Policial pediu propina em criptomoeda para colaborar com fuga de líder da Telexfree

Justiça determinou bloqueio de R$ 1.4 milhão e apreensão de 5,75 bitcoins dos envolvidos

Siga no
Polícia Federal (PF) - Arquivo/Agência Brasil
Polícia Federal (PF) - Arquivo/Agência Brasil

Em 2015, um policial removeu o nome de um investigado do Sistema Nacional de Procurados e Impedidos, plataforma da Polícia Federal que reúne a lista de pessoas que não têm autorização para deixar o país.

Em troca, teria pedido propina de R$ 150 mil, parte da qual pode ter sido paga com criptomoedas.

O beneficiado pelo ato do agente – segundo informou o MPF (Ministério Público Federal) ao jornal A Gazeta – foi Sanderley Rodrigues Vasconcelos, um dos antigos líderes da Telexfree, pirâmide financeira que prejudicou cerca de 1 milhão de pessoas.

Naquele ano, Vasconcelos saiu do país pelo Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, mesmo com seu nome registrado na lista de pessoas impedidas de deixar o solo brasileiro.

Ele foi para os Estados Unidos, onde cumpriu prisão domiciliar.

Operação da Polícia Federal prende envolvidos

Nessa terça-feira (18), a PF deflagrou a Operação Ousadia, com objetivo de investigar o agora ex-policial e outros suspeitos de alterar o sistema de informação.

Foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão preventiva em Brasília (DF), Florianópolis (SC), Santana de Parnaíba (SP) e São Paulo (SP).

De acordo com a PF, além das prisões e das buscas, a Justiça também determinou o bloqueio de R$ 1.4 milhão dos envolvidos e a apreensão de 5,75 bitcoins.

Os suspeitos estão sendo investigados pelos crimes de corrupção passiva, corrupção ativa e inserção de dados falsos no sistema.

Em nota, a corporação informou que “não tolera desvios” e “não teme cortar na própria carne”.

Telexfree deve R$ 2 bi a 1 milhão de pessoas

A Telexfree, fundada pelos empresários Carlos Costa e Carlos Wanzeler, começou a atuar no Brasil em 2012. O carro-chefe do negócio era a venda de pacotes de telefonia via internet (VoIP).

Em 2015, a Justiça do Brasil, o Ministério Público Federal e outros órgãos governamentais apontaram que a empresa seria uma pirâmide financeira.

A estimativa é que o esquema ponzi tenha lesado 1 milhão de pessoas no Brasil, nos Estados Unidos e em outros países. O prejuízo financeiro das vítimas pode passar dos R$ 2 bilhões.

Apesar dos problemas com a Justiça, Carlos Costa, como noticiou o Livecoins no início deste mês, está de volta ao mercado com uma nova empresa de “marketing multinível”.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Lucas Gabriel Marins
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).
Mulher com aplicativo de Bitcoin comprar e vender

Ex-presidente da CVM faz alertas sobre compra de Bitcoin por empresas de capital aberto

A compra de criptomoedas por grandes empresas continua a chamar atenção do mercado financeiro, com algumas se questionando se elas podem ou não comprar...
Empresa Suzano Celulose

Suzano manda oficiar corretoras de criptomoedas em processo na justiça

Em um processo que corre na justiça desde 2018, movido pela Suzano Papel e Celulose S/A, a justiça mandou oficiar algumas corretoras de criptomoedas....
Mercado Bitcoin

Volume do Mercado Bitcoin cresce e corretora pode abrir capital na bolsa

O volume de negociações de uma das maiores corretoras de criptomoedas do Brasil, o Mercado Bitcoin, cresceu 862% no mês de abril quando comparado...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias