Inicio Bitcoin Bitcoin é usado para lavar dinheiro por quadrilha de dentro de presídio

Bitcoin é usado para lavar dinheiro por quadrilha de dentro de presídio

Criptomoeda foi utilizada em esquema que contava com cartões de crédito roubado vendidos pela dark web.

-

Compartilhe
Quadrilha usa bitcoin para lavar dinheiro

O bitcoin foi utilizado por uma quadrilha para lavar dinheiro. A criptomoeda era comprada através de cartões de crédito roubados que resultavam em dinheiro transferido para a conta dos prisioneiros. Com a descoberta do esquema, um homem foi preso e outros sete envolvidos estão sendo investigados pela autoridades norte-americanas.

Crimes envolvendo criptomoedas parecem que nunca podem ser solucionados. Porém, como grande parte dos investidores sabem, não é nada difícil fazer um simples rastreamento de transações envolvendo o bitcoin. Como a blockchain desta criptomoeda é pública, informações importantes de fácil acesso pode permitir que crimes envolvendo o bitcoin sejam descobertos.

Presos usavam cartões de crédito roubados para comprar bitcoin

A quadrilha investigada utilizou cartões de crédito roubados. Através desta manobra, os presos compravam bitcoins como forma de lavar o dinheiro roubado dos cartões. Sendo assim, os cartões de crédito foram utilizados para comprar bitcoin que posteriormente seriam vendidos pelos criminosos.

Após a compra dos bitcoins com cartões de crédito roubados, os criminosos vendiam então a criptomoeda no mercado. Essa vendia permitia a quadrilha um processo de lavagem de dinheiro envolvendo cartão de crédito, criptomoedas e moeda fiduciária. Mas o negócio fraudulento foi descoberto, após 43 transações realizadas pela quadrilha. No total, foram movimentados cerca de US$ 8.000,00 pelos criminosos.

Dinheiro de venda de bitcoin caía em contas comissárias

Depois que o bitcoin era vendido, o dinheiro deveria ser então transferido para os presos. O destino final do dinheiro resultante da venda dos bitcoins eram várias contas bancárias, conhecidas como contas comissárias. Essas contas permitem que presos realizem pequenas compras dentro do sistema penitenciário.

Presidiários norte-americanos possuem acesso a um tipo de mercado nas unidades penitenciárias. Como a circulação de dinheiro é proibida, uma conta permite que eles comprem itens nestes estabelecimentos controlados. Essa conta é conhecida como conta comissária, e comumente parentes e amigos fazem doações para os criminosos.

O dinheiro arrecadado em bitcoins com a lavagem de dinheiro foi parar em contas comissárias. Isso permitiu que presos utilizassem o esquema para benefício próprio enquanto ainda estavam na prisão. 

Fornecedor de cartões de crédito roubados também foi preso

A operação contou com a investigação de autoridades da Flórida, nos Estados Unidos. Os policiais descobriram o esquema que envolvia vários presos, que utilizam cartões roubados em um elaborado plano de lavagem de dinheiro. De acordo com a investigação, a quadrilha contava com o apoio de um integrante externo.

Kamu Kalona, de 37 anos, é apontado como o responsável por fornecer os cartões de crédito roubados aos criminosos presos. O homem foi preso acusado de fraude e deverá responder criminalmente pela oferta de cartões roubados. A investigação concluiu que esta oferta acontecia através do que é conhecido como dark web.

Curta nossa página no Facebook e também no Twitterpara começar e terminar o dia bem informado. Cadastra-se também na Newsletter para receber em seu e-mail.

MAIS LIDOS

Congressistas entendem a diferença entre a Libra e o Bitcoin

A criptomoeda Libra tem sido associada ao Bitcoin, entretanto, há diferenças entre os projetos. De acordo com Charlie Shrem, os congressistas dos EUA conseguem...

Como ganhar dinheiro com a volatilidade do bitcoin

O Bitcoin é um ativo bastante volátil, ele possui mais de 63% de volatilidade anual. Isso significa que ele pode retrair ou expandir 63%...

Bitcoin atinge R$ 1 bilhão em negociações no Brasil e quebra recorde na América Latina

O Brasil registrou mais de R$ 1 bilhão em negociações envolvendo o bitcoin. A criptomoeda vive um importante momento de expansão na América Latina....

Hacker invade corretora de criptomoedas e rouba mais de R$ 120 milhões

Na última quinta-feira (11) a Bitpoint sofreu um duro ataque hacker em sua plataforma. A corretora de criptomoedas perdeu mais de R$ 120 milhões...

Clientes da Indeal defendem empresa

Após uma investigação da Polícia Federal, os negócios da Indeal deixaram de ser operados em todo o Brasil. A investigação resultou na prisão de...

Bitcoin vai subir? Trader aponta U$ 16 mil em breve

Na última semana o preço do Bitcoin em real ultrapassou os R$ 50 mil, a desvalorização veio forte. No momento da escrita deste, a...
 

COMENTÁRIOS

MAIS LIDOS

Congressistas entendem a diferença entre a Libra e o Bitcoin

A criptomoeda Libra tem sido associada ao Bitcoin, entretanto, há diferenças entre os projetos. De acordo com Charlie Shrem, os congressistas dos EUA conseguem...

Como ganhar dinheiro com a volatilidade do bitcoin

O Bitcoin é um ativo bastante volátil, ele possui mais de 63% de volatilidade anual. Isso significa que ele pode retrair ou expandir 63%...

Bitcoin atinge R$ 1 bilhão em negociações no Brasil e quebra recorde na América Latina

O Brasil registrou mais de R$ 1 bilhão em negociações envolvendo o bitcoin. A criptomoeda vive um importante momento de expansão na América Latina....

Hacker invade corretora de criptomoedas e rouba mais de R$ 120 milhões

Na última quinta-feira (11) a Bitpoint sofreu um duro ataque hacker em sua plataforma. A corretora de criptomoedas perdeu mais de R$ 120 milhões...

Clientes da Indeal defendem empresa

Após uma investigação da Polícia Federal, os negócios da Indeal deixaram de ser operados em todo o Brasil. A investigação resultou na prisão de...
Compartilhe