Lucro dos mineradores de Bitcoin cai 50% após o halving

A diminuição da renda afeta principalmente as mineradoras mais fracas, que eventualmente precisam sair da rede. Enquanto isso, quem quer se manter no lucro é obrigado a utilizar equipamentos mais poderosos.

Siga no
Farm mineração bitcoin. Imagem: Marko Ahtisaari

O halving foi um momento muito importante para a rede do Bitcoin. Apesar de ele ter acontecido outras vezes (2012 e 2016), essa foi a primeira vez que o ecossistema estava em um momento tão particular, com atenção mainstream e em meio a uma crise econômica. Por isso, muitos estão de olho em como está a rede após o evento.

Inicialmente, uma das primeiras mudanças foi o preço, que subiu para a casa dos US$ 9.500 e adotou uma movimentação lateral desde então. Depois começamos a perceber mudanças nos fundamentais da rede.

Primeiro com o poder computacional caindo e agora, com a lucratividade da mineração caindo consideravelmente.

O halving do Bitcoin teve um grande impacto no lucro dos mineradores de Bitcoin. A renda total após o halving caiu para US$ 9 milhões por dia, bem diferente dos US$ 20.6 milhões por dia que o mercado apresentava antes do evento no dia 11.

Renda dos mineradores antes e após o halving.

Essa é uma queda de mais de 50% e é influenciada por dois principais pontos. Primeiro temos o fato que a mineração de cada bloco agora recompensa com apenas 6.25 BTC, e não mais 12.5. Além disso, pré-halving o preço da criptomoeda estava próximo dos US$ 10 mil.

A última vez que a renda de mineração do Bitcoin caiu tanto foi durante a última queda catastrófica do Bitcoin, em março. Na época, acompanhando a crise financeira global, o Bitcoin caiu para abaixo dos US$ 5 mil.

Durante esse período, a renda da mineração foi para a casa dos US$ 7 milhões, assim como o hashrate que foi para níveis abaixo de 80 EH/s.

Resultado esperado?

Apesar de um cenário aparentemente catastrófico já tinha sido previsto em diferentes pesquisas e análises, tanto em relação à queda da renda quanto a queda do poder computacional.

A diminuição da renda afeta principalmente as mineradoras mais fracas, que eventualmente precisam sair da rede. Enquanto isso, quem quer se manter no lucro é obrigado a utilizar equipamentos mais poderosos, o que em médio e longo prazo é benéfico para todo o ecossistema.

Enquanto isso, a rede se equilibra com o ajuste de dificuldade automático e que volta a trazer mais renda para aqueles se permanecerem fazendo parte da blockchain. Por enquanto não há sinais de alerta, mas nunca devemos abandonar a cautela

Existem níveis perigosos para o Bitcoin que podem causar uma queda, mesmo que temporária. Alguns especialistas afirmam que, se o preço do Bitcoin cair para US$ 8.500, mais de 30% da rede vai ter uma renda de 0 e provavelmente desligar suas máquinas.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Matheus Henrique
Fã do Bitcoin e defensor de um futuro descentralizado. Cursou Ciência da Computação, formado em Técnico de Computação e nunca deixou de acompanhar as novas tecnologias disponíveis no mercado. Interessado no Bitcoin, na blockchain e nos avanços da descentralização e seus casos de uso.
Vista do teatro AMC Empire em Manhattan cinema Bitcoin

“Paguem com qualquer criptomoeda, mas por favor, voltem aos cinemas”, diz maior rede de...

A rede de cinemas AMC, a maior do mundo no setor, já anunciou anteriormente que pretende aceitar Bitcoin na compra de ingressos para os...
Imagem de Dólar e Bitcoin fundos

Criador de Fundo de Hedge com Bitcoin é condenado a sete anos de prisão

O criador de dois fundos de hegde com Bitcoin, Virgil Sigma e do VQR, que operavam em Nova Iorque, foi condenado pela justiça dos...

“Bitcoin salvará as pessoas da cultura do cancelamento”, diz New York Times

James Poulos, um dos colunistas convidados do New York Times, publicou no famoso veículo de notícias um ensaio onde explica como o Bitcoin pode imunizar...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias