PF prende criminosos que cobravam em criptomoedas por aprovação em concursos

Siga no
Carro de Polícia
Carro de Polícia

A Polícia Federal realizou nesta terça (4/6) a prisão de membros de uma quadrilha que roubava e vendia dados de cartões de crédito. Especializada em crimes cibernéticos, a quadrilha também vendia aprovação em concursos públicos, recebendo dos candidatos em criptomoedas.

Nomeada de “Operação Singular”, a investigação, segundo nota divulgada pela PF, descobriu tratar-se de uma quadrilha com atuação nacional, composta por diversas pessoas, porém com sete líderes identificados. As negociações dos crimes, segundo a nota, ocorriam na deep web, ou seja, em sites que não são identificados nos mecanismos de busca tradicionais como Google e Bing, nem referenciados na área pública da internet.

Para desbaratar a quadrilha, os policiais cumpriram 5 mandados de busca e apreensão e mais 5 de prisão preventiva, nos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul e Ceará. Um dos investigados não foi localizado e permanece foragido. Composta por vários hackers, a quadrilha tinha como principal ação o roubo de dados de cartões de crédito e revenda desses dados.

A PF informou ainda que a quadrilha invadiu o sistema de uma grande empresa de realização de concursos e, graças a isso, vendia a aprovação de candidatos nas provas. Além disso, os criminosos recebiam pelas aprovações por meio de transferências de criptomoedas.

De acordo com o site de notícias G1, a prova em questão era nada menos que o Exame de Ordem, da OAB. Segundo o site, a aprovação era vendida para candidatos que já houvessem passado na primeira fase do exame. Após isso, o hacker mudava a nota do candidato na segunda fase, colocando-o como aprovado. Como a empresa que realiza os concursos da OAB é a Fundação Getúlio Vargas, é possível concluir que esta foi o alvo dos criminosos.

Em sua nota, a Polícia Federal lembra que o crime de “formação de organização criminosa” estabelece pena de 3 a 8 anos de prisão; o furto de cartões, 2 a 8 anos; e o hackeamento de sistemas, chamado na lei de “invasão de dispositivo informático”, prevê pena de 1 a 4 anos.

Leia mais sobre:
Avatar
Sui Teixeira
Sui Teixeira é jornalista desde 2001, formada pela USP. Trabalha ainda como produtora de jingles, é programadora amadora e entusiasta de ciência e tecnologia.

“5000 bitcoins grátis”, Zangado tem canal hackeado com golpe de bitcoin

O Zangado, um dos maiores youtubers do Brasil e um dos mais icônicos criadores de conteúdo para o público gamer acabou de ter o...

Líderes de golpe com bitcoin são condenados a 11 anos de prisão

Os líderes de um dos maiores golpes com bicoin da história foram julgados e considerados culpados por fraudar milhares de investidores em 14,8 bilhões...
No futuro você se arrependerá amargamente de ter escrito isso

“Você se arrependerá por escrever isso”, Daniel Fraga em 2013 sobre quem zombava do...

Quem comprou bitcoins antes de 2015 provavelmente está bem contente hoje (caso tenha mantido a moeda). Mas você sabia que tem muita gente que...

Últimas notícias

Líderes de golpe com bitcoin são condenados a 11 anos de prisão

Os líderes de um dos maiores golpes com bicoin da história foram julgados e considerados culpados por fraudar milhares de investidores em 14,8 bilhões...

“Você se arrependerá por escrever isso”, Daniel Fraga em 2013 sobre quem zombava do bitcoin

Quem comprou bitcoins antes de 2015 provavelmente está bem contente hoje (caso tenha mantido a moeda). Mas você sabia que tem muita gente que...

Agora é possível fazer saque de criptomoedas em Banco24Horas

Agora é possível realizar saques de criptomoedas em caixas eletrônicos. A ação é resultado de parceria do Banco Capitual com a TecBan, que agora...