No quinto caso do ano, mais um minerador de bitcoin sortudo ganha R$ 1.2 milhão sozinho

Não existe absolutamente nada errado com a rede, como Kolivas explicou ao Bitcoin Magazine. 

Minerador de Ethereum (ETH) com sua rig
Minerador de Ethereum (ETH) com sua rig

Recentemente a mineração de Bitcoin tem apresentado uma tendência curiosa: A de mineradores solitários conseguindo minerar blocos sozinhos. Apesar de ser um assunto um pouco complicado, esse tipo de ocorrido é bastante raro e o fato de cinco casos terem acontecido em tão pouco tempo também é realmente muito curioso.

O fato foi notado por Con Kolivas, criador do site Solo CK Mining Pool, responsável por rastrear justamente esses casos onde mineradores solo conseguem a difícil tarefa de minerarem e confirmarem um bloco, recebendo também toda a recompensa pela atividade.

“Mais uma vez, parabéns para mais um minerador muito sortudo com apenas 13TH ao resolver o bloco 265º do Bitcoin.”, escreveu Kolivas.

O minerador faz parte do Solo CKPool, de Kolivas, um serviço que permite que mineradores solo possam minerar Bitcoin anonimamente. Recentemente um minerador também do CKPool conseguiu fazer a mesma proeza, mas neste quinto caso em um mês o minerador tinha cerca de 1.14 petahases, um poder de mineração considerado de uma baleia de mineração.

O minerador mais recente, o 5º do mês, tinha apenas 13TH, um número bem baixo para quando comparado a todo poder de mineraçã oda rede. De acordo com Kolivas existia apenas 2% de chances de algum dos mineradores da CK conseguir resolver um bloco no momento, o que torna estes mineradores bem sortudos.

“O minerador que resolveu o bloco tinha cerca de 1 em 100 mil chances de resolver um bloco por dia.”, disse Kolivas.

Por que um minerador solo de Bitcoin é tão impressionante?

Desde que a mineração de Bitcoin ganhou força por volta de 2015 essa atividade é dominada pelas pools de mineração, grandes fazendas com um poder computacional gigantesco, muitas vezes alimentando por ASICs. Com isso, os mineradores pequenos aos poucos foram retirados do setor.

É possível ver que os blocos minerados pelos mineradores solo da CKPool despencaram após 2015.

Dados com blocos minerados pelo CKPool desde 2014. Imagem: Henrique Kalashnikov

Para um minerador solo, em 2022, com toda a competição de fazendas gigantescas das pools de mineração, conseguir sair na frente da competição e conseguir minerar um bloco é algo muito difícil, quase improvável. Isso acontecer 5 vezes em questão de um mês é realmente algo que merece atenção.

Como os mineradores solos estão conseguindo adicionar blocos à rede?

Um fato curioso é que assim que as primeiras notícias dos mineradores solos começaram a surgir, muitos sites de notícia questionaram se a blockchain do Bitcoin possui algum exploit para que esses mineradores consigam tal fato.

Mas a verdade é que não existe absolutamente nada errado com a rede, como Kolivas explicou ao Bitcoin Magazine. 

“Pessoas acham que isso é impossível, que existe algo errado com o Bitcoin ou que a prova de trabalho está quebrada ou que há algum atalho escondido; Mas isso é completamente errado. Não existe nada errado com o Bitcoin quando isso acontece, é perfeitamente normal, apenas improvável.”, afirmou Kolivas.

O fato é que muita gente acredita que precisa ter um grande poder computacional para minerar um bloco. Na verdade não é necessário muito poder computacional para conseguir confirmar a criação de um bloco, apenas muita sorte.

Quanto mais hashrate, mais chances de conseguir acertar a questão para confirmar um novo bloco e vencer a mineração e menos “sorte” é necessária.

Sendo assim, o que esses mineradores solos mostram é que não há algo de errado com o Bitcoin, mas sim que a rede ainda é democrática e funciona exatamente como foi desenhada para funcionar.

Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br.



Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Matheus Henrique
Fã do Bitcoin e defensor de um futuro descentralizado. Cursou Ciência da Computação, formado em Técnico de Computação e nunca deixou de acompanhar as novas tecnologias disponíveis no mercado. Interessado no Bitcoin, na blockchain e nos avanços da descentralização e seus casos de uso.

Últimas notícias