Por que “a institucionalização das criptomoedas” é um paradoxo?

-

Siga no
Anúncio

Por Jackson Palmer @ Diar – Se você ficar em dia com as notícias sobre criptomoedas, pôde perceber uma tendência recente que é a empolgação generalizada com a perspectiva de grandes instituições financeiras tradicionais entrarem na indústria.

Vimos uma onda de notícias institucionais ultimamente, desde a Bakkt, afiliada à NYSE, lançando infra-estrutura de custódia e negociação, até ETFs bitcoin de grandes prestadores de serviços de plano de aposentadoria, como a Fidelity, abrindo espaço para criptomoedas. Em paralelo, as startups nascidas da geração de criptomoedas, como a Coinbase, estão cada vez mais direcionando seus negócios para investidores institucionais, na esperança de poder competir com esses gigantes de Wall Street.

Enquanto muitos entusiastas das criptomoedas expressam entusiasmo cego com a noção de impacto positivo de preço associado a esse dinheiro, é importante dar um passo para trás e analisar o que essa fase do ciclo de vida das criptomoedas realmente representa.

Anúncio

Para analisar o cenário das criptomoedas, podemos associar o estado atual a três benefícios amplos que as moedas digitais descentralizadas originalmente tinham como objetivo fornecer:

1. Resistência à censura 
2. Transações confiáveis 
3. Histórico verificável

A descentralização continua a ser um espectro, e os projetos podem ocasionalmente evitar alguma descentralização em nome da eficiência e, ao mesmo tempo, fornecer um subconjunto desses atributos. Mas uma criptomoeda de sucesso precisa garantir que todos os três princípios fundamentais sejam mantidos.

Se você observar o que está acontecendo com a Bakkts, Fidelitys e Coinbase através das lentes desses princípios, surge uma tendência preocupante.

RESISTÊNCIA À CENSURA

A resistência à censura implica que a capacidade de um usuário de interagir com a moeda nunca deve depender de um possível ponto único de falha. No Bitcoin, os nós públicos podem diminuir, mas existem muitos para preencher rapidamente o seu lugar. Graças ao consenso descentralizado via Prova de Trabalho (PoW), também não existe uma única entidade que possa censurar suas transações.

A mudança para a dependência de uma única corporação (essencialmente um banco) como sua janela para uma rede de criptomoedas introduz um ponto único de falha. 

Se a Coinbase.com ficar off-line, um usuário que confia nesse provedor perde essencialmente o acesso à rede Bitcoin descentralizada.

Além disso, se a Coinbase ou qualquer provedor de serviços centralizado simplesmente encontrar uma conta “suspeita” por seus padrões, eles podem bloquear ou limitar severamente o acesso de um usuário à sua conta ou censurar transações de serem transmitidas.

 TRANSAÇÕES CONFIÁVEIS

Para que uma moeda digital seja “confiavel” por natureza, não se deve exigir que um usuário confie em um custodiante, facilitador ou até mesmo outro usuário para realizar transações de forma segura e confiável. Em um sistema como o Bitcoin, se um usuário estiver segurando suas chaves privadas, ele terá total propriedade e autoridade sobre seus fundos.

Um tema comum entre Bakkt, Fidelity e Coinbase, no entanto, é o seu impulso para oferecer “serviços de custódia” para os usuários que armazenam criptomoedas com eles – uma prática antitética à premissa de transações financeiras sem confiança.

Ao oferecer serviços de custódia, essas empresas buscam controlar e administrar as carteiras contendo Bitcoin, Ethereum, etc. de seus grandes clientes institucionais e de varejo, ocultando a noção de chaves privadas em nome da conveniência.

Quando os usuários estão realizando transações com a rede Bitcoin por meio de um ETF ou plano Fidelity respaldado em criptomoeda, eles possuem a cripto puramente no papel e não na realidade, pois o provedor está simplesmente movimentando os saldos em um banco de dados centralizado. De um modo geral, se você não está segurando suas chaves privadas, você não está segurando criptomoedas.

Além disso, como vimos com o desastre da MT.Gox, grandes somas de cryptomoedas centralizadas podem ser um alvo atraente para os hackers.

HISTÓRICO VERIFICÁVEL

Muito do sucesso original do Bitcoin foi alimentado por uma reação às práticas supostamente corruptas que resultaram na crise financeira de 2008. A promessa da blockchain era que, através de um livro público verificável, os usuários teriam confiança na emissão e no fluxo da oferta de moeda, e que os bancos não poderiam destruir secretamente essa nova economia a portas fechadas. 

Com o Bitcoin, um usuário pôde, a qualquer momento, verificar com segurança todo o histórico de transações que levaram ao estado atual dos saldos no ledger.

Mas, à medida que imensas somas do suprimento monetário digital começam a se alojar nos cofres dos provedores de serviços institucionais, as transações crescem cada vez mais fora de uma blockchain pública e são, ao invés disso, processadas “off-chain” usando bancos de dados privados.

Embora muitas empresas comercializem essa abordagem como oferecendo velocidades mais rápidas e taxas de transação mais baixas, o efeito colateral é uma regressão a um estado em que uma grande parte do movimento Bitcoin ou Ethereum entre proprietários não é mais verificável em termos de criptografia ao longo do tempo.

O QUE NOS RESTA?

O desafio da entrada institucional nas criptomoedas é que ela derruba todas as três principais proposições de valor que a tecnologia pretende oferecer.

Se um usuário está acessando sua conta através de um site centralizado, entregando a custódia de suas chaves privadas inteiramente a um terceiro confiável, e não consegue verificar um livro contábil de como seus fundos estão sendo administrados por esse terceiro, eles estão realmente usando uma criptomoeda?

Neste ponto do debate, muitos argumentam que a criptomoeda fornece um benefício central que não foi especificamente descrito aqui – que a criptomoeda simplesmente representa uma classe de ativos que não é emitida ou controlada por um governo. Embora seja objetivamente verdade, podemos pintar uma imagem que alguns podem achar mais assustadora do que o decreto emitido pelo governo.

À medida que o envolvimento institucional em criptomoedas se expande, ele será indubitavelmente sedutor para os banqueiros e firmas que administram serviços custodiários de bilhões de dólares para emitir seus próprios tokens que eles podem controlar centralmente, cobrar taxas e construir monopólios ao redor.

Dada a resposta aparentemente entusiasta da base de usuários ao que já marca uma re-centralização da tecnologia, eu gravemente temo que estamos indo em direção a um futuro onde banqueiros de Wall Street vão controlar não apenas os serviços no topo de uma moeda, mas gerenciar a moeda em si.

Embora esta previsão pode parecer exagerada, ele já começou com a emissão de “stablecoin” altamente centralizadas como USDC gerenciados por corporações.

O QUE VEM DEPOIS?

Um lampejo de boas notícias aqui é que, fora dos holofotes, o trabalho continua no nível do protocolo para manter um grau de resistência ao domínio institucional sobre as criptomoedas. 

Desde iniciativas que oferecem dimensionamento sem custódia, como Lightning Network ou Plasma, à crescente disponibilidade de carteiras de hardware seguras, até projetos que apoiam a privacidade do usuário, como Zcash e Grin, há alguma esperança de que as criptomoedas possam reagir e manter suas raízes.

A verdadeira questão é se a indústria em massa priorizará essa resistência sobre o fascínio da expansão do mercado e da riqueza que a centralização institucional pode oferecer. 

Minha observação prolongada do sentimento no espaço sugere-me que isso, infelizmente, pode não ser o caso. Em um nível macro, não há como negar que as instituições estão chegando – mas para um movimento anteriormente descrito como “a criptomoeda ocupar Wall Street”, a criptomoeda agora se assemelha tristemente a uma comunidade que prefere ser ocupada pela própria Wall Street.

Jackson Palmer é conhecido por seu papel na criação da infame criptomoeda Dogecoin. Palmer, um membro ativo do espaço de criptomoedas, produz vídeosno YouTube, canais “Crypto Explained” e “Crypto Weekly”. Link aqui

Siga o Livecoins no Google News para receber nossas notícias em tempo real.
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter.
Receba também no email se cadastrando em nossa Newsletter.
Avatar
Livecoins
Livecoins é um portal de blockchain e criptoeconomia focado em notícias, artigos, análises, dicas e tutoriais.
Carvão e tecnologia blockchain

Minas Gerais lança projeto blockchain para controle de carvão

O carvão é considerado um dos principais recursos naturais para obtenção de energia no mundo. Dessa forma, um dos estados que o produz no...

Investidores se confundem e compram criptomoeda errada que valoriza 500.000% com confusão

Recentemente o projeto Uniswap (UNI) tem ganhado muito a atenção dos investidores, principalmente após ter sido listado na Coinbase, a maior corretora de bitcoin...
Hacker segurando criptomoeda Bitcoin

Grupo de hackers atacavam gamers para roubar Bitcoin

Um grupo de hackers baseado na China atacavam vários gamers em um elaborado plano. As autoridades que investigavam o grupo aponta que há anos...

Últimas notícias

Investidores se confundem e compram criptomoeda errada que valoriza 500.000% com confusão

Recentemente o projeto Uniswap (UNI) tem ganhado muito a atenção dos investidores, principalmente após ter sido listado na Coinbase, a maior corretora de bitcoin...

Grupo de hackers atacavam gamers para roubar Bitcoin

Um grupo de hackers baseado na China atacavam vários gamers em um elaborado plano. As autoridades que investigavam o grupo aponta que há anos...

Doações de Bitcoin começam a chegar para combater queimadas no Pantanal

Algumas doações em Bitcoin começam a chegar para apoiar o combate às queimadas no Pantanal. O dinheiro está sendo arrecadado em uma campanha pela...