Empossado por Bolsonaro, novo presidente do Banco Central é defensor da tecnologia blockchain

Com passagens pelo Santander, o novo presidente do BC, Roberto Campos Neto, se mostra um entusiasta da tecnologia blockchain e grande estudioso do bitcoin.

Siga no
(Foto: Marcos Corrêa/PR)

O presidente Jair Bolsonaro empossou nesta quinta-feira (28) o economista Roberto Campos Neto como novo dirigente do Banco Central (BC). Com ampla experiência na área financeira, Campos Neto é lembrado por ser um estudioso do bitcoin e demais criptomoedas. Dentre suas meta, o novo líder do BC revelou que pretende preparar a autarquia para a modernização por meio de tecnologias como a blockchain.

Com passagens pelo Santander, no qual integrou o grupo responsável pelo desenvolvimento do projeto SuperDigital, um banco 100% online, a nomeação de Campos Neto é vista com entusiasmo pelo ecossistema cripto.

Em carta apresentada ao senado, o novo presidente do Banco Central revelou seu entusiasmo em relação às novas tecnologias:

“Tenho estudado e me dedicado intensamente ao desenho de como será o sistema financeiro do futuro. Participei de estudos sobre blockchain e ativos digitais. Uma das contribuições que espero trazer para o Banco Central é preparar a instituição para o mercado futuro, em que as tecnologias avançam de forma exponencial, gerando transformações mais aceleradas”, ponderou.

Possíveis avanços

Após ter sua indicação aprovada pelo senado, na última terça-feira (26), por 55 votos a favor, 6 contrários e 1 abstenção, Campos Neto substitui Ilan Godfajn na presidência do BC, indicando maior disposição para tratar dos ativos digitais.

Em 2017, momento em que o bitcoin atingiu seu maior valor, ficaram famosos os pronunciamentos de Godfajn ao se referir às criptomoedas como “bolha” e “pirâmide”; bem como os alertas emitidos pelo BC, apontando os riscos e uso de tais ativos em atividades ilegais, como a lavagem de dinheiro.

Por outro lado, Godfajn já chegou a destacar o uso da blockchain para outros fins não relacionado às criptomoedas, e teve a sua gestão marcada pelo forte incentivo ao desenvolvimento das fintechs. Foi sob sua liderança, inclusive, que o Banco Central regulamentou a atividade das plataformas que operam com crédito, conforme destaca o Reuters.

O Banco Central é a entidade responsável por gerir a política econômica do país. Dentre as suas atribuições estão: regular as instituições financeiras, controlar a inflação e assegurar um sistema econômico sólido e eficiente.

Camila Marinho
Camila Marinho
Camila Marinho é jornalista, com passagem por jornais impressos e outros portais com foco em criptomoedas. Acredita que a tecnologia blockchain é como o fogo dado por Prometeu à humanidade. Cresceu sob o sol da Bahia e hoje vive no frenesi do centro de São Paulo.
Sede Capitual

Agora é possível fazer saque de criptomoedas em Banco24Horas

Agora é possível realizar saques de criptomoedas em caixas eletrônicos. A ação é resultado de parceria do Banco Capitual com a TecBan, que agora...
Gary Cohn

Ex-assessor de Trump diz que bitcoin não tem transparência

O ex-assessor econômico de Donald Trump, Gary Cohn, disse à Bloomberg em uma entrevista que o bitcoin não tem transparência e integridade. Gary é...
Diem Facebook

Criptomoeda do Facebook agora se chama Diem

O Facebook rebatizou a sua criptomoeda e a Libra agora se chama “Diem”. A mudança de nome tem como objetivo receber aprovação regulatória. Diem...

Últimas notícias

Ex-assessor de Trump diz que bitcoin não tem transparência

O ex-assessor econômico de Donald Trump, Gary Cohn, disse à Bloomberg em uma entrevista que o bitcoin não tem transparência e integridade. Gary é...

Criptomoeda do Facebook agora se chama Diem

O Facebook rebatizou a sua criptomoeda e a Libra agora se chama “Diem”. A mudança de nome tem como objetivo receber aprovação regulatória. Diem...

“Bitcoin deu Touro de Ouro”, aponta Pablo Spyer

O "tourinho" chegou ao mercado de criptomoedas, na visão do famoso analista Pablo Spyer, diretor da corretora Mirae. Na manhã desta terça-feira (1), ele...