Maior companhia de telecomunicações da Tailândia vai minerar Bitcoin

O executivo da JTS afirmou que já está estudando o Bitcoin há algum tempo, mas não informou se a empresa planeja investir na moeda ou mesmo aceita-la como meio de pagamento.

Empresário observando a rede Bitcoin na cidade
Empresário observando a rede Bitcoin na cidade

Uma das maiores empresas de telecomunicações da Tailândia vai minerar Bitcoin e pretende ser uma referência na Ásia neste setor.

A Jasmine Telecom Systems (JTS) é uma empresa subsidiária Jasmine International (JAS), fundada em 1996. Com várias empresas no grupo, ela é considerada a maior operação de telecomunicação da Tailândia, país do sudeste asiático com cerca de 70 milhões de habitantes.

Com essa nova operação, a JTS planeja até se tornar a maior mineradora de Bitcoin da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), que conta com a participação de dez países.

Companhia aberta de telecomunicações na Tailândia vai minerar Bitcoin

No terceiro trimestre de 2021, a JTS já planeja iniciar sua atividade de mineração de Bitcoin com 500 máquinas.

A intenção da empresa, listada na Bolsa de Valores da Tailândia (SET), é aumentar essa operação em dez vezes até 2022, quando outras 5 mil máquinas de mineração de Bitcoin devem ser ligadas em sua infraestrutura, conforme o Bitcoin Magazine.

O foco na operação de Bitcoin surgiu como uma oportunidade após a China desligar fazendas de mineração do país e começar uma caça aos mineradores, levando muitas instalações a migrar de país, em um movimento que pode ser considerado a maior migração de infraestrutura da história da criptomoeda até hoje.

O vice-presidente da JTS, Dusit Srisangaoran, chegou a comentar que o momento é promissor para a entrada na mineração de Bitcoin, que já não tem mais a concorrência da China no mercado.

“Agora é um bom momento para a JTS investir na mineração de Bitcoin, devido à sua ampla adoção e ao incidente na China que causou o hashrate cair para um mínimo de oito meses”.

Plano é ter 50 mil máquinas de minerar Bitcoin até o próximo halving

No ano de 2020, o Bitcoin teve a sua produção de moedas cortada pela metade, um evento conhecido como “halving” e que controla a inflação a cada 210 mil blocos encontrados na rede.

Desse modo, a quantidade de moedas emitidas por bloco passou a ser de 6,25 BTC, com uma inflação estimada de 1,77% ao ano agora. A previsão é que o próximo halving ocorra em 2024, considerando a média de geração de blocos em 10 minutos.

Quando o próximo corte de emissão de Bitcoin chegar no mercado, a JTS quer ter 50 mil máquinas ligadas na rede, uma expansão de 100 vezes para o que está programado para 2022.

Com um maquinário dessa magnitude, a empresa poderia ter um poder de 5 exahashes, capaz de produzir cerca de 16 mil Bitcoins por ano, algo que hoje equivale a R$ 3,2 bilhões.

O executivo da JTS afirmou que já está estudando o Bitcoin há algum tempo, mas não informou se a empresa planeja investir na moeda ou mesmo aceita-la como meio de pagamento.

Mesmo assim, a maior companhia de telecomunicações de um país asiático já faz um grande movimento em relação ao Bitcoin, que pode inspirar outras empresas do setor pelo mundo.

Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br.



Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

Últimas notícias