Por que a CVM achou “anormal” a atuação de uma fintech de crowdfunding imobiliário?

A empresa e o CEO do negócio, Lucas Rocha Obino Martins, terão que pagar uma multa de R$ 50 mil por dia, caso não cumpram as determinações da autarquia.

Siga no

A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) proibiu a Urbe.me – fintech de crowdfunding imobiliário – de ofertar operações de empréstimo e de financiamento entre pessoas.

Além disso, a autarquia determinou que a startup, localizada em Porto Alegre (RS), pare de usar de forma indevida o logotipo do órgão, pois tal prática poderia induzir os investidores ao erro.

Se descumprir a medida, a empresa terá que pagar uma multa de R$ 50 mil por dia. O CEO do negócio, Lucas Rocha Obino Martins, também teria que arcar com o prejuízo

Fintech não cumpriu resolução sobre crowdfunding, diz CVM

De acordo com a autarquia, a fintech foi notificada porque não estaria atuando em conformidade com a Instrução CVM 588.

A norma, publicada em julho de 2017, libera empresas com faturamento anual de até R$ 10 milhões para realizar crowdfunding com dispensa automática de registro.

Algumas regras, no entanto, precisam ser seguidas.

Umas das determinações que a Urbe.me não estaria cumprindo, segundo a autarquia, é a destinação de uma página específica com informações mínimas sobre a oferta.

Esse tipo de página, ainda de acordo com a CVM, tem que ser “escrita em linguagem clara, objetiva, serena, moderada e adequada ao tipo de investidor a que a oferta se destina”.

A outra “regra” que a startup teria descumprido é a reprodução e a utilização da sigla, do logotipo e do slogan da CVM no site, de tal forma que leva o investidor a cometer erros.

“Tais práticas caracterizam situação anormal de mercado o que autoriza esta Autarquia a proibir aos participantes do mercado, sob cominação de multa, a prática de atos que especificar, prejudiciais ao seu funcionamento regular, na forma do §1º do inciso IV do art. 9º da Lei nº 6.385, de 7 de dezembro de 1976, sem prejuízo das sanções administrativas cabíveis”, informou o órgão.

O que diz a fintech?

Em nota enviada à reportagem do Livecoins, a Urbe.me informou que, apesar de manter o registro na CVM, passou a operar como intermediária bancária do BC (Banco Central) e seguir as recomendações do órgão, que são diferentes das estipuladas pela autarquia.

O motivo para atuar de acordo com a legislação do Bacen, segundo a empresa, é que “sua atividade fim , que é investimento coletivo em empreendimentos imobiliários” estava “comprometida por conta de a regulamentação da CVM determinar que apenas empresas com faturamento de até R$ 10 milhões anuais poderiam ser beneficiadas por captações coletivas”.

De acordo com a Urbe.me, esse “teto” do faturamento seria satisfatório para empresas nascentes, a exemplo de startups, mas seria bastante limitador  para incorporadoras, que são os clientes que recorrem à solução ofertada pela fintech.

Fintech diz estar frustrada com proibição da CVM

Na nota, a empresa também informou que ficou frustrada com a notificação da CVM, visto que a autarquia já havia recebido ofício com informações sobre a nova situação do negócio.

Veja trechos da nota da Urbe.me:

“A decisão do colegiado veio a público, no entendimento da Urbe.me, sem contemplar resposta ao recurso realizado pela plataforma questionando ofício enviado pela autarquia a respeito da regularidade da atuação concomitante como plataforma de investimento colaborativo e como correspondente bancário no mesmo endereço web. A regulamentação vigente não se opõe a tal prática, mas, conforme sua manifestação, passa a ser vetada pela CVM, o que impacta, não apenas a Urbe.me, mas outras plataformas do segmento.

Agora, mais de um ano e meio após começar a operar no segmento de crédito e com a iminência de uma modificação na instrução CVM 588 que poderia ampliar os limites e possibilitar o retorno da plataforma para o âmbito regulatório da instrução, recebe com frustração a notícia de que, para seguir operando com empresas minimamente sólidas dentro do setor da construção civil e não incorrer em aumento considerável de risco aos seus investidores, poderá ver-se obrigada a cancelar seu registro na autarquia.

Segura quanto à regularidade de suas atividades, a Urbe.me manifesta que as decisões da CVM não afetam captações por ela já realizadas e já dispõe de alternativas que garantem a manutenção do cronograma de captações futuras, a próxima, já marcada para o dia 29 de junho.

Conforme já ocorre há 18 meses, a Urbe.me seguirá atuando estritamente sob o arcabouço regulatório do Banco Central do Brasil, como correspondente bancário e plataforma de crédito, até que haja uma alteração significativa em relação a CVM nº 588 em relação a limites de faturamento das empresas que buscam captação”.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).
Roberto von der Osten, da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT)

Bitcoin é inevitável, diz sindicalista da CUT

O sindicalista Secretário de Relações Internacionais da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Sistema Financeiro (CONTRAF-CUT), Roberto von der Osten, disse em um programa de...

Axie Infinity não pagará mais jogadores iniciantes

Axie Infinity ainda é um dos grandes sucessos dos jogos blockchain, representando uma oportunidade para muitos conseguirem ganhar enquanto jogam. No entanto, novas mudanças...
Bitcoin e criptomoedas em ETF

NASDAQ indica que ETF de Bitcoin pode ter sido aprovado, preço dispara

Os investidores de Bitcoin tem aguardado ansiosamente por uma possível aprovação de um ETF de Bitcoin, o que poderia fazer o preço do ativo...
.

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias