Mercado Livre vai rastrear criptomoedas com ajuda da Mastercard

Parceria entre empresas foi anunciada nesta quarta, entenda como será a função.

Celular com imagem do Mercado Livre no bolso de calça
Celular com imagem do Mercado Livre no bolso de calça

O Mercado Livre fechou uma parceria com a Mastercard para rastrear criptomoedas, afirmando que a medida dará mais proteção aos clientes. A fintech argentina Mercado Pago, do mesmo grupo, comercializa Bitcoin e outras criptomoedas desde 2021.

Desde que essa adoção começou pela empresa, uma opção de compra e venda de criptomoedas foi habilitada no aplicativo, na seção de investimentos. Os clientes do Mercado Livre podem comprar a partir de R$ 1,00 em moedas digitais, com a custódia sendo realizada apenas na própria aplicação.

Para viabilizar o início dessa operação, a Paxos, empresa regulada nos Estados Unidos, ajudou o Mercado Livre. É importante lembrar que depósitos e saques de criptomoedas ainda não são permitidos pela empresa, nem compras com Bitcoin.

Mercado Livre fecha parceria com a Mastercard para rastrear criptomoedas

Após lançar seu programa de criptomoedas no Brasil, o Mercado Livre agora irá ampliar o projeto com ajuda da Mastercard, companhia parceira há alguns anos.

Como a Mastercard comprou a empresa CipherTrace, de rastreio de criptomoedas, ambas as empresas unirão seus esforços para garantir que a operação cripto do Mercado Pago não tenha problema.

Com o rastreio das criptomoedas investigações policiais podem ser melhor realizadas, assim como a prevenção de problemas, melhorando o risco e conformidade da operação.

Segundo Ajay Bhalla, presidente de Cyber ​​& Intelligence da Mastercard, o potencial das criptomoedas são enormes, mas é preciso garantir a proteção das interações.

O potencial das criptomoedas para mudar nossas experiências cotidianas é enorme. Mas toda interação e experiência devem ser protegidas. Por meio de avançada cripto inteligência, a tecnologia CipherTrace da Mastercard está fortalecendo a segurança e a transparência do ecossistema de criptomoedas e trazendo confiança a esses novos fluxos de pagamentos.

Já o presidente da Mastercard Brasil, Estanislau Bassols, lembra que o mercado de criptomoedas no país é um dos mais avançados da região.

“O Brasil é um dos mercados de criptomoedas mais quentes da América Latina, com altos níveis de adoção. Ao firmarmos parceria com o Mercado Livre, estamos ampliando o nosso relacionamento de longa data de trabalhar juntos para resolver as necessidades de nossos clientes em comum, ajudando os consumidores a pagar de forma simples e segura usando criptomoedas.”

Mercado Livre vai liberar opção de meio de pagamento com Bitcoin?

Como a operação de criptomoedas do Mercado Livre ainda não permite a opção de depósitos e saques, sendo cuidada pela Paxos, não está claro como será importante a nova parceria com a Mastercard.

Contudo, se a empresa planeja aceitar Bitcoin como meio de pagamento, ou saques e depósitos em criptomoedas, a ajuda da ferramenta de rastreio faria mais sentido, situação que ainda não foi confirmada pela companhia.

Paula Arregui, Vice-Presidente Sênior e COO do Mercado Pago, comentou que a parceria com a Mastercard torna mais segura a operação com criptomoedas. Ela não confirmou se há algum plano de aceitar Bitcoin como meio de pagamento no futuro próximo.

“Alinhados ao nosso propósito de democratizar o comércio e os serviços financeiros, queremos derrubar mais barreiras, proporcionando uma experiência simples e segura com criptoativos. A parceria com a Mastercard nos permite apoiar a educação financeira, o engajamento dos usuários e impulsionar um setor mais transparente.”

Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br.



Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

Últimas notícias