Próxima eleição terá blockchain e celular? Testes foram feitos

Urna eletrônica será desafiada por nova geração de dispositivos eletrônicos.

Siga no
Eleições no Brasil, Urna Eletrônica
Urna Eletrônica Foto: Antonio Augusto/Ascom/TSE

A próxima eleição, marcada para 2022, terá provavelmente o uso da tecnologia blockchain e do celular para votação. No último dia 15 de novembro aconteceu a eleição para prefeito e vereador no Brasil ainda com urnas eletrônicas.

Na data, vários testes foram realizados por várias empresas de tecnologia. Algumas já aproveitaram para mostrar a tecnologia do Bitcoin, a blockchain, em aplicações de votação.

Chamada até de protocolo da confiança, a blockchain tem sido utilizada em vários países. Mesmo assim, a eleição de 2020 marca o primeiro teste público da tecnologia em dia de eleição.

Em 2022, os brasileiros voltarão às urnas para votar para presidente, deputados, senadores e governadores. O desafio é encontrar uma alternativa segura a urna eletrônica até lá.

Próxima eleição deverá ter uso da tecnologia blockchain e até voto por celular

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) testou, no último domingo, alternativas a urna eletrônica. Com uso da tecnologia blockchain, as alternativas seriam uma maneira de avançar no processo de digitalização do voto.

Cabe o destaque que recentemente o presidente Jair Bolsonaro voltou a sugerir o voto por cédulas impressas. Contudo, para o presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, os mecanismos eleitorais serão constantemente aprimorados.

No Brasil hoje, as urnas eletrônicas são os dispositivos que dão acesso à votação. No entanto, a cada eleição 20% das urnas precisam ser substituídas, gerando gastos de R$ 1 bilhão.

Com objetivo de baratear as eleições no país, o TSE conheceu alternativas no último dia 15. As empresas que demonstraram suas soluções deveriam garantir o sigilo do voto, segurança e eficiência. Mesmo assim, não houve nenhuma restrição de tecnologia, para deixar as empresas livres para realizar suas demonstrações.

Uma das cidades que teve apresentações foi Valparaíso de Goiás, a 32 quilômetros de Brasília. Na cidade, quatro empresas demonstraram aplicações para melhorar as eleições do Brasil, inclusive a blockchain.

“Na cidade goiana, representantes da GoLedger explicaram que o seu aplicativo apresenta blockchain (tecnologia de registro totalmente confiável) para, entre outros objetivos, gerar uma “cédula digital”. Já os integrantes da RelataSoft destacaram que o aplicativo da empresa funciona com a identificação facial”, afirmou o TSE em nota.

Representantes das empresas se mostraram animados com apresentação de soluções

De acordo com o Poder 360, que conversou com as empresas que testaram soluções, o momento é importante. O presidente da RelataSoft, Leonardo Cunha, afirmou que a tecnologia blockchain deverá ajudar muito o TSE na modernização da eleição brasileira.

Para ele, enquanto a urna envia os dados para 1 local, com a blockchain vários locais poderiam receber os dados e validar a eleição. Ele acredita que a urna não é 100% segura, assim como a blockchain poderia não ser, mas a tecnologia consegue se adaptar aos riscos facilmente.

A eleição poderia usar a tecnologia 5G e de reconhecimento facial também, garantindo mais segurança ao processo. O presidente da RelataSoft afirmou que nem o Titanic, nem as Torres Gêmeas eram 100% seguras, logo até a urna é suscetível a falhas.

A GoLegder afirmou que pretende usar a blockchain para garantir o sucesso da eleição. Na aplicação chamada de GoVote, seriam utilizados três blockchains para garantir a privacidade do eleitor e, então, o resultado correto da eleição.

Com a apresentação de 26 projetos, o TSE passa a estudar a modernização do processo eleitoral brasileiro. Por fim, todas as apresentações foram feitas sem custos para a justiça brasileira.

Leia mais sobre:
Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

Harvard e outras universidades estão comprando Bitcoin

Diversas universidades dos Estados Unidos estão comprando Bitcoin discretamente há pelo menos um ano, de acordo com informações do CoinDesk. Harvard, Yale, Brown a...

Presidente do Banco da Inglaterra sugere que criptomoedas estão com os dias contados

Durante um painel virtual de debate sobre moedas digitais em Davos, o presidente do Banco da Inglaterra, Andrew Bailey, disse que uma moeda digital "duradoura"...

Nietzsche aprovaria o Bitcoin?

"As empresas que vão a falência afetam os contribuintes com seus prejuízos”, mas “quando ganham dinheiro, ficam só pra eles”. É a chamada era...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias

Presidente do Banco da Inglaterra sugere que criptomoedas estão com os dias contados

Durante um painel virtual de debate sobre moedas digitais em Davos, o presidente do Banco da Inglaterra, Andrew Bailey, disse que uma moeda digital "duradoura"...

Nietzsche aprovaria o Bitcoin?

"As empresas que vão a falência afetam os contribuintes com seus prejuízos”, mas “quando ganham dinheiro, ficam só pra eles”. É a chamada era...

Bolha do mercado de ações nos EUA está prestes a estourar, alerta o Bank of America

Um dos maiores bancos dos Estados Unidos publicou um relatório alertando que a “forte alta” no mercado de ações em menos de 1 ano...

“Bitcoin será destruído com a regulamentação governamental”, diz professor de Harvard

A previsão para o preço futuro do Bitcoin é algo muito comum no criptomercado, alguns acreditam que, até o fim deste ano, teremos o...

“Bitcoin é uma bolha, mas o sistema financeiro mundial é uma bolha maior”, diz ex-analista da Bridgewater

Não é de hoje que os críticos do Bitcoin apontam a criptomoeda como uma bolha financeira. Em dezembro de 2017 talvez tenha sido o...