infelizmente, por enquanto, todas as empresas que uniram criptomoedas com o marketing multinível acabaram dando prejuízo a seus investidores.

Siga no

No dia 22 de dezembro de 2020 um canal do Youtube chamou a atenção do público brasileiro com o vídeo “Esse brasileiro comprou bitcoin e deu nisso…”. O vídeo, que agora tem mais de 30 mil visualizações e 2 mil likes conta a história de Kaze Fuziyama e da empresa Mining Express.

Em seus quase 40 minutos de duração é mostrado a gigantesca operação da empresa que tem operações na Ucrânia e possui máquinas de mineração. No entanto, o vídeo acabou viralizando na comunidade de criptomoedas por um outro motivo. A empresa é acusada de pirâmide por um site especializado em denunciar esquemas Ponzi.

De acordo com o Behind MLN, a Mining Express “tem um modelo inviável de lucros”.

Apesar das operações de mineração realmente existirem, como é mostrado no vídeo, a Mining Express levantou várias questões por parte de diferentes analistas do mercado por causa da junção da mineração com o Marketing Multinível. Como apontado pelo Behind MLM:

“Apesar de dizer que gera retorno de investimento através de contratos de mineração, a Mining Express não oferece evidência concreta dessa geração de lucros (…) Se a Mining Express conseguir provar a existência da sua mineração, ela também não tem nenhuma evidência de que é registrada com reguladores de valores mobiliários em qualquer jurisdição que opera.

No mínimo, a Mining Express é uma oferta de valores mobiliários ilegal e não registrada em qualquer país onde valores mobiliários são regulados.”

Apesar de ser uma empresa de mineração, o oferecimento de “investimento” em diferentes pacotes tornam a empresa parte da jurisdição regulamentar da Comissão de Valores Mobiliários. 

A empresa não foi encontrada como regulamentada na CVM brasileira.

Sendo assim, a Mining Express não pode oferecer oportunidades de investimento no Brasil, fato que fez a empresa ser colocada em outras listas de pirâmide que usam como base informações públicas de processos e procedimentos, judiciais e administrativos ou denúncias junto as delegacias de Polícia Civil, Promotorias Públicas estaduais, Polícia Federal, MPF, CVM, CADE, Receita Federal do Brasil e Secretaria Nacional de Defesa do Consumidor.

A Mining Express realmente minera Ethereum e outras altcoins?

Local de mineração da Mining Express.

De acordo com o vídeo que ganhou notoriedade nos últimos dias a Mining Express diz ser uma mineradora de grande porte de altcoins. Ao que tudo indica essa é uma afirmação verdadeira, mas alguns detalhes estão ficando de fora.

Primeiro de tudo vamos aos fatos de que a Mining Express realiza, pelo menos em parte, a mineração de criptomoedas como o Ethereum.

Através do site EtherScan é possível confirmar que a Mining Express está na 18ª colocação entre as maiores mineradoras da rede Ethereum.

Mas a mineração não parece ser o único objetivo das máquinas na mineradora. Na metade de 2019 a empresa chegou a alugar suas rigs de mineração para a renderização de vídeos para grandes produtoras.

Como o Retorno de Investimento sendo dependente da mineração, por que a companhia não usaria toda a sua capacidade para garantir os lucros dos investidores? Por que há máquinas ociosas que podem ser alugadas para outras funções?

Com isso, a suspeita do Behind MLN é que boa parte dos lucros da empresa vêm do sistema de marketing multinível, que é o principal produto vendido pelos muitos líderes da Mining Express.

Quem é o criador da Mining Express?

Outro ponto interessante é o criador da Mining Express, Kaze Fuziyama, que contou brevemente a sua história no vídeo. Como é mostrado no minuto 2:36, Kaze fala que conseguiu abrir a empresa após ganhar 50 milhões de dólares com Dogecoin.

Curiosamente, para ter ganhado 50 milhões de dólares em Dogecoin, mesmo com um ótimo timing, ainda sim seria necessário um investimento na dezena de milhões.

Já em 19:53 ele reconta a história de como ficou milionário, dizendo que investiu em uma ICO com cerca de US$ 1,2 milhão e que as moedas valorizaram em 1000x, tornando-o milionário. Ele não citou o nome da ICO que ele participou.

Nota: Dogecoin não teve uma ICO, nem valorizou 1000x, então as duas histórias são de duas moedas diferentes.

Kaze também cita que ganhou dinheiro através de empresas de Marketing Multinível, sem citar nomes. No entanto, ele foi um dos promotores da D9 e da One Thor, duas empresas de acusadas de pirâmide.

O Site Behind MLM identificou Kaze Fuziyama como sendo um dos promotores da D9 Clube e da One Thor.

Kaze OneThor
Kaze OneThor

Kaze D9 clube
Kaze D9 clube

A D9 Clube deu calote de quase R$ 200 milhões em milhares de investidores brasileiros. O dono da pirâmide, Danilo Santana, vive vida de luxo em Dubai com os milhões roubados. 

Além das ligações com esquemas de pirâmides anteriores, a Mining Express também levanta a suspeita de diferentes observadores do criptomercado por compartilhar várias características com outros esquemas do tipo.

Mining Express

Infelizmente, por enquanto, todas as empresas que uniram o criptomercado com o marketing multinível acabaram dando prejuízo a seus investidores. Empresas que prometiam planos de mineração de criptomoedas acabaram quebrando e revelando o esquema Ponzi por trás das promessas.

Pode ser que a Mining Express não siga o mesmo caminho? Sim, pode, mas ela já comete os mesmos erros que os exemplos citados. Por exemplo, a Mining Express promete lucro de 200%, e em suas muitas apresentações online não existe nenhuma referência ao risco de acabar perdendo o investimento inicial. Quando falamos em criptomercado a regra é mais do que clara: Não existe lucro fixo em mercado variável.

Como prometer 200% de lucro com mineração? Não existe tanta chance de lucro sem um risco igualmente alto, é o básico de qualquer investimento.

De acordo com a Mining Express você começa a investir alugando hashrate de mineração, com lucro garantido. Quem entende do criptomercado sabe que garantir lucro com esse tipo de atuação não é possível.

Ao que tudo indica o lucro só pode ser garantido por causa do que é gerado através da formação de equipes ligadas diretamente ao marketing multinível e a entrada de novos investidores.

Novamente, pode ser que a Mining Express tenha encontrado uma fórmula ainda não tentada por todas as outras empresas e que o negócio seja legítimo. Mas ainda assim, a falta de registro com a CVM levanta uma questão que pode prejudicar os clientes no futuro, como aconteceu com outras empresas.

Com isso em mente, é importante que os investidores questionem melhor como é realizado a divisão de lucros da Mining Express e, principalmente, como ela poderá manter as promessas de 200% de lucro com pagamentos diários como tanto promove.

A empresa foi procurada para comentar a suspeita de pirâmide. Em nota, ela disse que “a matéria do Behind MLN tem 3 anos, e a mineradora cresceu e cresceu nos últimos anos.”

O vídeo sobre a empresa pode ser visto abaixo:

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Matheus Henrique
Fã do Bitcoin e defensor de um futuro descentralizado. Cursou Ciência da Computação, formado em Técnico de Computação e nunca deixou de acompanhar as novas tecnologias disponíveis no mercado. Interessado no Bitcoin, na blockchain e nos avanços da descentralização e seus casos de uso.

NFT pode “matar” o Bitcoin? Qual a relação entre ambos?

É provável que muita gente conheça os NFTs, regularmente confundidos com “arte digital”. A ação ganhou força após Stephen Curry, astro da NBA, e...
Plataformas NFT e Ethereum empresas

Empresas listadas na bolsa apostam no mercado de NFT

O crescimento do mercado de NFTs tem quebrado barreiras mais rápido do que outros recursos relacionados a blockchain. Hoje até mesmo grandes empresas, listadas...
Dúvida sobre o Bitcoin ser caçado pela China

Mineradores brasileiros comentam banimento de Bitcoin pela China

A proibição de Bitcoin pela China nos últimos dias abalou o mercado, com muitas pessoas ficando preocupadas com isso, menos dois mineradores brasileiros que...
.

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias