Brasil movimentou 369 mil bitcoins em 2019

Siga no

Certamente você já se perguntou se o Brasil possui um alto volume de negociação de Bitcoin, certo? Uma pesquisa recente mostrou o volume exato de negócios com Bitcoin no país.

Certamente o Brasil não é um dos melhores do ramo que, de acordo com o CoinHills, está na posição 12 no dia 6 de janeiro de 2020. Ou seja, o início de ano mostra que os brasileiros estão fazendo poucas operações.

Nas últimas 24 horas, o Dólar Americano dominou mais que 76% das operações com Bitcoin, ou seja, por lá o volume é bem maior. Foram cerca de 630 mil BTCs negociados com USD, que nos EUA possui um mercado regulamentado e mais maduro para as corretoras.

Apesar do início de ano estar fraco em terras tupiniquins, o resumo de 2019 foi interessante para o país. Isso porque mais que 2% de todos os Bitcoins já criados foram o volume do Brasil.

Volume do Bitcoin no Brasil ainda é pequeno, mas já mostra sinais interessantes

O tema Bitcoin no Brasil é certamente algo novo, uma vez que no país a mídia cripto e as corretoras ainda não veem um grande volume. Mesmo assim, de todos os mais de 18,144 milhões de Bitcoins criados até hoje, 2,04% foram trocados no Brasil em 2019.

De acordo com o Cointrader Monitor (CTM), o volume de janeiro a dezembro de 2019 foi de 369 mil Bitcoins transacionados. Ou seja, dos 18 milhões de moedas criadas, 2% passou pelo Brasil.

Além disso, o destaque de volume foi o Mercado Bitcoin, que teve sozinho mais que 30% do total. A segunda colocada, segundo apurou o Livecoins, é a Bitcoin Trade, com mais que 10% do volume total negociado.

Volume Anual das Corretoras de Criptomoedas Brasileiras em 2019
Volume Anual das Corretoras Cripto Brasileiras – Imagem/Livecoins – Fonte dos Dados/Cointrader Monitor

O CTM apurou informações fornecidas pelas APIs de 32 corretoras de criptomoedas do Brasil. Dentre elas, apareceram também algumas plataformas que deixaram de funcionar e outras que iniciaram suas operações durante o ano.

Dois últimos meses de 2019 mostraram queda no volume

O preço do Bitcoin teve uma grande alta no primeiro semestre de 2019, que refletiu também nas corretoras brasileiras. Ao sair de U$ 3,700 em janeiro, o Bitcoin chegou a ser cotado em U$ 13 mil, em julho de 2019. A alta marcou presença no Brasil, mês que teve a segunda melhor marca de volume de negociação das corretoras (≅44 mil).

O melhor mês em volume foi maio de 2019, quando as plataformas tiveram mais que 45 mil moedas negociadas. Naquele mês, o Bitcoin saiu de U$ 5,300 para U$ 8,700 em menos de 30 dias, um ganho de 60% em um curto período.

Já os meses de novembro e dezembro, que marcam o fim do segundo semestre, foi de baixo volume. Isso porque o volume de novembro (próximo de 20 mil) e de dezembro (cerca de 19 mil), não se aproximaram do visto em julho de 2019. Segundo apuração do CTM, o dia 17/11 foi o pior dia no Brasil, com apenas 113 BTCs negociados.

Ou seja, os traders brasileiros não quiseram negociar Bitcoin nesta época, em que o preço despencou de U$ 9,200 para U$ 7,200. O preço do Bitcoin teve uma queda superior a 20% do seu valor no período.

Bitcoin poderá recuperar em 2020 e ter novos ganhos?

Cabe o destaque que apesar do pessimismo de fim de ano nos mercados globais, o preço do Bitcoin é visto com potencial para 2020. Isso porque, de acordo com um analista do criptomercado, o Bitcoin poderá ter uma dominância de 75% em relação a outras moedas, o que daria uma valorização maior ao ativo digital.

Atualmente o Bitcoin está com 67% da dominância do mercado de criptomoedas. Além disso, o halving é um dos eventos que poderiam potencializar o preço da criptomoeda. Mesmo assim, há quem defenda que a valorização poderá ser precedida por novas desvalorizações.

Além disso, eventos geopolíticos se mostraram favoráveis ao Bitcoin, como a tensão do Irã com os EUA. No Irã, por exemplo, o Bitcoin chegou a ser cotado próximo de R$ 100 mil, disparando o preço no país.

Em resumo, o ano de 2019 mostrou potencial para os traders brasileiros, que tiveram um bom volume de negociações. Com isso, o ano de 2020 poderá marcar um novo marco para a adoção no país.

Leia mais sobre:
Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

XRP valoriza mais de 100% em uma semana

A criptomoeda da Ripple, XRP, valorizou mais de 100% em uma semana, saindo de 0,28 centavos de dólares na segunda-feira passada (16), para $...

EUA imprime 21% da sua oferta monetária em 2020, risco de inflação cada vez...

A possibilidade de uma inflação que vai afetar consideravelmente o poder de compra das pessoas não é um medo apenas no Brasil, mas também...
Sean Ono Lennon

Filho do cantor John Lennon diz que Bitcoin aumentou sua autoestima

Sean Ono Lennon, o filho do cantor John Lennon acredita que o Bitcoin ajuda as pessoas de uma forma que elas nunca viram antes....

Últimas notícias

EUA imprime 21% da sua oferta monetária em 2020, risco de inflação cada vez mais alto

A possibilidade de uma inflação que vai afetar consideravelmente o poder de compra das pessoas não é um medo apenas no Brasil, mas também...

Filho do cantor John Lennon diz que Bitcoin aumentou sua autoestima

Sean Ono Lennon, o filho do cantor John Lennon acredita que o Bitcoin ajuda as pessoas de uma forma que elas nunca viram antes....

Banco toma dinheiro da conta poupança de cliente que caiu em golpe

Um homem caiu em um golpe de falso emprego e perdeu $ 3.000, os falsos empregadores deram ele um cheque e pediram que ele...