JPMorgan poderá processar pagamentos com criptomoedas no Brasil

Grande banco dos Estados Unidos obteve registro de marca junto ao INPI, conforme publicação no Diário Oficial.

Siga no
Pagamento com criptomoedas Bitcoin, Litecoin e Ethereum
Mão segurando carteira com criptomoedas e cartão de crédito para pagamentos

O banco americano JPMorgan poderá processar pagamentos com criptomoedas no Brasil, após o registro de sua marca ser aprovada junto ao INPI. A publicação foi feita na Revista de Propriedade Industrial (RPI) nesta terça-feira (18).

O processo começou em outubro de 2020, quando o banco, que é representado pelo escritório Kasznar Leonardo Advogados, havia feito pedido de registro de marca no Brasil.

Até a “JPMorgan Wallet” havia sido destaque no pedido, indicando que o banco possui uma carteira de ‘criptoativos’ própria.

Nos Estados Unidos, o banco é uma das instituições financeiras mais tradicionais e tem mostrado ser favorável ao Bitcoin e demais criptomoedas nos últimos tempos.

A exchange Coinbase, por exemplo, abriu conta no JPMorgan em 2020, fato que pode ter ajudado em seu processo de IPO recente. No Brasil, se especula que o banco dos Estados Unidos estaria por trás de um eventual lançamento de ações da corretora Mercado Bitcoin.

JPMorgan obtém registro de marca e poderá processar pagamentos com criptomoedas no Brasil

De acordo com a Revista de Propriedade Intelectual, o banco JPMorgan está autorizado a utilizar a marca no Brasil. A informação foi publicada na Revista n.º 2628 nesta terça-feira (18).

No pedido consta a solicitação de o banco processar pagamentos no Brasil, principalmente digitais. Transações com moedas virtuais, no câmbio inclusive, cartões de crédito, seriam algumas das opções.

Chama atenção que o INPI liberou o JPMorgan até de processar pagamentos com criptomoedas no Brasil. Ou seja, caso o banco queira oferecer este serviço aos brasileiros, estaria com seu registro de marca funcional a partir de hoje.

“Processamento de pagamentos com criptomoedas”, defere INPI sobre registro de marca do JPMorgan.

CEO do banco ainda é crítico do Bitcoin, mas não impediu instituição de abrir portas para mercado de criptomoedas

O JPMorgan tem ajudado instituições pelo mundo que trabalham com criptomoedas, chegando agora a uma possível atuação neste setor também no Brasil.

No entanto, o CEO do JPMorgan, Jamie Dixon, é um dos maiores críticos do Bitcoin no mundo. Ele já chamou a criptomoeda de bolha, de tulipa e falou que a criptomoeda não tem fundamentos.

De qualquer forma, a instituição que ele comanda se envolve cada vez mais com o setor alvo de suas críticas, por mais estranho que isso possa parecer.

O JPMorgan também está preparando um fundo de investimentos em Bitcoin, que será oferecido para alguns de seus clientes.

A nova postura do banco, que pelo visto é mundial, coloca o JPMorgan como uma instituição parceira das criptomoedas.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.
Gráfico de preço da Cardano em alta

Cardano líder em número de desenvolvedores? Não caia nessa!

Um estudo de atividades no GitHub, principal repositório do código-fonte das criptomoedas, mostrou a Cardano na liderança nos últimos 12 meses. Os dados foram...

DeFi: três setores de grande potencial

De acordo com dados da Messari, o volume trimestral das Corretoras Descentralizadas (DEXs) no final do segundo trimestre de 2021 foi de R$ 2...
Criptomoeda Tether com sinais vermelhos

Michael Burry faz alerta sobre criptomoeda Tether

O lendário trader Michael Burry compartilhou em seu Twitter que a criptomoeda Tether pode estar no meio da confusão da Evergrande na China. Vale notar...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias