Pirâmide financeira com criptomoeda chega ao fim após movimentar R$ 120 milhões

Argyle Coin prometia ganhos relacionados a venda de diamantes e chegou a ser anunciada no Brasil.

-

Siga no
Anúncio

Uma criptomoeda que foi amplamente divulgada no mundo todo é um grande esquema de pirâmide financeira. A afirmação foi feita pela Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC em sua sigla em inglês). Uma investigação aponta que a Argyle Coin foi utilizada em um esquema que enganou centenas de investidores.

Esquemas conhecidos como pirâmides virtuais são capazes de movimentar dezenas de milhões de reais. Enganando investidores com a promessa de lucros que não existem, esses esquemas podem ser a ruína de qualquer investidor.

Mais de R$ 120 milhões foram movimentados pelo esquema

A SEC dos Estados Unidos determinou que os negócios da Argyle Coins são considerados uma verdadeira pirâmide financeira. Em um comunicado à imprensa publicado nesta terça-feira (21), a comissão destaca as atividades da suposta criptomoeda. Para a SEC, não há dúvidas que a empresa por trás do esquema movimentou fundos de investidores lesados pelo negócio.

Anúncio

De acordo com a investigação, foram movimentados US$ 30 milhões, ou ainda, mais de R$ 120 milhões. A fortuna dedicada ao esquema Ponzi denunciado pela SEC pertence a um grupo de investidores dos Estados Unidos e do Canadá.

Criptomoeda misteriosa chegou a ser divulgada no Brasil

A investigação aponta que seriam cerca de 300 investidores os responsáveis por aplicações na Argyle Coin referente aos R$ 120 milhões. Essas pessoas seriam dos Estados Unidos e do Canadá. Contudo, a suposta criptomoeda chegou a ser divulgada em vários países e podem existir investidores em praticamente todo o mundo. No Brasil, a Argyle Coin chegou a ser noticiada no portal EXAME do grupo Abril.

A notícia datada de maio de 2018, foi um press realease publicado pelo site de notícias brasileiro. Na publicação, a informação é de que a Argyle Coin lançaria sua própria blockchain em breve.

Argyle Coin (Reprodução/Facebook)

José Angel Aman é o criador da Argyle Coin

O nome envolvido no esquema da Argyle Coin é de José Angel Aman. O suposto criador da criptomoeda movimentada o esquema investigado pelo SEC. Além de investigar o negócio, a comissão decidiu suspender permanentemente os negócios da Argyle Coin que possuía ligações com a venda de diamantes.

Segundo a investigação, Aman se apropriou indevidamente de mais de R$ 40 milhões de fundos investidos pelos clientes da Argyle Coin. De acordo com a SEC, o criador do esquema utilizou o dinheiro para pagar gastos pessoas, como aulas de equitação para o filho, por exemplo.

O diretor do escritório regional de Miami da SEC comentou sobre o esquema Ponzi promovido pela Argyle Coin. Eric I. Bustillo afirmou que Aman procurava constantemente encontrar novos clientes para a empresa.

“Como alegado, Aman operou uma teia complicada de empresas fraudulentas em um esforço para continuamente saquear investidores de varejo e perpetuar os esquemas Ponzi, bem como desviar dinheiro para si mesmo.”

Era através de novos clientes que os saques podiam mantidos. No esquema, o investimento de novos clientes supria os dividendos de antigos usuários da Argyle Coin, em um sistema conhecido como Ponzi, ou pirâmide financeira. O site da Argyle Coin já encontra-se fora do ar após a publicação da SEC dos Estados Unidos.

Suposta criptomoeda tinha ligação com venda de diamantes

O negócio da Argyle Coin foi apresentado como um investimento direto na venda de diamantes preciosos. O investimento parecia atraente aos olhos dos investidores que não esperavam por atividades ilegais envolvendo a empresa.

Além de apostar na venda de diamantes, a promessa da Argyle Coin apresentava que o projeto da criptomoeda era lastreado na pedra preciosa. Isso significaria que a mesma quantidade investida na empresa estaria estocada em diamantes. Porém, até o fechamento desta edição, nenhuma reserva da pedra preciosa foi revelada pela Argyle Coin.

Siga o Livecoins no Google News para receber nossas notícias em tempo real.
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter.
Receba também no email se cadastrando em nossa Newsletter.
Paulo Carvalho
Paulo Carvalho
Jornalista em trânsito, escritor por acidente e apaixonado por criptomoedas. Entusiasta do mercado, ouviu falar em Bitcoin em 2013, mas era que nem caviar, "nunca vi, nem comi, só ouço falar".
Bitcoin em corretoras de criptomoedas

Trader veterano que viu queda no Brasil gosta do Bitcoin

Com o preço do Bitcoin operando abaixo de U$ 12 mil em setembro, a contrapartida foi o aumento da volatilidade no início do mês....
Itau demissão criptomoedas

Itaú demite por justa causa funcionário que negociava Bitcoin no horário de expediente

O Itaú Unibanco demitiu por justa um analista de sistemas que, de acordo com a empresa, negociava Bitcoin e outras criptomoedas durante o horário...
Bitcoin e gráfico em queda de preços

Bitcoin cai 5% e pode não romper marca de 2017

O Bitcoin se aproxima do fechamento do mês de setembro e cai pelo menos 5% nesta segunda. Com a queda no preço do Bitcoin,...

Últimas notícias

Itaú demite por justa causa funcionário que negociava Bitcoin no horário de expediente

O Itaú Unibanco demitiu por justa um analista de sistemas que, de acordo com a empresa, negociava Bitcoin e outras criptomoedas durante o horário...

Bitcoin cai 5% e pode não romper marca de 2017

O Bitcoin se aproxima do fechamento do mês de setembro e cai pelo menos 5% nesta segunda. Com a queda no preço do Bitcoin,...

Documentos vazados revelam que bancos lavaram R$ 10 trilhões em dinheiro ligado a crimes

Mais de 2.100 documentos secretos da FinCEN, Rede de Combate a Crimes Financeiros dos EUA, foram vazados e os detalhes desses arquivos trazem informações...