Ministério Público procura os líderes foragidos da Pay Diamond

Edital foi publicado pelo MP-SP!

Siga no
Justiça e Bitcoin
Justiça

Uma empresa que prometia rendimentos garantidos no mercado de diamantes tem seus líderes procurados pela justiça brasileira. O Ministério Público de São Paulo protocolou um edital para buscar os líderes da Pay Diamond, que estão foragidos.

De acordo com o MP-SP, os líderes da empresa realizavam eventos em hotéis de luxo para captar novos clientes. Os pacotes de aquisição de diamantes eram de valores diversos, como de $200, $400, $1200, $3600 e $18000.

Com a aquisição de um pacote de investimentos, eram prometidos rendimentos semanais de 5%. Além disso, em um ano, um cliente poderia obter um retorno de 240% do seu investimento.

A empresa ainda tinha outro modelo de negócios, que se chamava Team Bonus, que consistia em convidar pessoas para ingressar na pirâmide. O MP-SP destacou a prisão de um dos líderes, Dilhermano, feita pelo Gaeco do Espírito Santo ainda em 2019. Ficou claro que nunca houve a compra de diamantes, de forma que a sustentabilidade do negócio não possuía uma base forte.

Pirâmide financeira de diamantes, Pay Diamond, tem líderes procurados pelo Ministério Público de São Paulo

Os principais líderes de um negócio fraudulento estão sob a mira do MP-SP. Carlos Cesar Luiz, sua esposa Katia, e seus líderes, Rodrigo, Adriano e Dilhermano, entre outros ainda não identificados estão sendo procurados pela justiça.

O sofisticado golpe envolveu investimentos no mercado de diamantes, que nunca se concretizaram. Eram prometidos certamente uma imensa quantidade de retorno aos clientes, que não conseguiram sacar seus rendimentos após o fim da pirâmide.

A Pay Diamond chegou a atuar fora do Brasil, com operações na Bolívia e Argentina, de acordo com o MP-SP. Além disso, o Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos não confirmou que a empresa nunca comprou uma quantidade de metais preciosos que a permitisse distribuir lucros.

Em outro ponto, a Pay Diamond chegou a informar aos investidores que possuía um fundo de segurança junto a CVM. Ou seja, caso as atividades da empresa encerrassem, os clientes poderiam sacar seus investimentos do fundo. O MP-SP destacou que essa narrativa era utilizada apenas para ludibriar os investidores, visto que a CVM não conhecia as atividades da empresa.

Golpe afirmava que havia realizado a compra de uma mina de diamantes e que o pagamento seria em moeda digital

De fato, o golpe aplicado pela Pay Diamond mostrava aos clientes um cenário promissor de rendimentos. Carlos Cesar Luiz, diretor internacional da pirâmide e líder, era quem apresentava o golpe aos investidores.

Quando a pirâmide começou a ruir, foi criada uma criptomoeda própria da Pay Diamond. A Marketcoin (MKTCOIN) foi a forma que os líderes do golpe começaram a pagar os clientes.

O recebimento em moeda virtual própria deveria acalmar os clientes, que não conseguiam mais sacar os valores. Todos os saldos dos clientes foram convertidos em MKTCOIN, que também não conseguiram sacar.

[…] MKTCOIN com menção de que se trata de uma parceria com a Pay Diamond, deixando claro que esta fraude tinha estreita relação com o crime de pirâmide e nada mais era que uma estratégia de manter as vítimas em erro por mais tempo.

A Marketcoin era apresentada como uma moeda parceira da Pay Diamond, que seria disponibilizada pela plataforma Life in Block. Em resumo, o MP-SP ofereceu denúncia aos líderes, “Pelos elementos já colhidos, que constituem indícios suficientes de autoria e materialidade dos delitos de pirâmide, falsidade ideológica e formação de quadrilha“.

Pirâmide Financeira
Pirâmide Financeira

No Reclame Aqui foram realizadas algumas denúncias de clientes, que não conseguem sacar seus rendimentos ainda em 2020. A Pay Diamond atuou entre 2015 e 2018 no Brasil, mas um perfil da empresa no Twitter realizava captação de novos clientes na Nigéria, país africano, ainda em 2019.

A denúncia da Justiça Pública contra os líderes da Pay Diamond foi publicada no Diário da Justiça de São Paulo, no dia 9 de março, com o Ministério Público estadual atuando na busca dos “cabeças” da pirâmide que estariam foragidos.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.
Ethereum no pano

Ethereum ultrapassa Netflix, Coca-Cola e L’Oreal em valor de mercado

Na manhã deste sábado (10), o Ethereum, segunda maior criptomoeda do mundo em termos de capitalização de mercado, estabeleceu um novo recorde de preço,...
Bandeira da Rússia amassada

Banco central russo deve lançar moeda digital em 2023

Funcionários do Banco Central da Rússia revelaram que estão trabalhando no desenvolvimento do Rublo digital, a moeda digital do país que deve ser lançada...

As falácias do consumo de energia do Bitcoin

O tópico mais recente na indústria de criptomoedas é o consumo de energia de prova de trabalho (Proof-of-work ou PoW) do Bitcoin e se...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias