RNP participa da criação de rede blockchain na América Latina

Acordo regional para potencializar adoção da tecnologia.

Mão em trabalho para rede do Brasil blockchain
Mão em trabalho para rede do Brasil

A Rede Nacional e Ensino e Pesquisa (RNP) no Brasil vai ajudar a criar uma rede blockchain entre vários países da América Latina, com foco em melhorar a educação nos locais.

Assinaram acordo as instituições CEDIA (Equador), CUDI (México), RAGIE (Guatemala), RAU (Uruguai), RedCONARE (Costa Rica), REUNA (Chile), RENATA (Colômbia), REDNESAH (Honduras), RNP (Brasil), RUNBA (Nicarágua) e RedCLARA.

Ou seja, a iniciativa regional pretende ampliar os esforços educacionais na América Latina, com uso de uma tecnologia de ponta, que é a blockchain, criada na prática a partir do surgimento do Bitcoin, em 2009.

RNP do Brasil vai ajudar a criar blockchain da América Latina

A RNP é uma instituição pioneira no Brasil, sendo a primeira a trazer a internet para o país. Hoje veiculada ao Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), ela promove estudos sobre diversos assuntos de tecnologias disruptivas que estão em destaque pelo mundo.

É claro que com isso a blockchain já despertou o interesse da instituição, que já promoveu vários eventos públicos no Brasil com especialistas do setor. Ou seja, o interesse na blockchain, que já é reconhecida no país como uma tecnologia de estratégia digital, segue crescendo.

Na última terça-feira (15), a RNP foi além e divulgou publicamente que faz parte de uma rede blockchain acadêmica na América Latina, mostrando que os esforços serão em países vizinhos na região também.

O anúncio foi feito em um evento transmitido pela RedCLARA, que é responsável por conectar redes acadêmicas na América Latina.

Quais os benefícios de se ter uma blockchain acadêmica?

Durante o evento, os representantes de cada instituição explicaram sua visão sobre o que entendem da nova blockchain acadêmica e quais os benefícios dessa. Ela terá aplicações em universidades e centros de pesquisa da América Latina, conectando todo esse ecossistema que hoje não conversa diretamente.

Um dos que falaram no evento foi Andres Moya, pesquisador de informática e computação pela Universidade de la Serena, no Chile, que acredita que a blockchain é um instrumento potente de transformação digital para sua instituição.

“Blockchain irá permitir que as universidades consigam cuidar da identidade digital dos membros de sua comunidade. Ou seja, teremos a segurança e a certeza de que o que estamos construindo tenha validade ou certificação em algum lugar”.

Já o brasileiro Rodrigo Azevedo, gerente de serviços da RNP, apresentou para os participantes uma iniciativa do país chamada Diploma Digital. Com essa ferramenta que utiliza a tecnologia blockchain, é possível registrar, autenticar e preservar diplomas emitidos em instituições de ensino superior no Brasil, evitando fraudes nesses tipos de documentos.

De qualquer forma, o caso mostra que além de aderir a blockchain no Brasil, as instituições públicas brasileiras seguem firmando acordos internacionais para expandir o uso dessa.

Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br.



Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

Últimas notícias