BC da Argentina investiga nove empresas que trabalham com Bitcoin

Investigação teria começado na última semana, alguns dias após alerta do órgão contra moeda digital.

Siga no
Peso Argentino do Banco Central da Argentina e Bitcoin
Peso Argentino e Bitcoin

O BC da Argentina está investigando o uso de Bitcoin em nove fintechs que podem ter descumprido a legislação de investimentos do país. A medida vem dias após um alerta da autoridade contra a moeda digital.

A Argentina é uma das principais economias da América do Sul, contudo, a inflação no país atravessa um momento delicado. Fugindo dos efeitos devastadores em seu poder de compra, parte da população já busca criptomoedas.

Considerando os últimos cinco anos o interesse por Bitcoin no país está em seu maior nível. Com mais interesse no setor, um certo nível de repressão governamental aumentou na região.

Interesse por Bitcoin na Argentina

Interesse por Bitcoin na Argentina nos últimos cinco anos, Acesso em 14 de junho de 2021/ Google TrendsApesar do impulso nas buscas, o Banco Central da Argentina afirmou em um alerta recente que a população não demonstra interesse em Bitcoin.

BC da Argentina investiga nove fintechs que oferecem empréstimos com Bitcoin

O BCRA, Banco Central da Argentina, iniciou uma investigação contra nove fintechs que captam recursos de investimentos para aplicações em criptomoedas, as empresas chamaram a atenção da autoridade monetária do país.

“O Banco Central da República Argentina (BCRA) iniciou a fiscalização de um grupo de fintechs que se oferecem como elo para financiar projetos de investimento utilizando cripto ativos como canal de poupança, para apurar se estão realizando intermediação financeira não autorizada.”

Como o Bitcoin não é legalizado como uma moeda de curso legal na Argentina, investimentos e intermediações de empresas devem ser aprovadas pelas autoridades.

Uma empresa que atua sem a aprovação do BC pode ser enquadrada no artigo 310 do Código Penal Argentino, que prevê a prisão de 1 a 4 anos e multa no valor de 2 a 8 vezes o valor da operação irregular, realizada em até seis anos.

“A Lei das Entidades Financeiras delega no Banco Central o poder de solicitar informações quando houver suspeita de que uma pessoa ou empresa está a exercer funções de intermediação financeira e, se for o caso, ordenar a cessação imediata e definitiva da atividade e aplicar sanções.”

Os nomes das empresas investigadas não foram divulgados pelo Banco Central da Argentina, que emitiu um alerta contra investimentos em Bitcoin e criptomoedas há alguns dias.

“A inspeção cobre nove empresas fintech que coletam depósitos que são convertidos em ativos criptográficos, em particular criptomoedas, que são então aplicados tanto para investimento quanto para financiamento ao consumidor, oferecendo uma recompensa.”

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.
Bitcoin e bandeira da China

China quer criar imposto sobre Bitcoin e coloca em dúvida banimento

O governo da China planeja criar um imposto para corretoras de Bitcoin que operam no país, colocando em dúvida o banimento de transações de...
Bitcoin em alta. Imagem: ShutterStock

Bitcoin rompe alta histórica e é negociado acima dos 65 mil dólares

Com um mercado otimista em relação a questões regulatórias, o preço do Bitcoin rompeu a sua máxima histórica de 64.895 dólares registrada em abril...

Criptomoeda “promissora e fora do radar” desaparece com R$3 milhões dos investidores

Golpes envolvendo arrecadação de dinheiro e então um abandono do projeto são bem comuns, mas a CryptoEats foi além. A falsa empresa usou influenciadores...
.

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias