Justiça estadual deve analisar se irmã de traficante do PCC lavava dinheiro do tráfico com Bitcoin, diz STJ

Siga no
criptomoedas pcc
Fachada do edifício sede do Superior Tribunal de Justiça (STJ)

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) decidiu na segunda-feira (28) que a Justiça estadual deve analisar se a irmã de um traficante ligado ao PCC (Primeiro Comando da Capital) lavava dinheiro do tráfico de drogas com criptomoedas.

O suposto crime foi apontado em inquérito aberto pela Polícia Civil de Campinas (SP). A investigação, após finalizada, foi enviada para a Justiça. O julgamento do caso, no entanto, gerou um embate jurídico entre os juízos estaduais e federais.

A Justiça estadual de São Paulo, ao receber o processo, alegou que a competência seria da esfera federal. A Justiça federal, por sua vez, declinou e reenviou o processo para o juízo estadual.

A disputa jurídica, muito comum em casos de supostos crimes contra o sistema financeiro nacional e contra a economia popular, foi parar no STJ (Superior Tribunal de Justiça). É o órgão que deve decidir quando há conflitos entre órgãos jurídicos.

O que disse a Justiça?

Em decisão publicada no Diário Oficial de Justiça, o ministro Felix Fischer, do STJ, decidiu que o crime deve retomar para a Justiça Estadual. De acordo com o magistrado, a suposta infração praticada tem indícios de crime contra economia popular (pirâmide financeira).

Segundo os autos, a irmã do traficante do PCC abriu empresa para captar dinheiro e supostamente investir em bitcoin e outros ativos. A prática visava ocultar dinheiro da venda de drogas. Não há outras informações sobre o caso na decisão.

O ministro citou ainda que, conforme a súmula 498 do STF (Supremo Tribunal Federal), “compete à Justiça dos Estados, em ambas as instâncias, o processo e o julgamento dos crimes contra a economia popular”.

Ainda segundo o magistrado, para que um crime possa ser julgado pela Justiça federal, é necessário haver evidências de prejuízo a bens, serviços ou interesse da União. No caso da irmã do traficante, no entanto, não há indicativos.

“Inexistindo indícios, por ora, da prática de crime de competência federal, o procedimento inquisitivo deve prosseguir na Justiça estadual, a fim de que se investigue a prática de outros ilícitos, inclusive estelionato e crime contra a economia popular”, disse.

Justiça também verifica se PCC usava suposta pirâmide

Vale lembrar que não é a única investigação em curso envolvendo a quadrilha e o uso de ativos digitais. Em agosto, a Polícia Civil de São Paulo apontou que o PCC estaria usando uma exchange de criptomoedas para lavar dinheiro.

A corretora utilizada pela facção, de acordo com a polícia, fica em Santos (SP) e está em processo de recuperação judicial. Além disso, ainda segundo as autoridades, a empresa tem uma dívida de cerca de cerca R$ 300 milhões.

Na época, o nome da exchange não foi citado. No Brasil, no entanto, há apenas duas empresas de criptmoedas em recuperação judicial. Uma delas, a BWA Brasil, se enquadra nas características apontadas pela polícia.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Lucas Gabriel Marins
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).

Governo Biden vê ameaça potencial do Yuan digital da China

O governo dos Estados Unidos está monitorando o desenvolvimento da moeda digital da China, o Yuan digital. A equipe de Biden está preocupada com...

“ETFs de Bitcoin podem revolucionar o mercado” diz Wall Street Journal

O Bitcoin já dobrou de preço em 2021, com um crescimento que viu o preço sair da casa dos US $ 29 mil para...
Imagem: MicroStrategy Youtube

Diretores da MicroStrategy agora serão pagos em Bitcoin

A MicroStrategy, empresa de análise de negócios que desde meados de 2020 vem investindo em Bitcoin, anunciou na manhã desta segunda-feira (12) que o...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias