FMI aponta CBDCs como solução para combater o Bitcoin e as criptomoedas

Ao promover o uso de uma moeda digital soberana, os bancos centrais podem exercer maior controle e supervisão sobre os sistemas monetários e financeiros, contribuindo assim para a estabilidade econômica e financeira.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) lançou um manual destinado a orientar governos na criação e implementação de Moedas Digitais de Bancos Centrais (CBDCs). O documento, dividido em cinco partes, serve como um guia de referência para formuladores de políticas em todo mundo.

No manual, o FMI enfatiza a necessidade de uma abordagem dinâmica na exploração das CBDCs, levando em consideração a rápida evolução do ambiente digital.

Ele delineia etapas cruciais, incluindo a definição clara de objetivos políticos, identificação e gerenciamento de riscos, avaliação da capacidade nacional para experimentação e implementação, e a importância da comunicação estratégica e do envolvimento com as partes interessadas.

O guia apresenta a ‘metodologia 5P’, um modelo projetado para auxiliar os bancos centrais na exploração e desenvolvimento de CBDCs. A abordagem abrange desde a pesquisa inicial até o potencial lançamento, enfatizando a importância da preparação, prova de conceito, prototipagem, teste piloto e produção.

A metodologia 5P é baseada em experiências globais e incorpora as melhores práticas de diversas indústrias.

CBDCs podem combater as criptomoedas

De acordo com o FMI, as CBDCs possuem potencial para transformar a transmissão da política monetária, um elemento crucial para o funcionamento de uma economia, influenciando variáveis econômicas fundamentais como investimento, consumo, inflação e emprego​​.

Algumas nações veem nas CBDCs uma oportunidade para aumentar a eficácia da política monetária, modernizar o sistema financeiro e reduzir custos de transferências monetárias pessoais. Contudo, também existe a preocupação de que as CBDCs possam enfraquecer a transmissão da política monetária​​.

As CBDCs, ao serem disponibilizadas ao público geral, poderiam intensificar a concorrência por financiamento de depósitos, aumentar a parcela de financiamento grossista dos bancos e diminuir os lucros bancários.

Além disso, diz o FMI, as CBDCs têm o potencial de promover a inclusão financeira e reduzir a dolarização ou ‘criptografização’, ou seja, o uso de criptomoedas.

Seguindo, o FMI afirma que o impacto da desdolarização ou descriptografização nas condições financeiras é ambíguo​​. Portanto, os bancos centrais devem monitorar atentamente os efeitos da emissão de CBDCs no ambiente macroeconômico para manter o equilíbrio desejado das condições financeiras​​.

Descriptografização

O conceito de “descriptografização”, conforme destacado pelo FMI, refere-se ao processo de reduzir a adoção das criptomoedas em favor de uma moeda digital emitida por um banco central.

Como todas as tentativas de banir criptomoedas falharam em todo o mundo, o FMI acredita que as CBDCs, ao serem introduzidas, oferecem uma alternativa ‘mais segura e eficiente’ aos meios de pagamento tradicionais e às criptomoedas.

No contexto de economias dolarizadas ou euroizadas, ou aquelas onde as criptomoedas ganharam ampla adoção, a introdução de CBDCs poderia encorajar um uso maior da moeda local, especialmente em substituição a outras formas de dinheiro digital denominadas em moeda estrangeira ou ativos digitais.

Essa mudança para o uso de CBDCs em detrimento de criptomoedas ou moedas estrangeiras digitais é um aspecto central da descriptografização. Ao promover o uso de uma moeda digital soberana, os bancos centrais podem exercer maior controle e supervisão sobre os sistemas monetários e financeiros, contribuindo assim para a estabilidade econômica e financeira.

O FMI afirma que a ‘descriptografização’ através das CBDCs pode ter um impacto ambíguo nas condições financeiras. Por um lado, ela pode levar a uma maior estabilidade monetária e reduzir a volatilidade associada aos criptoativos. Por outro lado, pode haver desafios relacionados à aceitação e integração dessas novas moedas digitais no sistema financeiro existente.

O equilíbrio entre manter as características desejáveis de criptomoedas, como a eficiência e inovação, e superar seus desafios, como a volatilidade e riscos regulatórios, será crucial no processo.

Em suma, a descriptografização apontada pelo FMI representa mais uma tentativa significativa dos bancos centrais e autoridades monetárias de responder à rápida digitalização do dinheiro e aos desafios impostos pela crescente popularidade das criptomoedas.

O FMI planeja adicionar cerca de cinco capítulos ao manual a cada ano, com o objetivo de fornecer aproximadamente vinte capítulos até 2026. Os capítulos serão atualizados periodicamente para refletir mudanças nas perspectivas e desenvolvimentos na área de CBDCs.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na maior corretora de criptomoedas do mundo e ganhe até 100 USDT em cashback. Acesse Binance.com

Entre no nosso grupo exclusivo do WhatsApp | Siga também no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Vinicius Golveia
Vinicius Golveia
Formado em sistema da informação pela PUC-RJ e Pós-graduado em Jornalismo Digital. Conhece o Bitcoin desde 2014, atuando como desenvolvedor de blockchain em diversas empresas. Atualmente escreve para o Livecoins sobre assuntos de criptomoedas. Gosta de cultura POP / Geek. Se não estiver escrevendo notícias relevantes, provavelmente está assistindo alguma série.

Últimas notícias