Inflação sobe forte em dezembro e ano fecha com 4,23%

Com alta de alimentos e transporte, muitos brasileiros sentiram no bolso o ano de 2020. Ativos de reserva de valor dispararam no ano.

Siga no
Nota de Real brasileiro com gráfico de valores, inflação em 2020 subiu forte
Nota de Real brasileiro com gráfico de valores

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou o balanço da inflação oficial do Brasil na última terça-feira (22). De acordo com os dados, a inflação subiu forte no mês de dezembro, com o ano fechando em 4,23%.

O forte movimento no mês foi impulsionado principalmente pelo setor de Alimentação e Bebidas. O setor fechou o ano com inflação de 14,23%, segundo dados do IBGE. Só no mês de dezembro, a inflação de alimentos e bebidas foi de 2%, com destaques da alta da carne (5,53%), arroz (4,96%) e frutas (3,62%).

Outro setor que explodiu em inflação neste final de ano foi o de habitação. A alta foi de 1,50% foi impulsionada pelo aumento da energia elétrica, que subiu 4,08%. Em algumas capitais brasileiras, o reajuste em água e esgoto também influenciou o aumento da inflação de habitação.

A terceira maior inflação de dezembro foi no setor de transporte, com alta de 1,43%. O setor certamente sentiu o aumento puxado pela alta das passagens aéreas, que ficou em 28,31% no mês. Como o preço da gasolina e etanol também subiu, a inflação acumulado de 1 meses do setor fecha em 1,36%.

Inflação subiu forte em dezembro e fecha o ano de 2020 em 4,23%, capitais do nordeste foram mais abaladas

Por inflação, entende-se em economia que o preço de um produto ou serviço foi aumentado. Ou seja, em determinado período, o dinheiro que comprava uma quantidade de itens agora pode comprar menos.

E o balanço do IBGE em relação ao IPCA-15 não foi nada animador em 2020. Às três principais capitais a sentir o abalo da inflação em 2020 foram Fortaleza (5,79%), Recife (5,06%) e Belo Horizonte (4,69%).

Com o fechamento da inflação medida pelo IPCA-15 em 4,23%, os brasileiros começam a sentir o efeito da inflação. Em 2019, por exemplo, o indicador havia fechado o ano em 1,05%.

Para investidores do mercado, o momento pode ser ideal para buscar ativos que ajudem na proteção contra inflação. O Bitcoin tem sido apontado por alguns como uma opção vantajosa contra a inflação na Argentina.

No Brasil, com o preço do Bitcoin fechando com valorização de 320% em relação ao Real brasileiro, apurada desde janeiro de 2020, o ativo também poderia ser uma opção a mais para quem acredita nessa tecnologia.

Ativos como ouro e prata, além de ações de empresas com bons fundamentos poderiam também ser opções. Cabe o destaque que, com alta da alimentação e bebidas, até um estoque de comida pode ser uma boa reserva de valor.

De qualquer forma, os brasileiros devem se atentar para o assunto, pois com a pandemia ainda em perspectiva, a inflação ainda pode causar impactos complicados em orçamentos familiares.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

Partido Comunista de Cuba inclui Bitcoin em suas diretrizes econômicas

De acordo com o mais recente anúncio da alta direção do Partido Comunista de Cuba (PCC), o Bitcoin vai passar a ser um dos...

Edir Macedo publica vídeo associando Bitcoin com satanás

O líder da Igreja Universal, Edir Macedo, publicou um vídeo onde associa o Bitcoin com a marca da besta. De acordo com o vídeo divulgado...

Coluna do TradingView: Ethereum surpreende com teste na ATH

Após correção de mais de 20% na semana passada, Ethereum reage rapidamente chegando a ensaiar rompimento do topo histórico. Confira o que os analistas...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias