Nova norma da CVM sobre lavagem de dinheiro vai impactar o bitcoin?

Professora da FGV diz em artigo que melhora na identificação do cliente pode inibir lavagem de dinheiro

Siga no
Autarquia Federal do Brasil CVM - Comissão de Valores Mobiliários
Autarquia Federal do Brasil CVM - Comissão de Valores Mobiliários

A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) atualizou as normas sobre lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo no mercado de capitais. A instrução CVM nº 167, publicada na semana passada, está “alinhada com as melhores práticas atualmente implementadas nos principais mercados mundiais”, segundo a autarquia.

Entre as mudanças, que entram em vigor em julho de 2020, estão a atualização dos critérios para classificar algum investidor como pessoa exposta politicamente e o maior detalhamento das rotinas relacionadas à política de “Conheça seu Cliente”.

A dúvida que ficou no mercado de criptomoedas é se essa nova instrução poderia impactar o segmento, em especial as exchanges. A reportagem do Livecoins questionou a CVM sobre esse assunto e ouviu especialistas no mercado financeiro.

O que diz a CMV?

A CVM, por meio de sua assessoria de imprensa, informou que a medida pode afetar o mercado de criptomoedas sim, visto que a autarquia, apesar de não regular o segmento, entende que muitos criptoativos negociados em exchanges têm características de valor mobiliário.

“Se o criptoativo é ofertado ao público e gera algum tipo de rendimento a partir de poupança popular, então tem característica de valor mobiliário e pode ser impactado pelas mudanças da nova instrução”, informou o órgão.

“Política de Conheça seu Cliente” é o pilar das mudanças

No caso das exchanges, por exemplo, um dos pontos que as empresas podem ter que adequar é a política de “Conheça o seu Cliente” (Know Your Customer). Isso porque não há regras padronizadas sobre a identificação dos investidores, o que, segundo a nova norma da CVM, é um dos principais pilares da instrução CVM nº 167.

“A identificação do cliente compreende a implementação de procedimentos adequados ao objetivo de assegurar a sua real identidade, haja vista se tratar do momento preliminar ao início do relacionamento do investidor com a instituição. Existe, no mínimo, a necessidade de certificação de que o mesmo possuiu, de fato, um número de documento de identidade ou respectiva inscrição no CNPJ”, consta na instrução.

De acordo com a nova regra, a política do Know Your Customer deve ser centrada em quatro etapas: a identificação do cliente, o cadastro, a condução de diligências devidas e o processo de identificação do beneficiário final.

Professora da FGV diz em artigo que melhora na identificação do cliente pode inibir lavagem de dinheiro

A professora de direito da FGV (Fundação Getúlio Vargas), Heloisa Estellita, apontou em artigo publicado em outubro deste ano que um “certo grau” de privacidade nas transações com criptomoedas é uma das caraterísticas que favorecem a lavagem de capitais com criptomoedas. Segundo ela, se as exchanges começassem a identificar todos os usuários elas poderiam ajudar a inibir os crimes de ocultação de recursos.

“O poder de incrementar o risco de lavagem (..) poderá ser bastante mitigado quando as exchanges estiverem sujeitas às medidas de prevenção e controle de lavagem. Isso porque a identificação dos usuários, que será por elas realizada, somada à total transparência das transações no blockchain tornarão a rastreabilidade bastante superior àquela que se tem hoje, por exemplo, relativamente ao dinheiro em espécie”.

Fiscalização tradicional não evitou lavagem de dinheiro, diz professora da UFPR

Desde que a bitcoin foi apresentado ao mundo, em 2008, as instituições financeiras nacionais e internacionais vêm afirmando que as criptomoedas podem facilitar a lavagem de dinheiro e outros crimes, como o terrorismo. Por isso, dizem, a regulação é tão necessária para o mercado.

No entanto, para Ana Paula Cherubum, professora de finanças da UFPR (Universidade Federal do Paraná), o discurso utilizado até então é um pouco controverso, principalmente porque as formas tradicionais usadas para combater a lavagem dinheiro não têm sido 100% efetivas.

“A fiscalização tradicional não conseguiu evitar todos os desvios, as ilegalidades e os prejuízos causados por organizações que conseguiram e ainda são capazes de movimentar milhões. Então dizer que criptomoedas favorecem a lavagem, sendo que esse crime não está sendo combatido de forma eficaz hoje em dia, é muito relativo”, falou Ana Paula.

Vale lembrar que o Brasil é o campeão mundial em lavagem de dinheiro no mundo, segundo a última edição do Relatório Global de Fraude & Risco da Kroll – empresa de gestão de riscos e investigações corporativas -, publicado em outubro deste ano.

Lucas Gabriel Marins
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).

Governo da Ucrânia ensina bitcoin para população

O Ministério da Transformação Digital da Ucrânia criou uma campanha para ensinar  bitcoin, blockchain e criptomoedas para a população. Os vídeos foram desenvolvidos em...

Impressora de dinheiro ligada: BC aumentou em quase 50% base monetária em 12 meses

O Banco Central do Brasil imprimiu muito dinheiro nos últimos doze meses, inflando a base monetária do país. De acordo com o BC houve...
BCHA-51-attack

Grupo anônimo de baleias lança ataque 51% contra fork do Bitcoin Cash

A rede da criptomoeda Bitcoin Cash ABC (BCHA), que surgiu no meio do mês como resultado de um hard fork do Bitcoin Cash, está...

Últimas notícias

Impressora de dinheiro ligada: BC aumentou em quase 50% base monetária em 12 meses

O Banco Central do Brasil imprimiu muito dinheiro nos últimos doze meses, inflando a base monetária do país. De acordo com o BC houve...

Grupo anônimo de baleias lança ataque 51% contra fork do Bitcoin Cash

A rede da criptomoeda Bitcoin Cash ABC (BCHA), que surgiu no meio do mês como resultado de um hard fork do Bitcoin Cash, está...

30 bilionários possuem bitcoin, mas não falam sobre isso, revela milionário do Twitter

O multimilionário filantrópico Bill Pulte, apelidado de "Bitcoin Bill" após sua entrada no mercado de bitcoin em dezembro de 2019, afirmou em uma live...