Unick Forex, FX Trading e Zero10 Clube estão na mira de hackers que ajudam Polícia Federal em investigação

-

Siga no
Unick Forex é investigada por hackers
Anúncio

A Unick Forex e mais outras 50 empresas estão sendo investigadas por um grupo de hackers supervisionados por autoridades. O grupo ajuda na investigação de negócios apontados como pirâmides financeiras. O nome de várias empresas aparecem relacionados a golpes que envolvem investimentos financeiros, com a promessa de lucros de até 50%.

Empresas como a Unick Forex estão sendo investigadas por vários órgãos governamentais. O grupo de instituições conta com a ajuda de especialistas no mercado de criptomoedas para encontrar empresas suspeitas. As criptomoedas acabaram sendo associadas as pirâmides financeiras por serem o assunto do momento. Mas em outros casos, as pirâmides financeiras já prometeram outros tipos de produtos.

Empresas estão sendo investigadas por grupo de hackers

De acordo com uma reportagem do Estadão, mais de 50 empresas que atuam no Brasil estão sendo investigadas como pirâmides financeiras. Além da Unick Forex, outros nomes conhecidos no mercado fazem parte do processo de investigação revelado recentemente. Além da equipe de hackers que auxiliam no processo, vários órgãos do governo estão envolvidos na investigação.

Anúncio

A investigação parece acontecer de forma conjunta e conta com a colaboração do Ministério Público e da Procuradoria da Fazenda Nacional. Segundo o Estadão, faz parte também da investigação a Polícia Federal. Algumas das empresas investigadas são: FX Trading, Goodream, Indeal, King Investimentos, Bentley, Nasdacoin, Unick Forex.

Imagem Estadão.
Imagem Estadão.

Lucro fixo pode revelar indícios de golpe financeiro

A oferta de lucro fixo e de números que não condizem com a realidade pode levantar suspeitas em empresas que operam no Brasil. Além disso, a falta de licença para atuar ofertando investimentos mobiliários revela que o negócio pode operar de forma completamente ilegal.

Pelo menos é assim que a (CVM) considera empresas que não possuem licença para esse tipo de oferta no país. A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) é responsável por autorizar negócios que venham a oferecer investimentos mobiliários no Brasil.

A Unick Forex seria uma das empresas sem licença para tal operação. A empresa não possui autorização para a oferta de investimentos mobiliários. Por outro lado, a empresa atesta que não opera investimentos, apenas cursos voltados para a educação financeira.

Mas, além da Unick Forex, outras empresas aparecem na mira das autoridades. Há cerca de dois meses atrás uma operação em Hamburgo – RS terminou com a prisão de envolvidos em outro esquema apontado como pirâmide financeira. A Indeal movimentou milhões de reais em um esquema que terminou com a prisão dos donos da empresa.

Esquemas conta com mais de quatro milhões de pessoas

A oferta de lucro fixo era combinada com o suposto investimento em bitcoin. Mas, segundo a investigação, a empresa não realizava investimentos na criptomoeda. Outros nomes que aparecem na reportagem do Estadão são o da Zero 10, Nasdacoin, FX Trading, King Investimentos e Bentley e Goodream.

Segundo o Estadão, nenhuma das empresas quiseram opinar sobre a investigação. Ao Livecoins, A Zero 10 Club enviou uma nota que pode ser lida aqui.

Ainda de acordo com a reportagem, alguns desses negócios chegaram a ter mais de dois milhões de investidores. De acordo com as autoridades, mais de quatro milhões de pessoas podem ter algum tipo de envolvimento com esse tipo de negócio.

Onde surgiu o esquema de pirâmide financeira?

De investimentos em reprodução bovina à suporte telefônico, as pirâmides financeiras possuem um histórico medonho no mercado. O crime mais famoso até então é o da Telexfree, que fez milhares de vítimas em todo o mundo. Mas, as pirâmides financeiras já ofereceram até produtos relacionados a engorda de bois.

Historicamente, o esquema de pirâmide financeira surgiu há muitos anos. Nos Estados Unidos o esquema Ponzi foi o que inaugurou o que entende-se nos dias atuais como pirâmides financeiras.

A compra e venda de selos em 1920 por Charles Ponzi inaugurou o esquema que foi aperfeiçoado para as  pirâmides financeiras que atualmente utilizam as criptomoedas como as verdadeiras vítimas de todo o golpe.

Resposta Zero 10 Club

A Zero 10 Club por meio de assessoria de imprensa respondeu à reportagem que “é importante esclarecer que não há investigação em curso contra a Zero10.Club. O Programa Zero10.Club foi citado irregularmente num processo que dizia respeito a outra empresa. Importante lembrar que o Programa Zero10.Club foi suspenso para aguardar a análise dos esclarecimentos já feitos e de um processo administrativo junto à Comissão de Valores Mobiliários. Apesar de não ser regulada pela CVM, o pedido de suspensão total do programa foi realizado em demonstração de boa-fé, respeito à autarquia federal e de sua política interna de compliance.”

Siga o Livecoins no Google News para receber nossas notícias em tempo real.
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter.
Receba também no email se cadastrando em nossa Newsletter.
Paulo Carvalho
Paulo Carvalho
Jornalista em trânsito, escritor por acidente e apaixonado por criptomoedas. Entusiasta do mercado, ouviu falar em Bitcoin em 2013, mas era que nem caviar, "nunca vi, nem comi, só ouço falar".

Leia mais

Últimas notícias

Possível diretor da CVM destaca Bitcoin aquecido

Um possível novo diretor da CVM destaca que o Bitcoin atravessa um momento em 2020 bem aquecido e a autarquia está de olho. O...

PayPal entra no mercado de criptomoedas

O gigante dos pagamentos PayPal anunciou que vai entrar de vez no mercado de criptomoedas, a empresa vai permitir que seus clientes comprem, vendam...

PF pode usar blockchain para identificar pessoas

Uma ferramenta blockchain que identifica pessoas será apresentada para delegados da PF, que pode começar a usar solução caso interesse. Na tarde desta quarta-feira (21),...