Brasileiro é acusado de fraudar programa de recompensas de criptomoeda

O brasileiro Everton Melo foi acusado de ter plagiado uma pesquisa para receber uma recompensa em um programa de bug hunt. O ex programador chefe da Monero reconheceu o plágio e lamentou a situação.

Siga no
Hacker brasileiro segurança cibernética Brasil
Hacker/Reprodução

Um brasileiro foi acusado de ter fraudado um programa de recompensas da criptomoeda Monero, na acusação, Everton Melo teria copiado a análise de outro analista e publicado como se fosse dele, além disso, recebeu dinheiro no lugar do verdadeiro analista do bug.

A HackerOne é uma companhia especializada em oferecer recompensas por bugs críticos encontrados em diferentes sites, programas e até mesmo criptomoedas.

Everton Melo é um brasileiro que se apresenta no Linkedin como “Especialista em Segurança” e “perito em análise fundamentalista em criptomoedas”, ele já palestrou em eventos importantes no Brasil, como a RoadSec e Bitconf. No entanto, o brasileiro acabou sendo reconhecido como plagiador após ter copiado e colado um relatório de outro profissional para receber a recompensa pelo bug encontrado em uma das criptomoedas mais famosas do mundo.

A denúncia foi inicialmente feita por Guido Vranken, o especialista de segurança que encontrou e relatou o Bug pela primeira vez (em janeiro de 2019), mas que não foi pago pelo programa de caça de bugs. O pagamento foi apenas para o brasileiro, que postou a mesma analise em novembro de 2019.

“Lol, alguém copiou e colou a minha análise de um exploit no libzmq de forma literal em um programa de recompensa do HackerOne e recebeu o dinheiro.”

Vranken não apenas ficou indignado com a ação de Everton de ter plagiado a sua análise, mas também acusou a HackerOne de não agir de forma correta em relação aos bugs que são relatados em diferentes programas.

“O HackerOne também continua a ‘administrar’ o programa de recompensas Squid, prometendo grandes recompensas, mas nunca pagando. Meu relatório passou por triagem há 8 meses atrás. Isso é uma fraude e eu vou denunciar o HackerOne para a Comissão Federal de Comércio se isso não for resolvido até a semana que vem.”

O bug em questão foi relatado na série libzmq, relacionada ao protocolo Monero e a recompensa foi de 3 XMR (Monero), US$ 375 (cerca de R$ 2.098), que foi paga a Everton Melo através da plataforma HackerOne.

Além do pagamento, Everton também pediu que ele fosse creditado e agradecido no Twitter oficial da Monero pela sua descoberta (mesmo não tendo creditado Guido em momento algum). A Monero disse que não podia realizar esse pedido.

Confirmação do pagamento e pedido de Everton de ser mencionado no Twitter da Monero.

“recebido.
Foi uma honra trabalhar com você.”

Disse o brasileiro após receber o valor.

Monero reconheceu que Everton Melo cometeu plágio

A notícia já chegou na Monero, que reconheceu que sim, Everton plagiou Vranken e que também cometeu um erro em não pagar a recompensa para a pessoa certa.

Ao entrar na página onde o bug foi relatado, o sumário apresenta a seguinte mensagem postada pela Monero:

“Esse relatório foi roubado de Guido Vranken sem nenhum credito dado a ele. (!!)

Nós não notamos que esse relatório foi roubado diretamente de outro documento, já que o nosso foco estava em produzir e consertar o defeito.

Isso foi mais do que sacana. Por favor, não façam isso. Nós entramos em contato com Guido para pagar a ele uma recompensa, infelizmente não podemos retirar a recompensa que já foi paga a Everton Melo.”

Mensagem da Monero avisando que o relatório foi, de fato, plagiado.

Caso repercutiu entre a comunidade de segurança

Além do reconhecimento da Monero do plágio, o caso também está repercutindo dentro da comunidade de criptomoedas e principalmente entre outros hackers e especialistas de segurança cibernética.

Em uma das respostas, um usuário questionou a falta de ética por tão pouco dinheiro.

“Não dá para acreditar. Que jeito de destruir a própria reputação por causa de quê? 3 XMR? O nome e a reputação ficarão sujos para sempre.”

Riccardo Spagni, ex programador chefe do Monero, também respondeu ao tuíte de Guido. Nele ele lamentou a situação e pediu o endereço do analista para que ele pudesse pagar a recompensa devida.

“Ah cara, que chato. Me manda o seu endereço de XMR para gente enviar uma recompensa para te compensar.”

Vranken aceitou a recompensa, mas pediu para que a doação fosse feita para o Internet Archive, uma instituição sem fins lucrativos que tenta manter um acervo da internet, além de operar o Internet Wayback Machine.

O Livecoins procurou o brasileiro Everton para comentar o caso, até o fechamento não havia resposta, o espaço fica aberto.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Matheus Henrique
Fã do Bitcoin e defensor de um futuro descentralizado. Cursou Ciência da Computação, formado em Técnico de Computação e nunca deixou de acompanhar as novas tecnologias disponíveis no mercado. Interessado no Bitcoin, na blockchain e nos avanços da descentralização e seus casos de uso.
Bitcoin dentro de livro criptomoeda blockchain vocabulário

Academia Brasileira de Letras inclui “criptomoeda” em vocabulário atualizado da língua portuguesa

Mais um vocabulário brasileiro adiciona o termo "Criptomoeda", reconhecendo assim na língua portuguesa a palavra que tanto chama atenção dos brasileiros nos últimos anos. No...
Mineração de Bitcoin minerador

Leilão da Receita tem equipamento de minerar Bitcoin a partir de R$ 500

A Receita Federal do Brasil abriu leilão de equipamentos de mineração de Bitcoin que foram apreendido no Aeroporto Internacional de Viracopos, Campinas (SP). Vale o...
Bitcoin em alta. Imagem: ShutterStock

Bitcoin recupera nível técnico importante e encosta nos US$ 40 mil

O Bitcoin subiu acima de sua média móvel de 50 dias pela primeira vez desde 12 de maio na noite deste domingo (25) e...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias