Criptomoeda do Telegram continua sendo desenvolvida de forma independente

"Ao contrário do TON original, o Toncoin é independente do Telegram."

Criptomoeda do Telegram
Criptomoeda do Telegram - Foto: sabotag3x

Embora a blockchain do Telegram, chamada TON (Telegram Open Network), tenha sido banida, ela continua sendo desenvolvida de forma independente. Após elogios de Pavel Durov, fundador do Telegram, a criptomoeda Toncoin subiu 50% nesta quinta-feira (23).

Mesmo sem envolvimento público do Telegram, esta é uma alternativa da empresa para continuar construindo soluções sem depender do aval do Estado que embora gigante, tem medo da concorrência.

Já outros gigantes, como Facebook e Jack Dorsey (Twitter), seguem caminhos diferentes. A primeira ainda tenta empurrar a sua criptomoeda, a Diem, e o segundo está se dedicando totalmente ao Bitcoin por ser mais descentralizado.

Barrados pelo governo

Assim como o Facebook como a Libra/Diem, o Telegram não agradou os reguladores que barraram o desenvolvimento de sua blockchain chamada TON (Telegram Open Network), e de sua moeda GRAM, após arrecadarem 1,7 bilhão de dólares.

Na época, Pavel Durov postou uma nota sobre o ocorrido, onde lamentava que o projeto com dois anos e meio de construção teria que ser descontinuado. Apesar disso, Durov desejou sorte para aqueles que buscam um mundo mais livre.

“Quero concluir este post desejando sorte a todos aqueles que buscam descentralização, equilíbrio e igualdade no mundo. Você está lutando a batalha certa. Esta batalha pode muito bem ser a batalha mais importante de nossa geração. Esperamos que você tenha sucesso onde falhamos.”

Projeto continuou de forma independente

Embora a pressão do governo para derrubar a blockchain do Telegram pareça uma notícia ruim, na verdade, esta proibição fez com que o projeto se tornasse mais descentralizado e resiliente a censura de governos ao trabalhar de forma independente.

Após sua blockchain ser renomeada para The Open Network e sua moeda para Toncoin, o projeto parece mais vivo do que nunca. Hoje a criptomoeda subiu 50% após elogios de Durov que também afirmou que sua tecnologia é superior a de outras moedas em termos de escalabilidade.

“Então, fiquei inspirado ao ver os campeões dos concursos de codificação do Telegram continuarem desenvolvendo o projeto aberto do TON, que eles rebatizaram de Toncoin.”

“Tenho orgulho de que a tecnologia que criamos esteja viva e em evolução. Quando se trata de escalabilidade e velocidade, o TON ainda está anos à frente de tudo o mais no reino do blockchain. Seria uma pena ver este projeto não beneficiando a humanidade. Ao contrário do TON original, o Toncoin é independente do Telegram. Mas desejo o mesmo sucesso a sua equipe. Juntamente com a estratégia certa de entrada no mercado, eles têm tudo o que precisam para construir algo épico”, afirmou Pavel Durov, fundador do Telegram.

Mesmo que a ligação direta do Telegram neste projeto não esteja clara, parece que eles aprenderam uma lição. O governo nunca permitirá a criação de tais projetos, por isso a descentralização é tão importante, como acontece com o Bitcoin que é imparável.

Já outros grandes players da indústria seguem caminhos diferentes. Mark Zuckerberg ainda tenta empurrar a sua própria criptomoeda e Jack Dorsey está totalmente focado no Bitcoin. Esta concorrência é ótima para o setor, forçando-o a criar projetos melhores.

Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br.



Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Henrique Kalashnikov
Formado em desenvolvimento web há mais de 20 anos, Henrique Kalashnikov encontrou-se com o Bitcoin em 2016 e desde então está desvendando seus pormenores. Tradutor de mais de 100 documentos sobre criptomoedas alternativas, também já teve uma pequena fazenda de mineração com mais de 50 placas de vídeo. Atualmente segue acompanhando as tendências do setor, usando seu conhecimento para entregar bons conteúdos aos leitores do Livecoins.

Últimas notícias