Polícia prende maior hacker do Nordeste

Bradesco e HSBC seriam os principais alvos do hacker!

-

Siga no
Polícia prende hacker
Polícia prende hacker - Reprodução
Anúncio

A polícia civil do estado do Pernambuco estava há pelo menos nove meses na busca do líder de uma quadrilha. Considerado o maior hacker do Nordeste, o homem foi preso pela polícia em uma operação na última quarta.

Isso porque, ao conduzir seus crimes, Hugo José Santos Pereira Lima atacava clientes de bancos. Com práticas sofisticadas de engenharia social, o homem teria roubado pelo menos R$ 100 milhões de várias vítimas de seus golpes, apontam as investigações.

Seu bando já havia sido capturado em 2019, quando a Polícia Civil prendeu cinco pessoas na Operação Chargeback. A operação policial teria começado em setembro de 2019, sendo que de lá para cá, Hugo José, apontado como líder, estava foragido.

Polícia Civil prende homem considerado o “maior hacker” do Nordeste em nova fase de operação, crime teria levado até R$ 100 milhões das vítimas

Anúncio

Uma quadrilha internacional, com sede o Brasil, começou a ser desmantelada pela Polícia Civil ainda em 2019. Chamada pela PC-PE de Operação Chargeback, eram apurados crimes contra instituições bancárias como Bradesco e HSBC.

Em ataques hackers feitos contra clientes dos bancos, as vítimas eram enganadas com uso de engenharia social. Dessa forma, eram disparados vírus em e-mails, que ao serem abertos, buscavam obter informações financeiras das vítimas. O golpe também é conhecido de phishing.

Segundo o delegado João Gustavo Godoy, que chefia as investigações dos delitos atribuídos ao grupo, o golpe consiste no disparo de milhões de e-mails contendo vírus, de uma única vez. Ainda segundo o delegado, que explicou o “modus operandi” da ORCRIM, em coletiva quando da deflagração da Chargeback, se pelo menos 1% das pessoas que recebem os e-mails contaminados os abrissem, já seria suficiente para que os criminosos obtivesses um lucro milionário.

Uma vítima ao abrir o e-mail malicioso, estava exposta a perder suas “milhas” aéreas ou até ter seu cartão de crédito clonado. A quadrilha usava essas informações para fazer viagens e compras no exterior. As viagens eram sempre regadas a muito luxo, que era exibido em redes sociais dos investigados.

A quadrilha estaria atuando há pelo menos oito anos, e já havia sido investigada em operações em anos passados. Contudo, dessa vez a polícia agiu após acusações do Banco Bradesco, que informou estar sendo alvo de ataques hackers, e já teria perdido R$ 870 mil.

Prisão do maior estelionatário do nordeste certamente chamou atenção

Em nota, a polícia civil divulgou que a operação que prendeu o hacker Hugo na última quarta. O responsável pela prisão foi o delegado João Gustavo Godoy, da Delegacia do Cordeiro, localizada em Recife.

Foragido há nove meses, o hacker Hugo José Santos Pereira Lima, que é apontado como o maior estelionatário do Nordeste, foi preso preventivamente, ontem, 10, pela Delegacia do Cordeiro, que tem como titular o Delegado João Gustavo Godoy.

De acordo com o Blog da Noelia Brito, são pelo menos 27 pessoas envolvidas com os ataques hackers, que eram usadas como laranja nos crimes. O maior hacker do Nordeste, capturado pela Polícia, foi enfim preso em hotel de luxo em uma praia de Pernambuco.

“finalmente foi localizado pela Polícia em um flat de luxo na Praia de Barra de Jangada, nas proximidades da Reserva do Paiva”

O hacker teria uma vida de luxo divulgada em redes sociais, e é investigado por crimes como lavagem de capitais, furto mediante fraude e organização criminosa, além de possível associação com tráfico de drogas.

Hugo Lima também seria dono de 21 apartamentos em outro prédio no Ipsep e de 8 taxis, além de uma locadora de veículos, pelos quais seriam “lavados” os recursos furtados de suas vítimas.

Prisões de hackers que atacam bancos estão sendo mais comuns

De fato, a prisão do maior hacker do Nordeste chamou atenção na última semana. Contudo, no início de 2020, outra quadrilha teria sido encerrada pela polícia em crimes contra instituições bancárias.

No caso, uma hacker e seu marido estavam atacando agências do Banco de Brasília. Ao serem pegos, foram presos, mas como tinham criança pequena, a hacker pediu ao STJ para ser liberada da prisão. Naquele caso, os hackers utilizavam as criptomoedas durante o crime, para ocultar os bens roubados.

Siga o Livecoins no Google News para receber nossas notícias em tempo real.
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter.
Receba também no email se cadastrando em nossa Newsletter.
Leia mais sobre:
Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.
Estátua da Justiça

Justiça bloqueia do Grupo SAF mais de R$ 400 mil após suspeitas de pirâmide

Um novo negócio suspeito de operar um esquema de pirâmide financeira recebeu atenção da justiça nos últimos dias. Isso porque, a justiça do Distrito...

Uniswap dispara 270% com distribuição de 400 tokens por usuários

O valor total bloqueado (TVL – de Total Value Locked a inglês) na corretora descentralizada Uniswap disparou mais de 270%, de R$ 2.7 bilhões...

Nova NVIDIA RTX 3080 pode trazer a mineração caseira de criptomoedas de volta?

Recentemente a NVIDIA, maior fabricante de Placas de Vídeo do mercado, anunciou a nova série de GPUs de alto desempenho, a família RTX 3000...

Últimas notícias

Uniswap dispara 270% com distribuição de 400 tokens por usuários

O valor total bloqueado (TVL – de Total Value Locked a inglês) na corretora descentralizada Uniswap disparou mais de 270%, de R$ 2.7 bilhões...

Nova NVIDIA RTX 3080 pode trazer a mineração caseira de criptomoedas de volta?

Recentemente a NVIDIA, maior fabricante de Placas de Vídeo do mercado, anunciou a nova série de GPUs de alto desempenho, a família RTX 3000...

Ministério da Justiça promove a blockchain no setor público

Na próxima segunda-feira (21), o Brasil acompanha um webinário importante sobre tecnologia. Promovido pelo Ministério da Justiça, a tecnologia blockchain aplicada ao setor público...