Startup de criptomoedas demite todos funcionários após perder tudo na FTX

Enquanto a situação é agonizante para clientes com saldos nas plataformas, ganha força a narrativa de que as criptomoedas devem permanecer custodiadas em carteiras dos próprios usuários.

Uma startup DeFi de criptomoedas deixou todos os seus recursos financeiros depositados na FTX e perdeu tudo. As consequências do evento já são sentidas pela equipe de funcionários, que perderam seus empregos.

Com sede na Nigéria, a Nestcoin foi mais uma das possíveis vítimas globais da FTX. Em 2021, a startup angariou capital com a Alameda Research, empresa que também estava sob o comando de Sam Bankman-Fried (SBF).

Após captar os recursos para sua operação, eles depositaram suas stablecoins na FTX, corretora também de SBF.

Startup de criptomoedas africana demite funcionários após perder tudo na FTX

Um dos países com a maior adoção de criptomoedas no continente africano é a Nigéria. Com a população buscando utilizar os novos meios de pagamentos cada vez mais, surgiu a ideia da startup Nestcoin.

Apoiada pelo grupo da FTX em 2021, a empresa buscou levar mais serviços aos nigerianos. DeFi, Web3, NFTs, entre outros nichos de mercado eram apresentados aos clientes pela empresa.

Um ano depois, contudo, a parceria que aparentava promissora ruiu de forma drástica.

A FTX faliu, assim como a Alameda Research e mais outras inúmeras empresas do grupo pelo mundo. Com o colapso, a falta de saques foi imposta aos clientes da corretora, sendo uma delas a Nestcoin.

Agora, todos os funcionários da startup de criptomoedas na Nigéria estão sendo demitidos, visto que os recursos presos na FTX podem ter sido perdidos para sempre. Desde que faliu, a corretora tem deixado claro não ter mais dinheiro.

Apesar de demitir funcionários, a startup não custodiava criptomoedas de clientes, ou seja, ninguém perderá dinheiro com seu fim.

Confira a carta em inglês enviada para os investidores da Nestcoin abaixo.

Startup de criptomoedas, Nestcoin demitiu funcionários após colapso da FTX
Startup de criptomoedas, Nestcoin demitiu funcionários após colapso da FTX. Reprodução.

Colapso da FTX já chegou na Austrália

A FTX detinha nos últimos meses uma divisão na Austrália também. Com essa operação, uma das corretoras de criptomoedas que recorria a seus serviços era a Digital Surge.

Desde o colapso da corretora de SBF, a australiana afirma aos seus clientes que não emprestava as criptomoedas de seus clientes. Apesar disso, os saques estão travados na corretora, que alega não ter condições de cumprir com as retiradas aos clientes devido ao fim da FTX.

“Olá, confirmando que não emprestamos bens de nossos usuários. Entendemos que este é um momento muito volátil e assustador com a situação atual no espaço cripto. Se você tiver mais alguma dúvida, sinta-se à vontade para entrar em contato conosco via chat ao vivo.”

Seja na Nigéria ou na Austrália, tudo indica que o impacto global da FTX ainda não chegou ao fim. Enquanto a situação é agonizante para clientes com saldos nas plataformas, ganha força a narrativa de que as criptomoedas devem permanecer custodiadas em carteiras dos próprios usuários.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na maior corretora de criptomoedas do mundo e ganhe até 100 USDT em cashback. Acesse Binance.com

Siga o Livecoins no Google News.

Curta no Facebook, TwitterInstagram.

Entre no nosso grupo exclusivo do WhatsApp | Siga também no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

Últimas notícias

Últimas notícias