“Nem todo mundo é farinha do mesmo saco”, diz CEO da Ripple em carta aberta ao congresso

"Ripple é do bem."

Siga no

O amadurecimento dos mercado de criptomoedas e as novas aplicações para o grande público têm criado expectativas para que Estados nacionais exerçam o papel de agente regulador. Num mundo onde a convergência tecnológica vem acontecendo rapidamente, a definição das regras jurisdicionais para o uso, investimento e fiscalização de criptomoedas passa a ser um fator determinante daqui pra frente. 

O primeiro ato foi desempenhado pelo Facebook e seu projeto Libra, que serviu mais como uma exposição ao mundo da importância e potencial da tecnologia Blockchain. Para quem vem acompanhando, ficou claro que o Facebook não pretende lançar uma criptomoeda, no sentido mais restrito da palavra.

Na tentativa de agradar gregos e troianos, o “frankenstein” que Mark Zuckerberg pretende criar não preenche o requisito mais elementar de uma criptomoeda: descentralização e privacidade. Porém, isso não causou nenhuma surpresa, já que o Facebook não tem sido exatamente o guardião da confiança e o bastião da credibilidade, tendo em vista as inúmeras ocorrência relacionadas com questões de privacidade de dados e informações pessoais. 

Nesta segunda-feira foi a vez do fundador da Ripple. Brad Garlinghouse publicou carta aberta ao congresso dos EUA, declarando que nem todo mundo é farinha do mesmo saco, e que além de respeitar a lei americana e internacional, a Ripple é do bem.

 “É nossa responsabilidade servir o bem comum.” 

O interessante é que o empresário se posiciona de forma conservadora, reconhecendo a função de políticas monetárias governamentais em estabelecer e controlar a emissão de dinheiro.

Para ele, bancos centrais e o próprio governo encontrariam um aliado na nova tecnologia de moedas digitais. Afinal, a confiança nos sistemas de pagamentos surgiu pela combinação entre inovação e a credibilidade do Estado. Ou seja, assim como ocorreu no passado, mais uma vez todos sairiam ganhando com a popularização do uso de criptomoedas em larga escala.

Na visão de Brad Garlinghouse a eminente inovação em torno das criptomoedas é uma oportunidade para complementar a existência das moedas tradicionais. Esse convite para a cooperação entre Estado e tecnologia é uma expressão oposta do lema “move fast and break things” promovida pelo Facebook. E do ponto de vista dos mercados financeiros globais, transmite mais segurança e estabilidade.

Na carta o CEO deixa claro o respeito ao papel do Estado, que poderá encontrar nas criptomoedas um motor propulsor de desenvolvimento econômico e inclusão dos menos favorecidos. A entrada de mais de 1 bilhão de pessoas ao sistema financeiro global que hoje não podem ser atendidas pela rede bancária tradicional, poderia criar um novo ciclo de progresso, consumo e elevação do padrão de vida dessas pessoas. Tudo isso através da utilização da tecnologia Blockchain dentro de uma estrutura de leis criada especialmente para o propósito. 

A indústria hoje parece contida pela ausência de leis próprias para disciplinar as criptomoedas. De fato a regulamentação, que virá mais dias menos dias, precisa ser capaz de separar e joio do trigo, reconhecendo a inovação responsável. A marginalização das criptomoedas como um todo seria uma perda de oportunidade que outras nações não deixaram passar.

Obviamente que num cenário de nacionalismo econômico, Garlinghouse adverte, que sem a devida regulamentação “arriscamos empurrar a inovação, a receita fiscal e os empregos que essas novas tecnologias criam para o exterior”. Fica aí a dica para governos de todo o mundo.

Leia mais sobre:
Avatar
Pascual Arrecheahttp://www.arrechea.net
Economista, contador, especialista em blockchain Investigando a tecnologia blockchain, RPAutomação, e o mercado de trabalho em tempos de Internet 3.0. Quero dividr meus achados e pensamentos pra tentar entender a tal criptoeconomia. “Play is just another version of work” Ray Kurzweil, The Singularity is Near
Bitcoin em cima de uma pilha de dólares

Polícia Civil encontra Bitcoin em transações de traficantes e milícias

A polícia civil do Rio de Janeiro encontrou Bitcoin em transações financeiras de organizações criminosas (orcrims). A informação é de um jornalista do jornal...

Bilhões estão saindo do ouro e indo para o Bitcoin

Toneladas de ouro foram retiradas dos ETFs enquanto o preço do bitcoin estava subindo ao longo de 2020, mostrando uma correlação impressionante entre os...
UniSwap-arte

Defi chega a um milhão de usuários em todo mundo

As Finanças descentralizadas (DeFI) ultrapassaram um milhão de usuários apenas alguns meses depois de ganhar força em meados deste ano. O mercado cresceu 5...

Últimas notícias

Bilhões estão saindo do ouro e indo para o Bitcoin

Toneladas de ouro foram retiradas dos ETFs enquanto o preço do bitcoin estava subindo ao longo de 2020, mostrando uma correlação impressionante entre os...

Defi chega a um milhão de usuários em todo mundo

As Finanças descentralizadas (DeFI) ultrapassaram um milhão de usuários apenas alguns meses depois de ganhar força em meados deste ano. O mercado cresceu 5...

“Perdi amigos porque vendi Bitcoin”, diz cypherpunk brasileiro

De acordo com Avelino Morganti, um cypherpunk brasileiro, a comunidade bitcoin reagiu mal a sua saída do mercado. Ele relatou que até perdeu amigos...