VW Iota

Por meio do twitter a Volkswagen comunicou que irá apresentar a prova de conceito que desenvolveu trabalhando com a IOTA. A apresentação acontecerá na CEBIT 2018 – uma das maiores feiras de informática e tecnologia do mundo. Johann Jungwirth, diretor de design da Volkswagen e membro do conselho supervisor da fundação fez o anuncio.

No twitt, Jungwirth dá uma boa compreensão da previsão da Volkswagen sobre como o mundo automotivo será em 2020. Muitos especialistas da indústria e da própria Volkswagen acreditam que haverão mais de 250 milhões de veículos conectados na estrada.

Sob essa perspectiva, a pesquisa descobriu que o nível de automação necessário para executar atualizações remotas de componentes de carros com freqüência seria muito alto. O documento mostra o desafio que existe nos dias atuais com bancos de dados centralizados que são difíceis de possuir uma auditoria transparente. É aqui que a Volkswagen e a IOTA acreditam que blockchain pode ajudar.

A IOTA acredita que pode se tornar o protocolo para fabricantes de automóveis e fornecedores realizarem atualizações seguras e fornecerem transparência das auditorias.

Tanto a IOTA quanto a Volkswagen ao longo de um período de dois meses, desde que anunciaram sua parceria, têm trabalhado em metas comuns onde planejam realizar atualizações por meio de armazenamento de dados com integridade assegurada.

A Prova de Conceito (POC) deu uma visão para a Volkswagen sobre os principais benefícios que ela pode ter usando a tecnologia blockchain fornecida pela IOTA. Isso inclui o estabelecimento de confiança e transparência digital com clientes e autoridades, capacidade de fornecer evidências com relação a componentes automotivos, lidar com recalls de produtos, capacidade de fornecer atualizações incrementais e gravação estatística transparente e a prova de violação.

Isso também daria as oportunidades para trabalhar em recursos on-demand de configuração, troca de informações, o que permite o uso de dados com segurança para personalizar serviços como o seguro baseado em uso.

Isso pode ser realmente uma disrupção para indústria automobilística e trará uma mudança de paradigma na forma como os componentes automotivos e a indústria de seguros fornecem suporte e serviços. Se uma empresa tão grande quanto a Volkswagen, que tem 120 unidades de produção em 31 países e alcance de vendas em 150 países, adotar isso, não levará tempo para que outras pessoas a adaptem também.