Golpista clona cartão de crédito de médico e compra R$ 70 mil em criptomoedas

O Banco do Brasil disse que não foi culpado pelo episódio

-

Siga no
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Anúncio

Um golpista teria clonado o cartão de crédito de um médico de Salvador (BA) para comprar criptomoedas no exterior, segundo processo ao qual a reportagem do Livecoins teve acesso. O valor gasto com a aquisição dos bitcoins foi de cerca de R$ 70 mil.

Ao perceber a suposta fraude, a vítima teria entrado em contato com o Banco do Brasil, onde é correntista, pedindo ressarcimento do valor. A instituição bancária, após análise do caso, teria devolvido a grana.

Apesar da resolução, o médico moveu ação contra o banco pedindo indenização por danos morais para “atenuar os constrangimentos e sofrimentos experimentados por conta da omissão da instituição bancária”.

Anúncio

A Justiça ficou do lado da vítima. A decisão foi publicada no Diário de Justiça da Bahia nesta quarta-feira (1). Como o caso é de primeira instância, ainda cabe recurso.

Entenda a história

De acordo com a petição inicial, o correntista do Banco Brasil tem três cartões de crédito. Juntos, eles somam limite de R$ 100 mil.

Em maio, ao tentar fazer uma compra em um supermercado, o médico disse que foi surpreendido com a informação de que seu limite máximo de crédito havia sido extrapolado.

O correntista do Banco do Brasil teria, então, ligado para o gerente de sua conta para entender o que tinha ocorrido.

O funcionário da instituição bancária teria informado que alguém havia solicitado via internet um cartão adicional dele e que algumas compras teriam sido feitas.

As compras, que somaram cerca de R$ 70 mil, teriam sido feitas nos sites das exchanges Bitlish e da Criptopay, ambas sediadas no Reino Unido.

Banco confirmou fraude, mas devolveu dinheiro em parcelas

O banco, após reconhecer a falha, devolveu o dinheiro da vítima em quatro parcelas. Elas foram depositadas na conta do correntista entre junho e setembro do ano passado.

Apesar do pagamento, nos autos do processo o Banco do Brasil disse que não foi culpado pelo episódio, pois o cartão adicional foi pedido por um terceiro, mediante possível fraude.

A instituição bancária também informou que o “autor é responsável, vez que não observou a responsabilidade de guarda em segurança de seus documentos pessoais e senhas”.

Disse também que “os valores foram devidamente estornados, o que afastaria a obrigação de indenizar”.

Informou ainda que “não houve bloqueio dos cartões ou da conta corrente do autor, o que também afastaria o pleito de indenização por danos extrapatrimoniais”.

Por fim, falou que a indenização por danos morais não se sustentaria “pela ausência de prova do alegado”.

O que diz a Justiça?

Na decisão de primeiro instância favorável ao médico, a juíza Daniela Guimarães Andrade Gonzaga reconheceu a culpa do banco e confirmou a necessidade de pagar uma indenização ao correntista.

“Há de se reconhecer e declarar a ocorrência dos danos morais, onde percebe-se o desfalque dos valores pertencentes ao autor, bem como os demais constrangimentos que suportou no período”.

A juíza disse também que o banco, apesar de afirmar que o médico foi responsável pela falha, não conseguiu “comprovar minimamente as alegações”.

O valor estipulado para os danos morais foi de R$ 7 mil.

“Do exposto, além do mais que dos autos consta, JULGO PROCEDENTE O PEDIDO, para condenar o banco réu na quantia de R$ 7.000,00 (sete mil reais), a título de danos morais ao requerente, a ser acrescida de correção monetária com base no INPC a partir desta data (Súmula 362 STJ), com incidência de juros de 1% ao mês a partir da citação, ao tempo que extingo o processo com resolução do mérito, na forma do Art. 487, I, do CPC”, diz trecho da decisão.

Siga o Livecoins no Google News para receber nossas notícias em tempo real.
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter.
Receba também no email se cadastrando em nossa Newsletter.
Lucas Marins
Lucas Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).
Carvão e tecnologia blockchain

Minas Gerais lança projeto blockchain para controle de carvão

O carvão é considerado um dos principais recursos naturais para obtenção de energia no mundo. Dessa forma, um dos estados que o produz no...

Investidores se confundem e compram criptomoeda errada que valoriza 500.000% com confusão

Recentemente o projeto Uniswap (UNI) tem ganhado muito a atenção dos investidores, principalmente após ter sido listado na Coinbase, a maior corretora de bitcoin...
Hacker segurando criptomoeda Bitcoin

Grupo de hackers atacavam gamers para roubar Bitcoin

Um grupo de hackers baseado na China atacavam vários gamers em um elaborado plano. As autoridades que investigavam o grupo aponta que há anos...

Últimas notícias

Investidores se confundem e compram criptomoeda errada que valoriza 500.000% com confusão

Recentemente o projeto Uniswap (UNI) tem ganhado muito a atenção dos investidores, principalmente após ter sido listado na Coinbase, a maior corretora de bitcoin...

Grupo de hackers atacavam gamers para roubar Bitcoin

Um grupo de hackers baseado na China atacavam vários gamers em um elaborado plano. As autoridades que investigavam o grupo aponta que há anos...

Doações de Bitcoin começam a chegar para combater queimadas no Pantanal

Algumas doações em Bitcoin começam a chegar para apoiar o combate às queimadas no Pantanal. O dinheiro está sendo arrecadado em uma campanha pela...