Justiça libera PF para vender bitcoins apreendidos; valores podem chegar a 4 mil BTCs

Siga no
Estátua da Justiça, processo
Estátua da Justiça

Em decisão inédita, a Justiça brasileira permitiu que a Polícia Federal venda bitcoins apreendidos durante operação policial.

Os recursos, que podem chegar a 4 mil BTCs, foram obtidos em maio passado, durante ação da operação Madoff, realizada contra a Trader Group, empresa com sede no Espírito Santo e investigada como um esquema ponzi, um tipo específico de pirâmide financeira.

A possibilidade de vender os bitcoins foi solicitada pela PF e deferida pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), em decisão publicada no Diário da Justiça nesta quarta, 25 de setembro de 2019.

Em seu despacho, o juiz Victor Yuri Ivanov dos Santos Farina, que assina a decisão, argumenta que:

“O Ministério Público Federal não se opôs ao pedido (Evento 232). De minha parte, não vejo óbice na transformação do ativo apreendido em pecúnia, pois, como bem pontuou o MPF, diante da volatilidade apresentada por esse tipo de investimento, a medida mostra-se útil para resguardar o bem bloqueado.”

Em seguida, o juiz solicita que o recurso obtido com a venda seja colocado na mesma conta já aberta para depositar os valores obtidos na apreensão: “o montante obtido com a operação deverá ser ali depositado, juntando-se o comprovante aos autos, no prazo de cinco dias”, determina o magistrado.

Segredo de justiça

Deflagrada em 15 de maio de 2019, a operação Madoff realizou 5 mandados de busca, no Espírito Santo, Mato Grosso do Sul e Acre, mobilizando 43 policiais.

Curiosamente, em seus comunicados, a Polícia Federal se negava a dar o nome da empresa, pois o processo corria “em segredo de justiça”. Infelizmente para os donos da empresa, uma das determinações da Justiça era que o site da companhia fosse tirado do ar. Assim foi que, no dia seguinte, ao acessar o site da Trader Group, lia-se:

“Conteúdo removido por ordem judicial, Ref. IPL 0493/2018/DPF/SR/ES. Entrar em contato com Polícia Federal e Ministério Público Federal”.

Segredo ou não, a Polícia Federal apreendeu nas diligências quatro automóveis, sendo um BMW, um Mercedes, um Honda Civic e uma Chevrolet Blazer, além de 2,8 BTCs. Teria sido encontrada ainda uma chave contendo 4 mil bitcoins, porém até o momento a PF não divulgou se conseguiu saber se os valores pertenciam aos donos da empresa.

Confira, abaixo, a íntegra da decisão:

DESPACHO/DECISÃO

Em requerimento juntado no Evento 224, a Polícia Federal solicitou autorização para converter as criptomoedas apreendidas (bitcoins) em moeda corrente nacional (Real), depositando o produto da operação em conta judicial.

O Ministério Público Federal não se opôs ao pedido (Evento 232).

De minha parte, não vejo óbice na transformação do ativo apreendido em pecúnia, pois, como bem pontuou o MPF, diante da volatilidade apresentada por esse tipo de investimento, a medida mostra-se útil para resguardar o bem bloqueado.

Ademais, a existência de diversos pedidos de restituição de valores e reserva de crédito apresentados pelos investidores a quem interessaria eventual manutenção da natureza atual do ativo revela que minha preocupação, outrora externada, com a prevalência da vontade dos clientes do empreendimento se dissipou em pertinência.

Defiro, pois, o pedido.

Caberá ao Delegado de Polícia Federal responsável pelas investigações adotar as providências necessárias à conversão das criptomoedas em reais, com as cautelas que o caso requer, realizando junto às exchanges os procedimentos pertinentes.

Tendo em vista que a conta n. 013.825-6, Ag. 0829, da Caixa Econômica Federal, foi aberta para acolher valores angariados de Wesley Binz Oliveira (Eventos 112 e 123), o montante obtido com a operação deverá ser ali depositado, juntando-se o comprovante aos autos, no prazo de cinco dias.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Sui Teixeira
Sui Teixeira é jornalista desde 2001, formada pela USP. Trabalha ainda como produtora de jingles, é programadora amadora e entusiasta de ciência e tecnologia.
Deputado Estadual Gustavo Gouveia, em Pernambuco regular criptomoedas

Mais um estado brasileiro quer regular as criptomoedas com Projeto de Lei

Após um PL ser apresentado na Paraíba, mais um estado brasileiro quer regular as empresas de criptomoedas para prestar informações. Nos últimos dias, a Assembleia...
Jack Dorsey, CEO do Twitter e fã do Bitcoin

Empresa de CEO do Twitter quer minerar Bitcoin

A Square, empresa de Jack Dorsey listada na NYSE, quer minerar Bitcoin como estratégia de negócio. A informação foi compartilhada por Dorsey em seu Twitter,...
Pedro-Bial-Hashdex

Pedro Bial testemunha o poder transformador das criptomoedas em campanha da Hashdex

A Hashdex surgiu para democratizar os investimentos em criptomoedas, oferecendo produtos seguros e regulados para todos os investidores. Atuando como ponte entre o mercado...
.

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias