Policial pediu propina em criptomoeda para colaborar com fuga de líder da Telexfree

Justiça determinou bloqueio de R$ 1.4 milhão e apreensão de 5,75 bitcoins dos envolvidos

Siga no
Polícia Federal (PF) - Arquivo/Agência Brasil
Polícia Federal (PF) - Arquivo/Agência Brasil

Em 2015, um policial removeu o nome de um investigado do Sistema Nacional de Procurados e Impedidos, plataforma da Polícia Federal que reúne a lista de pessoas que não têm autorização para deixar o país.

Em troca, teria pedido propina de R$ 150 mil, parte da qual pode ter sido paga com criptomoedas.

O beneficiado pelo ato do agente – segundo informou o MPF (Ministério Público Federal) ao jornal A Gazeta – foi Sanderley Rodrigues Vasconcelos, um dos antigos líderes da Telexfree, pirâmide financeira que prejudicou cerca de 1 milhão de pessoas.

Naquele ano, Vasconcelos saiu do país pelo Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, mesmo com seu nome registrado na lista de pessoas impedidas de deixar o solo brasileiro.

Ele foi para os Estados Unidos, onde cumpriu prisão domiciliar.

Operação da Polícia Federal prende envolvidos

Nessa terça-feira (18), a PF deflagrou a Operação Ousadia, com objetivo de investigar o agora ex-policial e outros suspeitos de alterar o sistema de informação.

Foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão preventiva em Brasília (DF), Florianópolis (SC), Santana de Parnaíba (SP) e São Paulo (SP).

De acordo com a PF, além das prisões e das buscas, a Justiça também determinou o bloqueio de R$ 1.4 milhão dos envolvidos e a apreensão de 5,75 bitcoins.

Os suspeitos estão sendo investigados pelos crimes de corrupção passiva, corrupção ativa e inserção de dados falsos no sistema.

Em nota, a corporação informou que “não tolera desvios” e “não teme cortar na própria carne”.

Telexfree deve R$ 2 bi a 1 milhão de pessoas

A Telexfree, fundada pelos empresários Carlos Costa e Carlos Wanzeler, começou a atuar no Brasil em 2012. O carro-chefe do negócio era a venda de pacotes de telefonia via internet (VoIP).

Em 2015, a Justiça do Brasil, o Ministério Público Federal e outros órgãos governamentais apontaram que a empresa seria uma pirâmide financeira.

A estimativa é que o esquema ponzi tenha lesado 1 milhão de pessoas no Brasil, nos Estados Unidos e em outros países. O prejuízo financeiro das vítimas pode passar dos R$ 2 bilhões.

Apesar dos problemas com a Justiça, Carlos Costa, como noticiou o Livecoins no início deste mês, está de volta ao mercado com uma nova empresa de “marketing multinível”.

Leia mais sobre:
Lucas Gabriel Marins
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).

Primeiros resultados no Google por Bitcoin podem ser golpes

Enquanto o Bitcoin segue uma tendência de alta por mais de 3 meses e caminha para superar o seu valor mais alto, o interesse...

Ripple (XRP) vai ter smart contract? Não caia nessa!

Um dos mais antigos criptoativos, Ripple (XRP), apresentou uma alta meteórica de 140% nos últimos 7 dias. A principal explicação é a distribuição (airdrop)...

Criptomoeda XRP dobrou de preço e teve ajuda do TikTok

A alta do Bitcoin com certeza está chamando atenção de muitos investidores e outras criptomoedas pegaram carona e valorizam também. O XRP está se...

Últimas notícias

Ripple (XRP) vai ter smart contract? Não caia nessa!

Um dos mais antigos criptoativos, Ripple (XRP), apresentou uma alta meteórica de 140% nos últimos 7 dias. A principal explicação é a distribuição (airdrop)...

Criptomoeda XRP dobrou de preço e teve ajuda do TikTok

A alta do Bitcoin com certeza está chamando atenção de muitos investidores e outras criptomoedas pegaram carona e valorizam também. O XRP está se...

Coluna do TradingView: Primeira parada

Bitcoin começa a lateralizar no topo de 19mil dólares. Algumas altcoins continuam rally. Confira os estudos dos analistas do TradingView. CSM Trader O preço do Bitcoin em algumas...