PF notifica mais três corretoras de Bitcoin em caso de Moro

Autoridades ampliam cerco contra investigados após um dos acusados negar fornecer informações sobre carteira com bitcoins.

Siga no
Hacker nega dados de contas com bitcoin

A Polícia Federal determinou o bloqueio de bitcoins em nome dos quatro suspeitos envolvidos no caso Sérgio Moro. Segundo investigação, os acusados invadiram o celular do ministro da justiça e de outras autoridades do país. As autoridades querem descobrir sobre movimentações dos suspeitos em relação à transações de criptomoedas em corretoras brasileiras.

Quatro suspeitos foram presos na última terça-feira (23) através da Operação Spoofing. Segundo as autoridades que investigam o caso, os acusados podem ter movimentado criptomoedas como o bitcoin. Essas transações estão sendo investigadas pela Polícia Federal, que ainda não encontrou criptomoedas que supostamente pertencem aos envolvidos.

Mais três exchanges brasileiras são notificadas no caso do hacker

Inicialmente, a investigação solicitou informações sobre os hackers para três exchanges que operam no país. As corretoras de criptomoedas Mercado Bitcoin, Brasiliex e Foxbit foram citadas em uma decisão judicial que buscava informações sobre os suspeitos.

Segundo a investigação, Gustavo Henrique Elias Santos realizava transações envolvendo o bitcoin. Além de Gustavo, os demais acusados foram envolvidos nos pedidos de informações para as exchanges. Após a justiça citar três empresas em uma petição inicial, mais outras três exchanges devem fornecer informações sobre os acusados.

A Polícia Federal decidiu pedir dados para mais três corretoras de criptomoedas que operam no Brasil. Dessa forma, o cerco contra os acusados está sendo ampliado. Segundo o portal de notícias “O Antagonista”, Brasil Bitcoin, 3xbit e Omni Trade são as exchanges citadas pela justiça. Essas empresas deverão repassar informações sobre possíveis transações envolvendo os quatro suspeitos presos na Operação Spoofing.

Operação Spoofing prendeu quatro acusados de invadir celular

A prisão temporária dos quatro envolvidos foi decretada pelo juiz Vallisney de Oliveira. Nesta sexta-feira (26) o Ministério Público Federal (MPF) solicitou a prorrogação da prisão temporária dos envolvidos no caso do ministro Sérgio Moro. Sendo assim, os investigados deverão ficar mais cinco dias detidos enquanto as investigações procuram por mais dados sobre a invasão do celular de autoridades brasileiras.

As autoridades apuram se os envolvidos utilizaram criptomoedas em operações completamente ilícitas. Ativos digitais como o bitcoin poderiam fornecer informações sobre o envio e recebimento de criptomoedas pelos envolvidos no caso do ministro Sérgio Moro. As autoridades determinaram o bloqueio de qualquer criptomoeda encontrada em nome dos acusados.

Segundo a Polícia Federal, é preciso ter acesso a chaves e senhas dos envolvidos para ter acesso as criptomoedas. As autoridades estariam encontrando dificuldades para encontrar os bitcoins em nome dos suspeitos. Segundo investigações, um dos acusados se recusou a fornecer a senha de acesso ao celular. Além disso, o envolvido no caso também recusou a entrega de dados sobre contas com bitcoin.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Paulo Carvalho
Jornalista em trânsito, escritor por acidente e apaixonado por criptomoedas. Entusiasta do mercado, ouviu falar em Bitcoin em 2013, mas era que nem caviar, "nunca vi, nem comi, só ouço falar".
Mão segurando picolé laranja, cor do Bitcoin

Homem compra picolé com Bitcoin em El Salvador em menos de 15 segundos

Um homem gravou um vídeo em El Salvador comprando um simples picolé com Bitcoin, a compra não demorou 15 segundos para ser completada. A...
Roberto Campos Neto, presidente do BCB no Brasil

Presidente do Banco Central do Brasil pede cautela com Bitcoin

O presidente do Banco Central do Brasil (BCB) pediu que as pessoas tenham cautela com o Bitcoin. Reunindo especialistas do setor financeiro brasileiro para...
Imagem: ShutterStock

Fundadores de corretora de Bitcoin desaparecem com R$ 17 bilhões de clientes

Dois irmãos na África do Sul podem ser responsáveis pelo maior golpe Ponzi envolvendo o Bitcoin já aplicado no país. O nome da empresa...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias