Coronavírus: queda do comércio global será pior que em 2008, segundo OMC

Siga no
Agência Senado

A OMS (Organização Mundial do Comércio) estima que a pandemia do coronavírus dará um “tombo” no comércio global de 2020.

De acordo com relatório divulgado na manhã desta quarta-feira (8), a queda no comércio internacional será entre 13% a 32% neste ano, maior do que a observada na crise de 2008.

A OMC disse que essa grande variação no percentual de retração é explicada pela natureza sem precedentes do Covid-19.

“Esses números são feios e não há como contornar isso, mas uma recuperação rápida e vigorosa é possível. As decisões tomadas agora determinarão a forma futura das perspectivas de recuperação e crescimento global”, disse o diretor-geral da OMC, Roberto Azevêdo, que é um diplomata brasileiro.

Diferença entre Covid-19 e crise de 2008

Apesar de comparar os possíveis efeitos da pandemia do coronavírus na economia global com os gerados pela crise financeira de 2008, a OMC disse que há diferenças entre os dois períodos.

A crise gerada pelo Covid-19, informou a OMC, pode ser mais grave porque as restrições ao movimento e o distanciamento social afetam setores como hotelaria, turismo e transporte de forma diversa daquela vista em 2008.

O que os países precisam fazer?

Todas as regiões do mundo serão afetadas, segundo o diretor da OMC, Azevêdo. Para evitar perdas ainda maiores, ele disse que os países precisam lançar agora as bases para uma “recuperação forte, sustentada e socialmente inclusiva”, e o “comércio será um ingrediente importante nessa fase, juntamente com a política fiscal e monetária”.

De acordo com brasileiro, manter os mercados abertos e previsíveis, além de promover um ambiente de negócios mais favorável, será fundamental para estimular as transações globais.

Mesmo mantendo um ambiente favorável ao negócio, no entanto, Azevêdo informou no relatório que ainda é imprevisível estimar se haverá recuperação do comércio internacional em 2021. Isso porque “a extensão da incerteza é muito alta”, falou.

Lucas Gabriel Marins
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).

Harvard e outras universidades estão comprando Bitcoin

Diversas universidades dos Estados Unidos estão comprando Bitcoin discretamente há pelo menos um ano, de acordo com informações do CoinDesk. Harvard, Yale, Brown a...

Presidente do Banco da Inglaterra sugere que criptomoedas estão com os dias contados

Durante um painel virtual de debate sobre moedas digitais em Davos, o presidente do Banco da Inglaterra, Andrew Bailey, disse que uma moeda digital "duradoura"...

Nietzsche aprovaria o Bitcoin?

"As empresas que vão a falência afetam os contribuintes com seus prejuízos”, mas “quando ganham dinheiro, ficam só pra eles”. É a chamada era...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias

Presidente do Banco da Inglaterra sugere que criptomoedas estão com os dias contados

Durante um painel virtual de debate sobre moedas digitais em Davos, o presidente do Banco da Inglaterra, Andrew Bailey, disse que uma moeda digital "duradoura"...

Nietzsche aprovaria o Bitcoin?

"As empresas que vão a falência afetam os contribuintes com seus prejuízos”, mas “quando ganham dinheiro, ficam só pra eles”. É a chamada era...

Bolha do mercado de ações nos EUA está prestes a estourar, alerta o Bank of America

Um dos maiores bancos dos Estados Unidos publicou um relatório alertando que a “forte alta” no mercado de ações em menos de 1 ano...

“Bitcoin será destruído com a regulamentação governamental”, diz professor de Harvard

A previsão para o preço futuro do Bitcoin é algo muito comum no criptomercado, alguns acreditam que, até o fim deste ano, teremos o...

“Bitcoin é uma bolha, mas o sistema financeiro mundial é uma bolha maior”, diz ex-analista da Bridgewater

Não é de hoje que os críticos do Bitcoin apontam a criptomoeda como uma bolha financeira. Em dezembro de 2017 talvez tenha sido o...