PF deflagra operação contra evasão de divisas com criptomoedas e investiga corretora

Durante a ação, foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão e ordens de disponibilidade de bens e valores que podem atingir R$ 620 milhões.

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta quarta-fera (7), a Operação SYMBOLIC, visando combater fraudes cambiais, evasão de divisas e lavagem de dinheiro com criptomoedas relacionadas à intermediação de pagamentos para plataformas de apostas e investimentos no exterior. De acordo a PF, a operação é uma continuação da Operação HARVEST de março de 2022.

Foram realizadas ações nas cidades de Curitiba, Campinas e São Paulo, incluindo cinco mandados de busca e apreensão, além de ordens judiciais para bloquear bens e valores dos envolvidos, que podem chegar a R$ 620 milhões.

O foco das investigações é um brasileiro residente em Montevidéu, Uruguai, que administra um grupo de empresas em Santana do Livramento.

As empresas, que movimentaram cerca de R$ 15 bilhões entre 2019 e 2023, são suspeitas de atuar na intermediação de pagamentos para casas de apostas e plataformas de investimento estrangeiras, utilizando processos informais de envio de dinheiro ao exterior e de lavagem de dinheiro.

Criptomoedas

A investigação aponta que o grupo mantinha relações com indivíduos no Brasil, Argentina e Espanha, e utilizava tanto o mercado de câmbio formal quanto operações informais, como o dólar-cabo e criptomoedas, para realizar as remessas de dinheiro.

Além do principal investigado, a operação também examina o envolvimento de uma corretora de criptomoedas e um banco de câmbio, bem como de empresas não diretamente ligadas ao esquema, que eram utilizadas para movimentar os recursos e burlar os sistemas de controle financeiro.

“As remessas de dinheiro ao exterior se davam, em sua maior parcela, de maneira informal ou irregular, via dólar-cabo ou mercado de criptoativos. O grupo mantinha um fundo estrangeiro responsável pela compensação remota de pagamentos no exterior. Paralelamente, o grupo investigado contava com o apoio de uma exchange de criptoativos para efetuar a remessa de valores ao exterior de maneira totalmente informal.” diz a PF.

A Polícia Federal também disse que as empresas não diretamente ligadas à organização eram usadas para movimentar parcelas dos recursos de forma a burlar os sistemas de controle e de compliance dos bancos, bem como dissimular essas movimentações financeiras.

Há suspeitas de que essas ferramentas de intermediação financeira serviam para a lavagem de capitais de pessoas vinculadas a práticas de estelionato eletrônico e de tráfico de drogas, por exemplo.

A Operação SYMBOLIC é o resultado de uma colaboração entre a Delegacia de Polícia Federal em Santana do Livramento e o Grupo de Investigação para Repressão à Lavagem de Dinheiro e Crimes Financeiros (LAFIN/RS).

💰 $100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na maior corretora de criptomoedas do mundo e ganhe até 100 USDT em cashback. Acesse Binance.com

Entre no nosso grupo exclusivo do WhatsApp | Siga também no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Vinicius Golveia
Vinicius Golveia
Formado em sistema da informação pela PUC-RJ e Pós-graduado em Jornalismo Digital. Conhece o Bitcoin desde 2014, atuando como desenvolvedor de blockchain em diversas empresas. Atualmente escreve para o Livecoins sobre assuntos de criptomoedas. Gosta de cultura POP / Geek. Se não estiver escrevendo notícias relevantes, provavelmente está assistindo alguma série.

Últimas notícias