PF prende suspeito de lavar R$ 13 bilhões em criptomoedas

A PF informou que uma das empresas ligadas ao suspeito movimentou mais de R$ 13 bilhões entre 2017 e 2021, sem registros fiscais compatíveis com as transações. Há também evidências de ligação do dinheiro com o tráfico de drogas.

Na madrugada deste domingo (7), a Polícia Federal efetuou a prisão de um especialista em lavagem de dinheiro através de criptomoedas. O indivíduo foi preso na área migratória do aeroporto internacional de Guarulhos, São Paulo, quando se preparava para voar para Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

De acordo com a PF, a ação faz parte de uma investigação maior, iniciada com a Operação Colossus, que visava reprimir crimes como evasão de divisas, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

A investigação, que cobriu o período de 2017 a 2021, envolveu análises de movimentações bancárias suspeitas e a compra de criptomoedas, com suspeitas de envolvimento em ilícitos antecedentes por parte das empresas alvo.

A operação também estabeleceu conexões com outras operações anteriores da PF relacionadas a crimes financeiros e tráfico de drogas​. Durante a operação, também foram realizadas buscas e apreensões nas propriedades do suspeito e de sua companheira. A prisão ocorreu após um período de monitoramento pela Polícia Federal.

Suspeito de lavar R$ 13 bilhões em criptomoedas

O acusado é suspeito de realizar lavagem de dinheiro, recebendo valores ilícitos no Brasil e convertendo-os em criptomoedas, que eram então movimentadas tanto dentro do país quanto no exterior.

Ele usava empresas de fachada e pessoas intermediárias para ocultar a origem do dinheiro. Além disso, é acusado de falsidade ideológica, evasão de divisas, operação irregular de instituição financeira e uso de falsa identidade.

A PF informou que uma das empresas ligadas ao suspeito movimentou mais de R$ 13 bilhões entre 2017 e 2021, sem registros fiscais compatíveis com as transações. Há também evidências de ligação do dinheiro com o tráfico de drogas.

Mesmo vivendo no exterior, o acusado continuou suas atividades ilícitas. Foi identificada uma conta bancária controlada por ele, com movimentação superior a R$ 1,4 bilhão em apenas dez meses.

“Trata-se de investigação iniciada como desmembramento da Operação Colossus, quando foi verificado que uma das empresas controladas pelo investigado movimentou, entre os anos de 2017 e 2021, mais de R$ 13 bilhões entre créditos e débitos, sem apresentar registros de emissão de Notas Fiscais compatíveis com a movimentação bancária levantada, além de evidências de operação com dinheiro proveniente de tráfico de drogas e outros crimes.” — diz a PF.

Devido à gravidade dos crimes e ao fato de ele residir fora do Brasil sem comunicar formalmente às autoridades, a justiça decretou sua prisão preventiva para garantir a ordem pública e o andamento do processo criminal.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na maior corretora de criptomoedas do mundo e ganhe até 100 USDT em cashback. Acesse Binance.com

Siga o Livecoins no Google News.

Curta no Facebook, TwitterInstagram.

Entre no nosso grupo exclusivo do WhatsApp | Siga também no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Vinicius Golveia
Vinicius Golveia
Formado em sistema da informação pela PUC-RJ e Pós-graduado em Jornalismo Digital. Conhece o Bitcoin desde 2014, atuando como desenvolvedor de blockchain em diversas empresas. Atualmente escreve para o Livecoins sobre assuntos de criptomoedas. Gosta de cultura POP / Geek. Se não estiver escrevendo notícias relevantes, provavelmente está assistindo alguma série.

Últimas notícias

Bitcoin 2024

Últimas notícias