Bitcoin vai desaparecer porque ‘falhou miseravelmente como dinheiro’, diz membro do WEF

“As criptomoedas privadas, que são tokens digitais nativos, não passam nesse teste, então acho que acabarão desaparecendo”, afirmou.

Criptomoedas privadas como o Bitcoin irão desaparecer, já que elas “falharam miseravelmente como dinheiro”, disse Ravi Menon, diretor do banco central de Cingapura e membro do Fórum Econômico mundial (WEF).

Falando sobre o futuro do sistema monetário na manhã desta terça-feira (28), Menon disse que as pessoas estão comprando criptomoedas “apenas para ganhar dinheiro rápido através da especulação”.

Ele acrescentou que, ao contrário dos desenvolvedores de criptomoedas, os governos estão criando um novo sistema financeiro ‘verdadeiramente funcional’, as moedas digitais de banco centrais (CBDCs).

“Os ativos digitais privados falharam miseravelmente como dinheiro. Eles são incapazes de reter seu valor a longo prazo e tornar-se equivalentes ao valor. Portanto, ninguém mantém suas economias nesses ativos por muito tempo. As pessoas estão comprando e vendendo ativos digitais privados apenas para ganhar dinheiro através da especulação”, disse Menon.

Ao contrário do que diz Menon, no entanto, dados da blockchain mostram que mais de 60% dos detentores de Bitcoin mantém suas posses por mais de 5 anos, o que se traduz nos investidores acreditando no valor de longo prazo da moeda digital.

Menon também afirmou que o futuro sistema monetário será composto por apenas três componentes: CBDCs, passivos bancários tokenizados e stablecoins “bem regulamentadas”.

“As criptomoedas privadas, que são tokens digitais nativos, não passam nesse teste, então acho que acabarão desaparecendo”, finalizou.

CBDC é melhor que o Bitcoin, sugere membro do FMI

Menon destacou o movimento regulatório em direção ao desenvolvimento de moedas digitais, como o Drex e o Dólar digital, que, segundo ele, são “totalmente lastreadas por títulos governamentais ou dinheiro”.

No mesmo painel, M. Rajeshwar Rao, vice-presidente do Reserve Bank of India (RBI), compartilhou insights sobre o progresso das CBDCs.

Ele observou que as moedas digitais dos bancos centrais podem desfrutar de maior sucesso se atenderem às necessidades não atendidas dos usuários e se apoiarem em tecnologias e infraestruturas acessíveis existentes.

Rao também abordou questões críticas de privacidade de dados e segurança cibernética, enfatizando a necessidade de assegurar que as CBDCs sejam tão confiáveis quanto o dinheiro físico. Ele mencionou os esforços do RBI em facilitar transações offline, expandindo o escopo e a acessibilidade das CBDCs.

“A privacidade dos dados é uma preocupação. A segurança cibernética e a resiliência também são questões muito críticas que teremos de garantir para que as CBDCs sejam tão confiáveis quanto a moeda física”, disse.

O RBI está entre os pioneiros na implementação de um piloto de CBDC, ao lado de países com Brasil e China, já envolvendo cerca de 2,75 milhões de participantes. Rao discutiu a possibilidade de expandir ainda mais as aplicações das CBDCs, incluindo transações do mercado monetário interbancário.

Ele ressaltou a necessidade de uma maior reflexão sobre a implementação das CBDCs em uma base multilateral no futuro.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na maior corretora de criptomoedas do mundo e ganhe até 100 USDT em cashback. Acesse Binance.com

Entre no nosso grupo exclusivo do WhatsApp | Siga também no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Vinicius Golveia
Vinicius Golveia
Formado em sistema da informação pela PUC-RJ e Pós-graduado em Jornalismo Digital. Conhece o Bitcoin desde 2014, atuando como desenvolvedor de blockchain em diversas empresas. Atualmente escreve para o Livecoins sobre assuntos de criptomoedas. Gosta de cultura POP / Geek. Se não estiver escrevendo notícias relevantes, provavelmente está assistindo alguma série.

Últimas notícias