África é o Gigante Adormecido do Bitcoin que pode acordar

Continente é um dos que mais sofre com corrupção no sistema financeiro e carece de soluções práticas para resolver problemas.

Siga no
Interesse pelo Bitcoin na África está em alta
Interesse pelo Bitcoin na África está em alta

O continente africano é o mais pobre do planeta e sofre com avanços consistentes tanto em tecnologia, quanto sistema financeiro. Uma solução completa aos problemas da população local pode ser o Bitcoin, que chega na África como uma alternativa com imenso potencial.

De fato, o CEO do Twitter, defensor do Bitcoin e que visitou recentemente o continente africano, é um dos que concorda com esse potencial. Além disso, um documentário que estreou recentemente na Amazon reforça a ideia valiosa de uma possível adoção do Bitcoin no continente.

Até então, a África é apenas um espectador do desenvolvimento mundial, mas pode estar para acordar desse profundo sono. Caso acorde, o segundo continente mais populoso do planeta, com a 1,2 bilhão de habitantes, poderia causar um imenso frenesi no preço do Bitcoin.

Bitcoin é a maior moeda digital do mundo
Bitcoin é a maior moeda digital do mundo – Reprodução/Flickr

Gigante adormecido, África pode acordar com a realidade Bitcoin e mudar o cenário de pobreza do continente

Muito se fala da adoção de Bitcoin pelo mundo, e normalmente casos famosos aparecem em países desenvolvidos. Alguns menos desenvolvidos também ficaram famosos, como a Venezuela e Argentina, que sofrem com intensa inflação e sua população eventualmente correram para as criptomoedas.

Contudo, a população mundial ainda não acordou para o tema das criptomoedas. Com sete bilhões de habitantes, é estimado que apenas alguns milhões conheçam verdadeiramente o Bitcoin e seu potencial na economia mundial.

Um continente inteiro que pode se beneficiar dessa moeda digital é a África, que teve um documentário lançado pela Amazon Prime nos últimos dias. Produzido pela diretora sul-africana Tamarin Gerriety, o documentário abordou como o Bitcoin tem sido apresentado na África, para a comunidade local e qual seu potencial no local.

Banking on Africa - The Bitcoin Revolution
Banking on Africa – The Bitcoin Revolution – Reprodução/Amazon

O filme Banking on Africa – The Bitcoin Revolution contou com apoio da Luno, startup com sede em Londres (Inglaterra). Além disso, acompanhou a trajetória do Bitcoin no continente ao longo de vários anos, mostrando o quanto algumas pessoas já se beneficiaram da moeda para ajudar outros a conseguir independência financeira.

“Fraudes e pirâmides com Bitcoin são comuns, mas ensino corrige isso”, afirma entusiasta sul-africana

O documentário apresenta um lado que muitos não conhecem do Bitcoin, que é seu poder de facilitar a independência financeira. Em nenhum momento o documentário, que estreou na última sexta (22), mostrou o fator preço do Bitcoin como destaque, mas sim, o seu potencial de ajudar os africanos a ter uma independência financeira.

Em dado momento, a fundadora da SatoshiCenter, Alakanani Itireleng, uma iniciativa que educa as pessoas em Botswana e outros países da África comentou sobre seu papel. De acordo com Alakanani, a África foi alvo de muitas fraudes e pirâmides envolvendo Bitcoin, logo, acredita que apenas com educação as pessoas irão evitar ser pegas em golpes. A entusiasta afirmou que viaja pelos países levando educação sobre o tema.

Pirâmide Financeira
Pirâmide Financeira

A sinopse do documentário é ousada, indicando que a África poderia encontrar no Bitcoin uma maneira de fazer frente a outras potências. O filme documentário possui apenas áudio em inglês, contudo, está disponível as legendas em português brasileiro.

À medida que o mundo corre para liderar o caminho na tecnologia blockchain, a África poderia ter uma vantagem? Este documentário segue a jornada dos pioneiros do Bitcoin à medida que o continente procura alavancar a criptomoeda para superar as potências econômicas mundiais existentes.

Com menos que 50 minutos de duração, o documentário produzido ao longo de quatro anos, e lançado recentemente na Amazon Prime, mostra uma realidade interessante. Enquanto bancos centrais lutam para lançar suas moedas digitais, um sétimo da população mundial, ou seja, o continente africano, pode estar cansado de usar antigas ferramentas, e considerando o uso de uma verdadeira revolução, o Bitcoin.

Leia mais sobre:
Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.
Etiopia-bitcoin

Etiópia descobre bitcoin e volume dispara

O bitcoin chegou à Etiópia, um país africano muito pobre e dividido que se orgulha de nunca ter sido colonizada. A Etiópia é o...
Niall Ferguson

“Bitcoin está vencendo a revolução monetária”, diz premiado historiador da Bloomberg

Niall Ferguson é um premiado jornalista, historiador financeiro, comentarista político e uma figura muito respeitada dentro do mercado financeiro, sendo até um conselheiro de...
Bitcoin-carta-amigos-e-familiares

Desenvolvedor do bitcoin escreve carta para amigos e família: “comprem bitcoin”

O bitcoin continua se mostrando um investimento por diferentes motivos, tanto para quem realiza trades quanto para quem vê a moeda como uma reserva...

Últimas notícias

“Bitcoin está vencendo a revolução monetária”, diz premiado historiador da Bloomberg

Niall Ferguson é um premiado jornalista, historiador financeiro, comentarista político e uma figura muito respeitada dentro do mercado financeiro, sendo até um conselheiro de...

Desenvolvedor do bitcoin escreve carta para amigos e família: “comprem bitcoin”

O bitcoin continua se mostrando um investimento por diferentes motivos, tanto para quem realiza trades quanto para quem vê a moeda como uma reserva...

Comunistas adotam o bitcoin

Use blockchain para “aproveitar os meios de produção monetária”. É assim que começa o livro escrito pelo filósofo Mark Alizart, Criptocomunismo. Ele argumenta que a...