Banco Central da Argentina começa ‘caçar’ quem tem Bitcoin

Banco Central da Argentina começou uma caça aos bitcoiners.

Siga no
Bitcoin na Bandeira da Argentina
Bitcoin na Bandeira da Argentina

O Banco Central da Argentina (BCRA), maior autoridade financeira que rege a política monetária do país, mandou os bancos comerciais argentinos prestarem contas de clientes que realizam operações com Bitcoin ou outras criptomoedas.

De acordo com notícias locais, a ação do Banco Central pretende começar a aplicar maiores controles e regulamentações no mercado de criptomoedas.

Na Argentina, assim como na maior parte do mundo, ainda não existe um marco regulatório para as criptomoedas. Agora, o Banco Central quer identificar os clientes que possuem os ativos digitais.

O BCRA enviou uma circular aos bancos locais para que eles possam enviar as informações associadas aos clientes que efetuam operações com criptomoedas.

Pedido de informações que o Banco Central encaminhou às instituições. (Foto: Franco Amati @franamati).
Pedido de informações que o Banco Central encaminhou às instituições. (Foto: Franco Amati @franamati).

Mais controles e vigilância

Embora os críticos da medida a classifiquem como um esquema de vigilância e controle daqueles que possuem criptomoedas, ela faz parte da regulamentação aprovada em maio do ano passado, que estabelece restrições ao uso de capital estrangeiro.

Fontes ligadas ao BCRA indicaram que a medida faz parte de um estudo realizado pela instituição sobre os marcos legais necessários para regular o comércio com criptomoedas:

“Como parte do processo, os bancos foram consultados para saber o volume e a profundidade do uso ou compra de criptomoedas. É prática comum solicitar aos bancos informações sobre diversos temas de interesse antes de proceder à elaboração de regulamentos”.

Empresários do setor disseram que a medida era esperada diante do boom que as criptomoedas estão passando no país:

“O fenômeno global das criptomoedas, juntamente com seus benefícios e riscos potenciais para os sistemas econômicos, é algo que está sendo debatido em todas as organizações e fóruns globais. Como a gênese de qualquer regulador financeiro deve ser a tomada de decisões com base em evidências, o estudo e o correto monitoramento do mundo criptográfico tornam-se fundamentais, como o BCRA estaria fazendo.”

Para críticos e analistas do setor, a medida recai especialmente sobre as corretoras, já que são elas que têm contas bancárias de onde recebem e transferem pesos argentinos para as operações comerciais realizadas pelos usuários.

Outro aspecto que também se destacam é a possibilidade de antecipar excessiva regulamentação por parte do Banco Central.

Embora seja esperado que a entidade deseje monitorar aspectos relacionados às atividades comerciais com criptomoedas, pode ser arriscado que isso se traduza em um controle restritivo sobre quem participa desse mercado, prejudicando o ecossistema local e motivando os participantes a atuarem em meios mais clandestinos.

Regulação

“A regulamentação é iminente”, prevê um empresário do setor, alertando que o projeto de lei sobre o assunto pode ser debatido nas próximas semanas.

O texto propõe a Comissão Nacional de Valores Mobiliários como autoridade fiscalizadora e obriga as empresas de criptomoedas a serem parte da Unidade de Informação Financeira (UIF). Ou seja, reportar a origem de recursos de operações e suas plataformas.

Mas confere ao Banco Central o poder de fazer “acompanhamento financeiro da atividade” e fiscalizar “informações sobre as transações com criptomoedas”, além de preparar relatórios de impacto e divulgar detalhes sobre as operações.

O grande temor dos executivos do setor é que isso “mate a indústria”.

“A pressão estatal fará com que as operações em plataformas P2P (pessoa a pessoa), sem nenhuma empresa intermediária sujeita a regulamentações e impostos e fora do radar de bancos e autoridades, cresçam fortemente no país e acabem com as empresas”.

Ou seja, a caça aos bitcoiners na Argentina aparentemente pode prejudicar a indústria, mas não o Bitcoin em si, que poderá ser negociado em plataformas P2P, onde o Banco Central não pode exigir relatórios e nem controle.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Livecoins
Livecoins é um portal de blockchain e criptoeconomia focado em notícias, artigos, análises, dicas e tutoriais.
Deputado Estadual Gustavo Gouveia, em Pernambuco regular criptomoedas

Mais um estado brasileiro quer regular as criptomoedas com Projeto de Lei

Após um PL ser apresentado na Paraíba, mais um estado brasileiro quer regular as empresas de criptomoedas para prestar informações. Nos últimos dias, a Assembleia...
Jack Dorsey, CEO do Twitter e fã do Bitcoin

Empresa de CEO do Twitter quer minerar Bitcoin

A Square, empresa de Jack Dorsey listada na NYSE, quer minerar Bitcoin como estratégia de negócio. A informação foi compartilhada por Dorsey em seu Twitter,...
Pedro-Bial-Hashdex

Pedro Bial testemunha o poder transformador das criptomoedas em campanha da Hashdex

A Hashdex surgiu para democratizar os investimentos em criptomoedas, oferecendo produtos seguros e regulados para todos os investidores. Atuando como ponte entre o mercado...
.

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias