Criptomoedas devem ser informadas mensalmente à RFB, diz novo plano anticorrupção brasileiro

Não declarar a posse de criptomoedas no Brasil agora faz parte de discussões em estratégia de combate a corrupção do governo.

Siga no
Lupa olhando Bitcoin. Imagem: Freepick
Lupa olhando Bitcoin. Imagem: Freepick

O Governo Federal lançou nos últimos dias um novo Plano Anticorrupção, material que cita até as declarações de criptomoedas que são enviadas à Receita Federal do Brasil. Este plano terá vigência de 2020 até 2025.

A intenção do governo é entender como funciona os mecanismos de corrupção no país. Dessa forma, “mecanismos de prevenção, detecção e responsabilização por atos de corrupção” deverão ser aprimorados.

No Brasil, o Bitcoin e o mercado inteiro de criptomoedas ainda segue no vácuo de uma regulamentação. Apesar da pressão internacional para criar regras ao setor, e até interna, o assunto ainda segue no legislativo.

Nos últimos dias, o judiciário, através do STJ, afirmou que este é o poder que lida com as criptomoedas hoje. A Receita Federal do Brasil é a única a ter uma posição sobre as criptomoedas.

Plano Anticorrupção lançado pelo governo federal cita que as criptomoedas devem ser declaradas à Receita

Nos últimos anos, muitas operações têm sido realizadas no Brasil para combate à corrupção. Uma das abordagens ao tema é relacionado a sonegação de impostos, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Esses seriam alguns dos principais crimes financeiros que poderiam ser parte da corrupção no país. Contudo, o governo federal lança o Plano Anticorrupção, para traçar estratégias e até adotar recomendações internacionais.

“Para identificar novas operações e transações não realizadas por meio do sistema financeiro nacional, como por exemplo, as operações com criptoativos, as quais devem ser informadas mensalmente à RFB, pelas exchanges e pessoas físicas ou jurídicas titulares destes ativos. Os dados declarados serão utilizados para a realização de cruzamentos de dados e identificação de bens ou ganhos de capital não declarado.”

A criação do material foi realizada pelo Comitê Interministerial de Combate à Corrupção (CICC), instituído pelo Decreto n.º 9.755, de abril de 2019. Participam desse Comitê a CGU, Banco Central do Brasil, AGU, GSI, e os Ministérios da Economia e Justiça e Segurança Pública.

“O Plano Anticorrupção permitirá que o governo federal (a) tenha um maior conhecimento sobre suas responsabilidades estabelecidas pelos normativos vigentes; (b) aprimore os marcos legais; (c) tome decisões embasadas a respeito das recomendações internacionais; e (d) defina as ações futuras a serem implementadas para robustecer e sistematizar seus mecanismos anticorrupção do governo federal.”, afirmou a CGU

O documento de 56 páginas do Plano Anticorrupção chega a citar as criptomoedas, que devem ser declaradas a Receita Federal. A Receita utiliza esses dados para cruzar com possíveis bens ou ganhos de capital não declarados em suas investigações.

Regulamentações internacionais deverão ser melhor acatadas com plano

Em relação às criptomoedas, o Brasil ainda não tem uma posição definida hoje. Contudo, nos últimos dias o G7 se posicionou sobre às criptomoedas, deixando claro que novas regulamentações deverão chegar com força em breve.

Ou seja, com o novo Plano Anticorrupção, caso do G7 emita regras para criptomoedas, o Brasil poderia acatá-las mais rápido. O G7 incluí os países mais industrializados do mundo, ou seja, as principais potências da economia mundial.

A Receita Federal criou apenas uma regra para criptomoedas, que é a obrigação de declaração. Tal obrigatoriedade seria de qualquer fintech exchange (corretora) e/ou pessoas físicas/jurídicas.

A Instrução Normativa 1888/2019 é a primeira regulamentação brasileira sobre criptomoedas. Com o novo plano Anticorrupção, a Receita terá 13 ações que deverão ser cumpridas até no máximo 2024, inclusive a capacitação dos servidores contra lavagem de dinheiro.

Por fim, o país ainda vive um vácuo na regulamentação que prejudica até negócios. Um dos problemas, que inclusive é alvo de discussões no Cade hoje, é o encerramento de contas de exchanges por bancos, sem aviso prévio.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

“Bitcoin não me atrai”, diz André Esteves do BTG Pactual em áudio vazado

Um áudio vazado de uma conversa de André Esteves, banqueiro do BTG Pactual, deixou claro a opinião dele sobre o Bitcoin como um investimento. O...
Dúvida sobre o Bitcoin ser caçado pela China

China pode estar planejando cancelar proibição do Bitcoin

A China tem sido um dos países que mais aparece nos holofotes do setor financeiro, seja ele o tradicional ou então o criptomercado. Com...

Alemanha vai leiloar R$ 75,2 milhões em Bitcoin

O leilão de criptomoedas realizados por diferentes governos tem sido algo cada vez mais comum, e desta vez um estado da Alemanha vai leiloar...
.

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias