Vídeo: escritório da TRON é atacado por vítimas de esquema Ponzi

Golpe usou nome da criptomoeda para atrair investidores que perderam mais de R$ 110 milhões.

-

Siga no
Esquema Ponzi associa nome da TRON.
Anúncio

A TRON foi vítima de uma associação em um esquema Ponzi que fez investidores atacarem o escritório da empresa. O nome da criptomoeda foi relacionado a um golpe na China que pode ter levado investidores a perderem mais de R$ 110 milhões. A confusão não deixou de afetar a criptomoeda que está entre as dez maiores do mercado.

Criptomoedas em geral são associadas em vários golpes por todo o mundo. Ativos digitais como o bitcoin e outras criptomoedas são utilizadas para atraírem investidores para esquemas Ponzi e para as famosas pirâmides financeiras. Essa associação acontece como forma de utilizar a popularidade crescente das criptomoedas em esquemas duvidosos, com pouca ou nenhuma informação sobre a oferta de lucros exorbitantes.

Vídeo mostra escritório da TRON (TRX) é cercado por policiais

Um esquema Ponzi pode ter feito milhares de vítimas na China. A fraude utilizou o nome da TRON (TRX) para tentar uma associação com a empresa. Mas o assunto ganhou as redes sociais após vídeos circularem nas redes sociais com policiais no escritório da criptomoeda.

Anúncio

O escritório da TRON (TRX) aparece cheio de policiais e alguns investidores furiosos. Algumas pessoas demonstram insatisfação e parecem gritar com os funcionários da empresa. Porém, os funcionários da empresa aparentam tranquilidade e continuam trabalhando como se nada tivesse acontecido.

Tudo indica que os policiais foram chamados para conter a multidão que associou a empresa TRON no negócio. Em outro vídeo é possível ver dois homens brigando dentro do escritório da organização, que fica em Pequim, na China. A confusão parece ter chegado ao fim com a presença dos policiais no escritório.

TRON é associada em esquema Ponzi

A Fundação TRON foi associada em um esquema Ponzi que fez milhares de vítimas na China. Vários investidores insatisfeitos chegaram a ocupar o escritório da empresa acreditando que existia uma associação entre a TRON e o esquema fraudulento. Antes da invasão acontecer, Justin Sun havia alertado sobre o caso.

O CEO da Fundação TRON explicou que a criptomoeda estava sendo associada em um esquema de Marketing Multinível. Sun reiterou que a empresa não fazia investimentos e não recolhia dinheiro dos usuários. O executivo chegou a citar o termo pirâmide e esquemas Ponzi. Nem mesmo o alerta de Justin Sun não impediu que a empresa fosse alvo de associação com o esquema criminoso.

Empresa usava nome que remete a TRON em chinês

A empresa fraudulenta que foi associada a Fundação TRON utilizada um nome que remetia a criptomoeda. O negócio chamado Wave Field Super Community fez com que muitos acreditassem que o esquema era realmente mantido pela TRON.

Com a abreviação do nome da empresa para ‘wave Field’, a ligação com o significado de TRON em chinês pode ter feito muitos investidores acreditarem na organização criminosa. Segundo Justin Sun, O BitTorrent (BTT) também não possui qualquer associação com o esquema que deverá ser investigado pelas autoridades chinesas.

Milhares de pessoas caíram em golpe que usava nome da TRON

Com mais de R$ 110 milhões envolvidos no golpe, o nome da Fundação TRON foi duramente afetado pelo esquema denunciado. Por mais que a empresa alega nenhum envolvimento com o caso, a associação refletiu diretamente na empresa. Até mesmo a TRON (TRX) chegou a se desvalorizar no mercado após a divulgação do escândalo.

Com milhares de vítimas, este é um dos primeiros casos de esquema Ponzi em que a TRON (TRX) foi associada. Geralmente o bitcoin e o ethereum (ETH) eram mais utilizados por criminosos para atraírem investidores.

A crise na Fundação TRON pode revelar um capítulo preocupante para a empresa. Uma investidora do esquema que associou o nome da TRON se suicidou na China após saber de todo o golpe. Assim que o anúncio da morte aconteceu, o preço da TRON (TRX) despencou no mercado.

Siga o Livecoins no Google News para receber nossas notícias em tempo real.
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter.
Receba também no email se cadastrando em nossa Newsletter.
Paulo Carvalho
Paulo Carvalho
Jornalista em trânsito, escritor por acidente e apaixonado por criptomoedas. Entusiasta do mercado, ouviu falar em Bitcoin em 2013, mas era que nem caviar, "nunca vi, nem comi, só ouço falar".

Leia mais

Últimas notícias

Obras públicas do Ceará terão blockchain para medição

As obras públicas que forem feitas pelo estado do Ceará terão o uso da tecnologia blockchain como mediadora. Com essa ferramenta então o governo...

JPMorgan começa a testar criptomoeda, após registro no Brasil

O grande banco JPMorgan, que recentemente pediu um registro no Brasil para sua carteira, agora começa a testar sua criptomoeda. De acordo com a...

Candidata a prefeita pelo PT no Rio quer criar “Moeda Carioca”

A candidata a prefeita pelo PT no Rio de Janeiro, Benedita da Silva, quer criar uma Moeda Carioca caso vença as eleições. Em 2020,...