Accenture: “Monero, a criptomoeda ideal para crimes virtuais”.

Siga no

A Accenture divulgou um relatório onde afirma que o Monero, criptomoeda com foco em anonimato, é ideal para que cyber criminosos cometam crimes virtuais.

Accenture é líder global em serviços com ampla atuação e oferta de soluções em estratégia de negócios, consultoria, digital, tecnologia e operações. A empresa trabalha na interseção de negócio e tecnologia para ajudar companhias a melhorar seu desempenho e criar valor sustentável para seus stakeholders. Com cerca de 442.000 profissionais atendendo a clientes em mais de 120 países, a Accenture é uma das mais importantes empresas de consultoria do mundo.

O relatório da empresa afirma que a criptomoeda é a escolha preferida dos criminosos virtuais e de malwares que fazem mineração nos desktops sem conhecimento dos usuários.

Monero, criptomoeda projetada para o anonimato do usuário e conhecida por ser altamente resistente à análise de transações por agências de aplicação da lei – tornou-se uma das  criptomoedas mais populares dentro do mercado de cibercrime em 2018. além de permitir técnicas de anonimização, a moeda torna  fácil  operações de malware de mineradores – como WannaMine – devido à sua relativamente baixa “dificuldade de mineração” em comparação com outras criptomoedas de valor semelhante.

O relatório é focado na segurança de TI, a referência geral ao Monero como uma “ferramenta que facilita o crime” pode ser considerado um artigo dirigido a pessoas que trabalham em escritórios, explicando como devem aumentar suas defesas contra visitantes não solicitados.

• O Monero é a única entre as principais alternativas de criptomoedas concorrentes ao Bitcoin que tem se popularizado principalmente como resultado da demanda do submundo do crime. A accenture afirma que:

• Além das técnicas de anonimização do Monero, a moeda tornou-se extremamente popular para os operadores de malware de mineração devido a sua “taxa de dificuldade” em comparação com outras criptomoedas de valor semelhante.

• Os analistas da iDefense identificaram exemplos de softwares de mineração da Monero anunciados em mercado negro de malwares e fóruns hackers.

• Além do forte interesse na Monero pela comunidade cibercriminosa, há também sinais da  Monero sendo usada para gerar ganhos estrangeiros e para contornar as sanções por parte dos atores estatais.

Várias criptomoedas são constantemente associadas aos crimes cibernéticos e é lamentável que o Monero ainda esteja sendo associado a isso, mas não é possível evitar esse tipo de alegação. Monero possui uma tecnologia boa demais para não ser usada por criminosos ou qualquer outra pessoa. O Bitcoin já foi constantemente acusado de ser uma moeda para criminosos, agora, moedas com foco em privacidade estão ganhando essa fama.

Para ver o relatório completo da Accenture clique aqui.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Mateus Nuneshttps://livecoins.com.br
Analista de Sistemas, entusiasta de criptomoedas e blockchain. Tradutor do site Bitcoin.org Sugestão de pauta: mateus@livecoins.com.br
Bandeira de Israel e Criptomoeda Ethereum

Israel testa moeda digital nacional baseada em Ethereum

A tecnologia Ethereum é uma das mais conhecidas no mercado de criptomoedas, principalmente pelo pioneirismo com os chamados contratos inteligentes. Ao permitir a programação...

Fleury Medicina e Saúde tem sistemas paralisados após ataque hacker

A Fleury Medicina e Saúde é um grupo reconhecido dentro do setor de laboratórios e clínicas, contando com mais de 216 unidades de atendimento...
Universidad Americana Imagem: Divulgação

Universidade privada do Paraguai vai aceitar pagamentos em Bitcoin e Ethereum

A Universidade Americana do Paraguai vai começar aceitar pagamentos em criptomoedas a partir de agosto, os alunos poderão pagar por cursos e graduação com...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias