Governo Bolsonaro fez propaganda em sites que ofertam investimentos ilegais, diz CPMI

No período analisado, o governo federal divulgava uma campanha sobre a Reforma da Previdência.

-

Siga no
Presidente Jair Bolsonaro participa da Cerimônia de Comemoração ao Dia Internacional do Voluntariado.
Anúncio

Levantamento da CPMI das Fake News divulgado na noite de terça-feira (2) pelo jornal O Globo apontou que o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) divulgou cerca de 2 milhões de anúncios em 843 sites de natureza duvidosa.

Sete dos portais que receberam propaganda do executivo federal oferecem investimentos ilegais. Os nomes dos sites e empresas e os tipos de investimentos disponibilizados não foram citados na reportagem.

Ofertas ilegais, segundo a CVM (Comissão de Valores Mobiliários), são pirâmides financeiras, esquemas “ponzi”, mercado Forex e oferecimento de investimentos em criptomoedas sem autorização da autarquia, que é responsável por regular o mercado de capitais.

Anúncio

Um dos golpes recentes envolvendo o mercado Forex foi o promovido pela Unick Forex, que movimentou R$ 29 bilhões de forma ilegal. Já uma suposta pirâmide financeira de criptomoedas é a GenBit, que está sendo investigada pela Polícia Civil e pelo Ministério Público por causa de um golpe de cerca de R$ 1 bilhão.

Anúncios foram feitos por meio de plataformas do Google

De acordo com o relatório, que foi obtido por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI), os anúncios foram feitos entre 6 de junho e 13 de julho de 2019 pela Secom (Secretária Especial de Comunicação Social da Presidência da República).

No período analisado, o governo federal divulgava uma campanha sobre a Reforma da Previdência.

Essas propagandas, ainda segundo o relatório da comissão, foram feitas por meio das plataformas AdSense e AdWords, do Google. Ambas são programas de publicidade que permitem a divulgação de anúncios em sites escolhidos ou no próprio buscador, por meio de links patrocinados.

Sites pornôs e de jogos de azar receberam anúncios

Além de sites que oferecem investimentos ilegais, o documento da CPMI apontou que o governo federal gastou verba pública com anúncios em quatro sites pornográficos e 12 portais focados em jogos de azar.

Outros 47 portais de fake news também receberam anúncios pagos com dinheiro do contribuinte. Alguns dos beneficiados foram os seguintes: “Sempre Questione”, “Jornal 21 Brasil”, “Jornal da Cidade Online”, “Diário do Brasil”, “Imprensa Viva”, “Gospel Prime”, “Diário do Centro do Mundo” e “Revista Fórum”.

Youtubers como o blogueiro Allan dos Santos, dono do canal “Terça Livre TV”, também figuram na lista do governo federal. Outros canais usados para promover o nome do presidente Bolsonaro, como o “Top Bolsonaro Wallpapers”, também foram citados.

Veiculação em sites que promovem presidente podem ferir a Constituição

De acordo com a colunista do UOL Constança Rezende, que também teve acesso ao relatório, os parlamentares da comissão disseram que divulgar publicidade em canais ou sites que promovem o nome de Bolsonaro pode ferir o § 1º do art. 37 da Constituição Federal.

Isso porque, diz o documento citado pela jornalista, ao promover o presidente com dinheiro público “abre-se a possibilidade de se interpretar tal fato como utilização da publicidade oficial para promoção pessoal, conduta vedada pela Carta Magna”.

Siga o Livecoins no Google News para receber nossas notícias em tempo real.
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter.
Receba também no email se cadastrando em nossa Newsletter.
Lucas Marins
Lucas Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).

Leia mais

Verificador de saldo de endereços bitcoin

Verifique o Saldo de Endereços Bitcoin

O Verificador de Saldo de Endereços Bitcoin já está disponível. Desenvolvido no Brasil, o aplicativo permite verificar facilmente o saldo de diversos endereços bitcoin...
ONU (Nações Unidas, Blockchain e Bitcoin)

USP participou na ONU de Blockchain Central UNGA

O estado de São Paulo foi representado na 75.ª Assembleia Geral da ONU na última semana, e com a participação da USP em um...
Hacker. Imagem: Cortesia Pixabay

Corretora de criptomoedas perde R$ 1 bilhão após ser hackeada

A KuCoin, uma das maiores corretoras de criptomoedas do mundo perdeu US $ 200 milhões (R$ 1.1 bi) após ser hackeada. O ataque aconteceu...

Últimas notícias

USP participou na ONU de Blockchain Central UNGA

O estado de São Paulo foi representado na 75.ª Assembleia Geral da ONU na última semana, e com a participação da USP em um...

Corretora de criptomoedas perde R$ 1 bilhão após ser hackeada

A KuCoin, uma das maiores corretoras de criptomoedas do mundo perdeu US $ 200 milhões (R$ 1.1 bi) após ser hackeada. O ataque aconteceu...

Grande banco dos EUA é acusado de participação em golpe com criptomoedas

O esquema de pirâmide OneCoin foi o maior esquema ponzi recente, sumindo com bilhões de clientes, levando a prisões e até mesmo a uma...