Regulação do Bitcoin protege agentes do mercado, diz Gustavo Chamati

Gustavo Chamati participou do Fórum Economia Digital, promovido pelo Valor Econômico.

Siga no
Fórum Economia Digital conversa com especialistas sobre Bitcoin
Fórum Economia Digital conversa com especialistas sobre Bitcoin/Valor Econômico

O fundador da corretora Mercado Bitcoin participou do Fórum Economia Digital na última terça-feira (1), promovido pelo Valor Econômico, onde falou que acredita na regulação do Bitcoin para proteção de agentes do mercado.

O tema, que havia ficado alguns meses sem grande destaque no Brasil, voltou a ganhar atenção e caminha para um desfecho. Isso porque, além da CPI do Bitcoin, atualmente na Câmara dos Deputados, cresce a pressão por regulamentações por empresas que atuam no mercado.

Na última semana, Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central do Brasil, disse que regulamentar o Bitcoin é irrelevante. Dessa forma, o que o BCB deve fazer é criar regras para empresas e pessoas envolvidas com as criptomoedas.

Na live do Valor, participou um diretor do Bacen, que ainda confirmou que as regras deverão ser prudenciais para o mercado de Bitcoin no Brasil.

Regulação protege agentes envolvidos no setor, afirmou CEO e Fundador do Mercado Bitcoin

Como o mercado de criptomoedas é novo e recheado de inovações, poucos países criaram regras claras para empresas que atuam nesse segmento. Isso porque, há uma dificuldade em entender a própria tecnologia, considerada até um crime em alguns países como a Bolívia, por exemplo.

No Brasil, é permitido a livre negociação da moeda em corretoras e entre pessoas, devendo apenas o negociante declarar essas operações à Receita Federal.

Sendo essa a única regra até aqui, não fica claro para empresas que empreendem no setor o que poderiam fazer com a ampla gama de inovações do mercado de criptomoedas.

Para Gustavo Chamati, CEO e Fundador do Mercado Bitcoin, uma das maiores empresas do Brasil, a regulação é benéfica para proteger agentes desse mercado.

“O Brasil não está no mesmo patamar de regulação do que os Estados Unidos, mas a gente vem evoluindo bem e rápido. Acho que o entendimento importante aqui sobre regulação é a gente entender e partir do princípio que regulação é uma coisa ruim e, na verdade, a regulação existe para proteger e para dar segurança aos agentes do mercado”, disse Gustavo.

Para o CEO do Mercado Bitcoin, tanto a CVM quanto o Banco Central têm aberto possibilidades para mais diálogo com empresas, em iniciativas como o sandbox.

Chamati afirmou ainda que acredita em um cenário promissor para o Bitcoin no Brasil nos próximos anos, visto que a experiência atual tem sido positiva para empresas que participam desse mercado.

Em conversa com o Livecoins recentemente, Fabrício Tota, diretor do Mercado Bitcoin, comentou que a falta de regulamentação do Bitcoin atrapalha o desenvolvimento da tecnologia no Brasil, mas que a corretora mantém diálogos frequentes com as autoridades durante o processo de criação.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.
Bitcoin

Imersão Master in Bitcoin propõe preparar os melhores profissionais para o mercado de criptoativos

O mundo finalmente está descobrindo o que os entusiastas e investidores do mercado de criptoativos alertavam há alguns anos: a revolução blockchain é imparável...
Café com Bitcoin

Já é possível pagar pelo cafezinho com Bitcoin em El Salvador

Pagar pelo café com o uso de Bitcoin é um sonho que começa a se tornar realidade em El Salvador, de acordo com o...
G7. Imagem: ShutterStock

G7 pressiona Rússia por causa de ransomwares e lavagem de dinheiro com criptomoedas

O G7 se reuniu no último final de semana e pressionou a Rússia por causa dos ransomwares que estão sendo criados por criminoso do...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias